Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, 20.2.2020.
Próxima edição na quinta-feira 27
https://www.espacovital.com.br/images/escreva_direito_2.jpg

Ordem direta e concordância verbal



O verbo sempre concorda com seu sujeito. Todos decoraram este princípio geral da concordância verbal, mas poucos o adotaram. Por quê? Porque a maioria não procura o sujeito, tornando a regra sem efeito. Tomemos um exemplo bem simples:

- Se fatos novos não ocorrerem... Vamos achar o sujeito perguntando ao verbo: O que não ocorre? Resposta: fatos novos. Portanto, o verbo concorda com fatos novos; daí ocorrerem. Neste exemplo, o sujeito está em sua posição normal, ou seja, antes do verbo. Por essa razão, dificilmente alguém erraria. No entanto, ao colocarem o sujeito depois do verbo, muitos, por não o procurarem, errariam, escrevendo: Se não ocorrer fatos novos..., e assim descumpririam o princípio da concordância. Para fazer o verbo concordar com seu sujeito, a forma correta é esta: Se não ocorrerem fatos novos...

O melhor exemplo que conheço é o da primeira frase do Hino Nacional: Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heroico o brado retumbante. Vamos achar o sujeito: Quem ouviu? Resposta: As margens plácidas; como o verbo tem que concordar com o sujeito, só pode ser ouviram. Mas as margens ouvem? É claro que se trata de figura de linguagem. Aliás, são poucos os brasileiros que entendem o significado dessa frase, apesar de muitos se emocionarem quando a cantam. Observe o leitor como o entendimento ficaria fácil se o período estivesse na ordem direta, isto é, o sujeito antes do verbo e o objeto direto (o brado retumbante) imediatamente após o verbo, antes do complemento nominal (de um povo heroico):

- As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heroico.

Conclusão: A não ser que a frase ganhe vigor, evite-se escrever em ordem indireta, por duas razões: primeiro, porque a ordem direta simplifica e acelera o entendimento do significado da frase (isso é da maior importância em tempos acelerados como os que vivemos) e, segundo, não se corre o risco de incorrer em erro de concordância.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação, clicando aqui.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte de Camila Adamoli sobre foto Google Imagens

Reserva mental ou simulação unilateral

 

Reserva mental ou simulação unilateral

“A polêmica do contrato que envolve o caso do atleta Pedro Rocha na sua relação com os clubes envolvidos (Grêmio e Diadema). As duas expressões, usadas em contextos iguais, podem significar o mesmo, em que pese uma delas ser mais precisa do ponto de vista da ciência linguística”. O julgamento pelo TJRS será na próxima quarta-feira (11).

Arte EV

O jeito de escrever nos meios eletrônicos

 

O jeito de escrever nos meios eletrônicos

“Não se consegue imprimir na escrita a mesma velocidade da fala, razão por que se eliminou tudo o que pode emperrar a produtividade da digitação: abrevia-se quase tudo. Exemplos: Atenciosamente virou Att.; você virou vc.; que virou q., e assim por diante”.