Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 04 de agosto de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

“A juíza que tem beleza de parar o trânsito"



Arte de Camila Adamoli sobre foto Metropoles.com

Imagem da Matéria

 Trânsito parado

O presidente do TJ do Rio de Janeiro, Claudio de Mello Tavares, condenou o que classificou como “ataques pessoais” do prefeito Marcelo Crivella, na última quinta-feira (4), à juíza Mirela Erbisti, que determinou o fechamento da Avenida Niemeyer após deslizamentos de terra, em maio, matarem duas pessoas. O desembargador disse que a fala de Crivella “remete a tempos obscuros da nossa sociedade”. Em evento público, ao comentar problemas do trânsito carioca, Crivella afirmou que a magistrada possui um saite que “ensina mulheres a conseguir namorado”.

O argumento foi apresentado à plateia antes de Crivella justificar por que, na sua opinião, a magistrada errou ao não aceitar pedido da prefeitura para reabrir a via em dias de sol, sem chuva.

  A juíza bonita

No início de seu discurso na quinta-feira, Crivella pontuou:

A juíza tem seus 40 anos e é muito bonita. Tem uma beleza de parar o trânsito, mas não precisa praticar, né, pessoal? Não precisa praticar. Interessante, porque é difícil encontrar mulher teimosa, né? Isso é raro, não é gente? Hein, gente? Normalmente, elas concordam, né? Normalmente...”

E prosseguiu:

- Vocês precisam conhecer a juíza que fechou a Niemeyer. Ela se chama Mirela, tem um saite na internet, que se chama 'Togadas e Tatuadas'. Ela ensina mulheres a se vestir, como conseguir um namorado. Aquele saite dela é uma coisa interessante. Muito bem. Eu sou engenheiro. Já fiz cem obras. Graças a Deus, nunca caiu.

 Desdobramentos processuais

No dia 25 de setembro, apreciando agravo de instrumento do Município, que pediu tutela antecipada para a reabertura da avenida, o desembargador Agostinho Teixeira, da 13ª Câmara Cível do TJ-RJ pediu vista do processo, o que interrompeu o julgamento. Dois desembargadores haviam decidido conceder parcialmente o efeito suspensivo ao recurso.

O relator, desembargador Mauro Pereira Martins, havia revisto sua decisão de manter a via fechada, no que fora seguido pelo colega Sirley Biondi.

 Reações da magistratura

O presidente do TJ-RJ lembrou que “a via recursal é a forma correta para combater decisões judiciais das quais se discorda”. Também pontuou que “o interesse público está acima de interesses pessoais, políticos e religiosos”.

E a presidente da Associação dos Magistrados do Rio de Janeiro, juíza Renata Gil, divulgou nota em que classificou a atitude do prefeito de “ataque grosseiro” e de “discurso machista”.

 As desculpas de Crivela

Na manhã desta terça-feira, o prefeito Marcelo Crivela, em entrevista à Rede Record, desculpou-se timidamente pela piada feita com a magistrada. Disse que “o comentário foi gracejo típico de carioca” (...) e “quero aqui me redimir e dizer à juíza que me desculpe”.

E logo o político desfiou um rebuscado comentário sobre o Judiciário do Rio de Janeiro e, especialmente, sobre o presidente do TJ-RJ, desembargador Claudio de Mello Tavares: “É uma plêiade de denotados servidores do Direito, obreiros da Justiça e que têm no eminente presidente Claudio uma das figuras mais notáveis e altas da aristocracia jurídica do Brasil”.

 Conferindo na internet

O Espaço Vital vasculhou internet e redes sociais – mas nada encontrou sobre o suposto saite “Togadas e Tatuadas”. A magistrada Mirela Erbisti (43 de idade) e sua colega Tula Melo (44) fazem sucesso, todavia, no Youtube.

Aprovadas no concurso da magistratura de 2001, quando se conheceram, as duas chamam mesmo a atenção – e não só pelos longos cabelos loiros ou pelas tatuagens aparentes.

Desde março dede 2018 elas vêm aparecendo no programa "Justo Eu" no Youtube, em que discutem temas atuais e polêmicos. Na pauta estão machismo, direitos dos transexuais, inclusão de pessoas com autismo, violência doméstica e poliamor, por exemplo.

Mirela é titular da 3ª Vara de Fazenda Pública e professora de Criminalística. Foi ela quem, em 2017, manteve a proibição do Estado do Rio em conceder ou renovar benefícios fiscais, no auge da crise econômica fluminense.

