Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,12 de novembro de 2019.

Cuidado com as audiências em ação de despejo



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

Por Cristine Batistella Darcie, advogada (OAB-RS nº 45.255)

O cuidado deve ocorrer especialmente quando ausente o réu ou o seu procurador. Isso porque nem uma ação rescisória foi capaz de anular uma confissão de dívida que a parte jamais firmou e que acabou resultando em prosseguimento do despejo.

É exatamente isto: agora, acordo assinado por terceiro sem qualquer poder de representação vincula a parte. E o pior: em uma ação de despejo sem contrato de locação ou prova de locação vigente.

O inacreditável caso envolveu uma ação de despejo por falta de pagamento atualmente em trâmite na 3ª Vara Cível da Comarca de Porto Alegre (proc. nº 001/1180020457-5) movida contra uma idosa com mais de 80 anos. O que era para ser uma ação inepta, extinguível por falta do contrato de locação ou prova mínima de locação, virou um verdadeiro “elefante branco”, insolúvel pela Justiça.

Fato é que após ser decretada a revelia da ré (não regularmente citada), fora designada audiência de instrução e julgamento, tendo em vista que não fora juntado contrato de locação aos autos, inexistindo prova de locação vigente. Sendo que a presunção de veracidade da revelia não induz necessariamente a procedência, havendo necessidade de prova do fato constitutivo do direito, segundo entendimento da própria magistrada que conduzia o processo. Até então, nada a reparar.

Mas então, o inimaginável aconteceu: ao comparecerem a audiência, terceiros - não autorizados pela parte ré, tampouco munidos de indispensável instrumento de mandato - firmaram acordo em nome de uma octogenária, reconhecendo uma dívida e uma relação jurídica locatícia inexistente. E o pior: referido acordo foi homologado.

E o pior ainda, se possível for: nem uma ação rescisória foi capaz de anular o tal acordo (Proc. nº 70082570268).

Pergunto: até onde iremos, com esta nossa “Justiça”. A julgar pelos últimos acontecimentos nos tribunais superiores e pelas impropriedades praticadas pelas instâncias de origem, não estaríamos caminhando a passos largos para uma situação irreversível de descrédito com a Justiça?

Não é demais lembrar, aos julgadores, que o devido processo legal deve ser pautado pela ampla defesa e contraditório, devendo haver extremo cuidado com a legitimidade processual, sob pena de risco à segurança jurídica. Todos manifestamente vilipendiados na respectiva demanda.

E o despejo segue, firme e forte, com formação de dívida substancial em decorrência de ato de vontade de quem nunca manifestou vontade alguma.

De modo que, após vivenciar situações bastante peculiares, ainda é possível, hoje, depois de mais de 20 anos de diuturno labor, olhar com espanto para algumas situações em nossa “Justiça”, feita por humanos, e como tal imperfeita.

Mas creio - otimista que sou - que a irresignação aqui expressada seja um bom sinal. Enquanto existirem situações que nos façam “pasmar” a tal ponto, significa que ainda não perdemos a fé e que não nos conformamos com a banalização de “aberrações” jurídicas que situações como esta representam.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O STF derruba a presunção de inocência

“Não vi ser enfrentado o conflito do art. 283 com o disposto no art. 637, do mesmo CPP, que afasta o efeito suspensivo do recurso extraordinário e prevê a baixa dos autos à primeira instância para o cumprimento da pena”. Artigo de Moacir Leopoldo Haeser, advogado, e desembargador aposentado do TJRS.

Dois meses de férias para todos!

“É deboche chamar de 'recesso' o ócio remunerado de juízes, procuradores e outros. Quantos meses deveria ter um médico da emergência de hospital público?”. Artigo de Nelson Motta, jornalista e escritor. 

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Tempo - é o que falta

 

Tempo - é o que falta

“Mesmo em tempos de profunda radicalização, surpreende a atitude do governador do RS, Eduardo Leite”. Ele quer urgência na aprovação de - uma, duas, cinco, dez, vinte, cinquenta, cem, duzentas, trezentas, quatrocentas... – exatas 480 alterações no Código do Meio Ambiente do Estado do RS. Artigo do jornalista João Batista Santafé Aguiar.

Arte de Camila Adamoli sobre imagem Google - Definições extraídas do Dicionário Aulete

E agora, José?

 

E agora, José?

“Há pouco dias referiu o ministro Toffoli que ´voto de presidente é diferente de voto de bancada´. Com razão, pois parece  prudente que, em voto de desempate, mantenha a orientação solidificada no STF de não atribuição de efeito suspensivo aos recursos. Aliás, como expressamente previsto no art. 637, do CPP, dando interpretação harmônica aos princípios constitucionais”. Artigo de Moacir Leopoldo Haeser, advogado (OAB-RS nº 45.143); desembargador aposentado do TJRS

Prescrição não é solução

“A proposta do ministro Toffoli não é ruim, mas é fraca e incompleta. Se ficar só nisso e desprezar o contexto estrutural de nosso labirinto processual, corre o risco de se tornar mais um factoide: cria uma cortina de fumaça, sem resolver os problemas reais”. Artigo de Silvana Batini, procuradora regional eleitoral e professora da FGV Direito Rio.