Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,19 de novembro de 2019.

Aos figurões da República, os privilégios... aos professores do RS o descaso



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

Bento Gonçalves, 03 de outubro de 2019.

Ao
Espaço Vital

Ref.: Demora jurisdicional prejudica milhares de professores gaúchos mal pagos

Causa inconformidade a forma como são agendados os processos para julgamentos no STF. A ação do Piso Nacional dos Professores do RS, iniciada em 2011 no primeiro grau da Justiça Estadual, passou pelo TJRS, STJ e deu entrada no Supremo em 25 de abril de 2018 e não tem jeito de ser levada à mesa. (RE nº 1126739).

Imagino, claro, que o relator Gilmar Mendes esteja com muito outro trabalho preferencial.

A ação foi proposta pelo Ministério Público do RS em setembro de 2011 (proc. nº 001/1.11.02463079), visando a implantação do piso salarial para todos os professores do Estado. A ação foi julgada procedente em 16 de fevereiro de 2012, ficando claro que o piso seria equivalente ao vencimento básico, aplicando-se sobre este os níveis e sobre este as vantagens temporais, com vigência a partir de 24 de abril de 2011, nos termos da decisão exarada na ADI nº 4848 do STF.

Houve apelação do Estado para o TJRS (proc. nº 70049971815). Inexplicavelmente, surgiu um acordo firmado entre as partes, altamente prejudicial aos professores, face à aplicação do piso sobre o total da remuneração.

O CEPERS, inconformado, ingressou na ação na qualidade de terceiro interessado, recorrendo para o STJ visando desconstituir o acordo, baseado na decisão do STF na ADI nº 4167 da relatoria do então ministro Joaquim Barbosa, que consolidou a aplicação do piso sobre o vencimento básico.

O Estado interpôs recurso extraordinário em 25 de abril de 2018, sendo relator o ministro Gilmar Mendes, sem julgamento até a presente data.

Os processos dos figurões da República, são pautados de um dia para o outro, enquanto este, que diz respeito a milhares de professores do RGS, só Deus sabe quando será julgado. Após esta minha pública manifestação de inconformidade, espero que a nossa Suprema Corte - de custo caríssimo e que possui dezenas de servidores e assessores para cada ministro – possa olhar um pouquinho para milhares de cidadãos gaúchos com salários miseráveis, parcelados e sem reposição ao menos da inflação há mais de cinco anos.

Desde 4 de fevereiro último há parecer do Ministério Público Federal, pelo não conhecimento do recurso extraordinário interposto pelo Estado. Repito o número para quem quiser acompanhar: RE nº 1126739).

Atenciosamente,
Carlos Perizzolo, advogado (OAB-RS nº 6045).
carlosperizzolo@terra.com.br


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli com caricaturas de Frank Maia (Humor Político)

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um  ato judicial

 

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um ato judicial

Demora no pagamento de um alvará judicial encaminhado para “apreciação e controle do núcleo jurídico do BB”. E a concordância da juíza da causa:“Deverá o autor aguardar os trâmites internos do banco depositário para liberação do valor”. Leia os detalhes em “Carta de Leitor”, enviada pelo advogado Gastão Bertim Ponsi.

Divulgação

A Deusa Gaúcha da Justiça

 

A Deusa Gaúcha da Justiça

“Uma mulher cabelo indígena, com folha de trevo de quatro pétalas ao cabelo; rosto sem venda (símbolo da clareza e do conhecimento); busto da índia guarani missioneira, vestida de prenda”. A proposta é do advogado Eliseu Holz.