Juíza da 20ª Vara Criminal e mestre em criminologia, Tula trabalhou no caso do jornalista Tim Lopes (morto por bandidos, em 2002, no Complexo do Alemão), julgou os nadadores americanos Ryan Lochte e James Feigen, que inventaram ter sido assaltados na Olimpíada de 2016, e obrigou a remoção de chefes do tráfico para fora do Rio.

Para acessar “Justo Eu”, clique aqui.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Camera Press - Imagem meramente ilustrativa

A delação verdadeira (ou mentirosa?) de Sérgio Cabral que mirou em dois ministros do STJ

 

A delação verdadeira (ou mentirosa?) de Sérgio Cabral que mirou em dois ministros do STJ

  • A revelação foi fechada com a Polícia Federal e homologada pelo ministro Edson Fachin. Como manda o regimento, ele encaminhou o caso ao presidente do STF para o sorteio de um novo relator. Mas...
  • Depilação, sem dor, da virilha + ânus + uma área pequena de brinde”, por R$ 1.568 em até seis vezes sem juros”. O que será essa “pequena área”?...
  • Uma manobra política para impedir que Sérgio Moro possa concorrer em 2022.
  • Condenação de técnico em contabilidade que fraudou documentos para receber o seguro desemprego e o FGTS. Tese do “aperto financeiro” não colou...

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Uma andorinha solitária não faz verão

 

Uma andorinha solitária não faz verão

  • Na sessão virtual do TRT-4, sobre a “resolução da solidariedade”, o desembargador Alexandre Corrêa da Cruz alertou: “A matéria deveria ser apreciada pelo Tribunal Pleno (46 membros) e não pelo Órgão Especial (16 integrantes)”. Mas ele ficou sozinho: foi 15 x 1.
  • Uma quina de ideias simples para o debate: publicidade; clareza; presença da OAB, do MP e da sociedade.

Foto: Nelson Jr./SCO/STF

Previsões sobre os dois anos de Luiz Fux na presidência do STF

 

Previsões sobre os dois anos de Luiz Fux na presidência do STF

  • A 45 dias da posse, algumas certezas: a) Ele continuará treinando jiu-jitsu com seus seguranças; b) Manterá distância do WhatsApp; c) Evitará palpites sobre os humores da política sob o argumento de que “o silêncio não se distorce”.
  • Sua rotina terá folgas: pedalar bicicleta na academia enquanto lê os jornais e tocar guitarra.
  • Novos tópicos sobre o “moderno trem da solidariedade” do TRT-RS.
  • Amatra-4 diz que “o regime de solidariedade teve como norte a garantia da razoável duração do processo”.
  • Uma pergunta: se a Resolução nº 14/2020 foi legal e estava correta, por que ela foi imediatamente suspensa no TST?

Foto: Joana Meneses - Edição: Gerson Kauer

O supremo amuleto para proteger Luiz Fux

 

O supremo amuleto para proteger Luiz Fux

  • O ministro já prepara os ajustes de como será sua gestão à frente do STF, a partir de setembro. Já está definida a criação da Secretaria de Precedentes - uma tentativa para diminuir o gigantesco acervo de processos.
  • O robô Victor estará ativo no Supremo.
  • Mercado Livre não tem obrigação de atestar a legalidade dos produtos vendidos/comprados em sua plataforma. Decisão é do TJ gaúcho.
  • Na OAB-RS já há 1.184 advogadas a mais do que advogados. Em números nacionais, o predomínio ainda é masculino.

Imagem: uniflores - Edição: Gerson Kauer

Da série “Ainda não vimos tudo”: STJ prepara a compra de 30 coroas com mensagens de pêsames

 

Da série “Ainda não vimos tudo”: STJ prepara a compra de 30 coroas com mensagens de pêsames

  • O preço unitário será de R$ 466,66. Peças deverão ser “flores nobres, frescas e com boa aparência”.
  • Tribunal de Contas sacramenta aposentadoria a José Dirceu: R$ 9.646 mensais.
  • Quem quer arrematar barras de ouro e joias com brilhantes que Sérgio Cabral “comprou”?
  • Vem aí um imposto sobre a economia digital e o comércio eletrônico.

Imagem: Divulgação

Roberto Carlos e Erasmo recuperam os direitos autorais de suas principais músicas

 

Roberto Carlos e Erasmo recuperam os direitos autorais de suas principais músicas

 

  • Em antecipação de tutela, Justiça do Rio devolve aos dois artistas a titularidade de toda a sua produção musical de 1960 a 1990.
  • A Universal Music desfrutava do direito inclusive sobre as reproduções em streaming - avanço da tecnologia que surgiu muito depois da contratação.
  • Estudante de Direito alagoana condenada por plagiar artigo de advogada gaúcha.
  • As críticas da advocacia do RS ao ritmo lento do Tribunal de Justiça.