Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.

Veja demite jornalista que tentava criticar o STF



Brasil 247

Imagem da Matéria

O jornalista José Roberto Guzzo – que tem firme simpatia pelo governo de Jair Bolsonaro - foi demitido da revista Veja, da Editora Abril, onde iniciou seu trabalho como colunista há 51 anos. A saída se deu após a recusa da direção da publicação em publicar sua coluna da sexta passada, na qual criticava o STF e dizia que os ministros, com o julgamento de quinta-feira 17 sobre a prisão depois da condenação da segunda instância, decidiriam "pela paz ou pela desordem".

Em uma carta de despedida, Guzzo escreveu que, "ao recusar a publicação da coluna mencionada", a Veja "exerceu o seu direito de não levar a público algo que não quer ver impresso em suas páginas. A partir daí, em todo caso, o prosseguimento da colaboração ficou inviável".

Leia a íntegra da carta do jornalista

Caros amigos

Desde quarta-feira, 15/10/19, não sou mais colaborador da revista “Veja”, na qual entrei em 1968, quando da sua fundação, e onde mantinha uma coluna quinzenal desde fevereiro de 2008. A primeira foi publicada na edição de 13/02/2008. A partir daí a coluna não deixou de sair em nenhuma das quinzenas para as quais estava programada.

Na última edição, com data de 16/10/19, a revista decidiu não publicar a coluna que eu havia escrito. O artigo era sobre o STF, e sustentava, como ponto central, que só o calendário poderia melhorar a qualidade do tribunal — já que, com a passagem do tempo, cada um dos 11 ministros completaria os 75 anos de idade e teria de ir para casa. Supondo-se que será impossível nomear ministros piores que os destinados a sair nos próximos três ou quatro anos, a coluna chegava à conclusão que o STF tende a melhorar.

A liberdade de imprensa tem duas mãos. Em uma delas, qualquer cidadão é livre para escrever o que quiser. Na outra, nenhum veículo tem a obrigação de publicar o que não quer. Ao recusar a publicação da coluna mencionada acima, “Veja” exerceu o seu direito de não levar a público algo que não quer ver impresso em suas páginas. A partir daí, em todo caso, o prosseguimento da colaboração ficou inviável.

Ouvimos, desde crianças, que não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe. Espero que esta coluna tenha sido um bem que não durou, e não um mal que enfim acabou. Muito obrigado.”


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Aos pedaços e com pouco tempo

“Não desejo empregar a lógica do Marcelo Medeiros. Na semana passada ele afirmou em uma espécie de defesa prévia: ´Peguei o Inter na segunda divisão e se entregar na primeira e disputando a Sul Americana já seria melhor´”.

Bacharel formado em 1982 não precisa prestar Exame de Ordem

· Limite de isenção para compras no exterior vai dobrar para US$ 1.000.
· Antecipação de tutela obriga Flamengo a pagar R$ 10 mil mensais às famílias de 13 jovens jogadores que morreram e ficaram feridos no incêndio do Ninho do Urubu.
· Preso perito judicial que fraudava laudos contábeis.
· Possibilidade de mais compras no exterior sem tributação.

Foto Getty Images

   Barulho na madrugada cria rota de choque de artista famosa com vizinhos endinheirados

 

Barulho na madrugada cria rota de choque de artista famosa com vizinhos endinheirados

  O Condomínio Mansões, no Rio, notifica a rica proprietária Larissa de Macedo Machado, 26 de idade, “para que tal fato não se repita, a fim de evitarmos multas e ações judiciais”.

 Quatro perguntas sobre o mercado jurídico brasileiro

  Revista Exame sai da Editora Abril e fica sob o comando do banqueiro André Esteves.

  Veja quem será o representante do Partido Podemos para debater e votar sobre a PEC da prisão em segunda instância.

  Há 25 deputados que mandam na Câmara Federal. Os outros só apertam os botões de votações...

Charge de Renato Peters

Para ser ON, seja OFF

 

Para ser ON, seja OFF

“Faça a experiência: chegue em casa, coloque o celular no escritório, num armário, numa gaveta e só pegue ele antes de dormir para ativar o despertador e não interaja com ele, exceto para despertar no dia seguinte”…