Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,19 de novembro de 2019.

A quebra de sigilo telemático em e-mails do TJRS



Arte de Camila Adamoli - Fotos de Camera Press

Imagem da Matéria

Apesar dos preceitos constitucionais e de preciosos ensinamentos do ministro Celso de Mello, do STF, sobre o princípio da publicidade que deve prevalecer na tramitação processual na Justiça brasileira, segue sob sigilo a ação penal nº 21300711955 que tramita lentamente na 9ª Vara Criminal de Porto Alegre.

Há seis anos, o processo trata de denúncia apresentada pelo MP-RS sobre ilícitos ocorridos em Porto Alegre e Torres e a defesa dos acusados.

Conforme a acusação, o modus operandi praticado por 12 pessoas – que se dividiam em dois grupos – lesou diversas pessoas e empresas que compraram precatórios de débitos mantidos pelo Estado do RS.

Estes – conforme a notícia – se dividiam em dois:

a) Precatórios quentes, mas que furavam a fila da ordem natural de pagamentos;

b) Precatórios falsificados, baseados em cessões de créditos fraudulentas.

Entre os denunciados estão três advogados/as, um bacharel em Direito e uma pessoa que exercia cargo de confiança no tribunal.

Ontem (10), a “rádio-corredor” da OAB-RS difundiu que “conforme petição de fls. 2291/2292, o Ministério Público havia requerido a decretação do afastamento do sigilo telemático de contas de e-mails do TJRS”. Assim, pela primeira vez se soube, por meio da investida ministerial, que mensagens de correio eletrônico eram trocadas entre pelo menos um(a) agente do TJRS e alguns operadores da negociata.

Mas, conforme a decisão judicial imediatamente posterior a tal pedido, o Parquet foi instado “a esclarecer o pedido,“uma vez que, diferentemente do que aduzido em petição, o pedido de quebra de sigilo dos e-mails do TJRS não fora deferido em momento anterior por este juízo”.

Nada mais se soube – nem mesmo o nome do juiz/a, ou desembargador/a de quem partiu a decisão de impor a chancela do segredo de justiça a todos os atos processuais posteriores.

A atual juíza da causa, Cristina Lohmann, está na 9ª Vara Criminal em condição excepcional, atuando pelo “Projeto Reforço de Ações de Improbidade Administrativas e Penais Decorrentes de Crimes contra a Administração”.

A juíza titular da mesma vara, Eda Salete Zanatta de Miranda, não tem injunção sobre a ação penal que já conta com cerca de 20 volumes e cujas últimas movimentações processuais são anotadas de forma telegráfica, pouco clara, sem quaisquer outros detalhes:

Ø 07/10/2019 JUNTADA DE PETIÇÃO DE OUTRAS

Ø 03/10/2019 JUNTADA DE PETIÇÃO DE OUTRAS

Ø 03/10/2019 JUNTADA DE MANDADO

Ø 02/10/2019 DOCUMENTO(S) RECEBIDO(S) NO PROTOCOLO GERAL

Ø 01/10/2019 RECEBIDOS OS AUTOS - CUMPRIR DESPACHO

Ø 01/10/2019 AUDIÊNCIA DE INQUIRIÇÃO DE TESTEMUNHAS REALIZADA.

Conforme já aqui publicado na última terça-feira, a juíza Cristina avaliou que “o processo tem tido tramitação regular, considerando o número de réus e, como consequência, o grande número de testemunhas arroladas”. A magistrada não esclareceu porque a ação é sigilosa.

Veja as iniciais das pessoas que estão sendo acusadas pelo MP-RS e a nominata dos advogados que estão regularmente atuando.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Acompanhe em tempo real a sessão do STF

Com imagens e áudio da Tv Justiça, o Espaço Vital está retransmitindo a sessão desta quinta-feira (7) do STF. A previsão é de que o julgamento termine hoje, com o voto de Minerva do presidente Dias Toffoli.

Diálogos ríspidos ontem no Supremo

Desentendimento ocorreu durante julgamento sobre prestação de contas partidárias. Alexandre de Moraes era constantemente interrompido. Toffoli pediu “respeito aos colegas” e Barroso reclamou da “deselegância” do presidente.