Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,12 de novembro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/escreva_direito_2.jpg

A posteriori / A priori



Por parecerem eruditas – e podem até ser –, as expressões a priori e a posteriori vêm sendo muito usadas e, com crescente frequência, de forma equivocada, pois usam-nas com os simples sentidos de depois e antes, respectivamente, quando não é esse o seu real significado. Isso ocorre em frases como estas: Realizou seu desejo a posteriori. A priori, informou que não participaria do evento.

Em a posteriori, subentende-se uma experiência com o apoio da qual, ou em decorrência dela, se realiza algo depois. Quando se diz, por exemplo, que o magistrado decidiu a posteriori, é porque a decisão se apoiou na análise dos fatos e nas suas experiências anteriores.

Em a priori, as coisas se invertem: contém o sentido de algo que se realiza antes de uma experiência, ou que a própria experiência não pode explicar. É a aceitação dos fatos independente da experiência. Quando o magistrado sentencia a priori é porque o faz sem o exame dos fatos, ou por sua aceitação inconteste, ou porque se trata de decisão provisória a ser posteriormente confirmada, ou não.

Desse uso equivocado se deduz: antes de usar determinada palavra ou expressão, é preciso dominar por completo seu real significado, sob pena de passar por ridículo.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Algumas discordâncias

Um erro frequente é o que envolve questões de concordância, tanto de gênero quanto de número. “São bens de consumo durável”, “Essa garota vai fazer carreira rápida”, “Elas estão só no sacrifício”...

Tu / Você

“Nas comunicações formais, como na redação oficial, usam-se os pronomes de tratamento: Vossa Excelência (para altas autoridades) e Vossa Senhoria (para as demais autoridades e cidadãos em geral), entre outras formas de uso mais restrito”.

Chargista Brum

O poder das exclamações

 

O poder das exclamações

Há situações em que o uso da pontuação final é que define se é exclamativo ou afirmativo: É um gênio! / É um gênio. Optando pelo uso do ponto-final, é uma afirmação em que o autor realmente crê. Se a opção é pelo ponto de exclamação, traz-se significado contextual, de ironia, uma figura de linguagem em que se inverte o sentido primário da frase”.

Ordem direta e concordância verbal

“Escrevo sobre a primeira frase do Hino Nacional: ´Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heroico o brado retumbante´. Vamos achar o sujeito: Quem ouviu? Resposta: As margens plácidas; como o verbo tem que concordar com o sujeito, só pode ser ouviram. Mas as margens ouvem? É claro que se trata de figura de linguagem

A linguagem do futebol

“No final das partidas, é comum ouvir que o juiz deu minutos de desconto, quando na verdade acrescentou tempo. Mas, já foi pior, pois houve época em que, em vez de dizerem que o goleiro defendeu, garantiam ter atacado muito, como se atacante fosse”