Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,12 de novembro de 2019.

Janot x Gilmar – e o desejo de matar



Montagem de Gerson Kauer sobre imagem Google

Imagem da Matéria

Por Roberto Siegmann, advogado (OAB-RS nº 15.541)

Sucesso de bilheteria na década de 70 com a marcante participação de Charles Bronson e recentemente sob o mesmo título, com Bruce Willis, os enredos não revelavam um mero desejo de matar, mas uma efetiva matança de pessoas. Seja pelas mãos do feio mais bonito do cinema (segundo a opinião da época), seja pelo imortal careca, matar não ficava apenas no desejo.

No final da semana passada, e nesta até terça-feira, fomos surpreendidos pela publicação de uma entrevista de Rodrigo Janot, ex-PGR, onde noticia o lançamento do seu livro, contendo o relato das suas atividades, as relações com as instituições e com os seus membros. De largada, ele confessa que diante de uma insinuação do ´supremo´ Gilmar Mendes, que colocou em dúvida a idoneidade da sua filha, compareceu no STF armado e desejoso de matá-lo. Apenas deixou de apertar o gatilho por uma intervenção divina.

Há vários episódios na história da República onde por causa de desentendimentos que desbordaram para ofensas pessoais, o ofendido “lava com sangue a sua maculada honra”.

Na história recente lembro de apenas uma situação com repercussão. Ela envolveu o meu saudoso amigo colorado Dr. Mathias Nagelstein, em meados dos anos 60, em Bagé.

A escassez de reações desse tipo seria uma demonstração do avanço civilizatório, ou da falta de honra? É um tema para reflexão.

Voltando ao assunto e abstraindo o atrativo e valioso papel da mídia na promoção do livro que está sendo lançado, encaremos como se fosse verdadeiro o desejo confessado e os atos consumados até o momento da desistência eficaz.

Esclareço que para me atrever a abordar o fato e as suas circunstâncias, busquei valiosos subsídios junto ao credenciado professor Dr. Ney Fayet Júnior. Entre um mate e outro, ele quase encoberto por uma pilha de livros, fui brindado com uma verdadeira aula. Assim, em conclusão, primeiramente, de tentativa não se trata, muito ao contrário do que alguns, como o histérico e descredenciado blogueiro Reinaldo Azevedo sustentam.

O caso é de desistência eficaz, não enquadrável como crime, não para favorecer o agente ativo (o desejoso), mas o passivo (a desejável vítima). É uma forma da lei penal estimular a desistência, anterior à tentativa ou da consumação do evento que pode acarretar morte ou lesões corporais.

No caso específico, se o desejo de matar (pensamento), por si só fosse punível, significativa parcela da cidadania sentar-se-ia no banco dos réus. Admitamos: o ´ser supremo´ em questão não conta com a simpatia nem com o respeito dos seus concidadãos. Ao contrário, colhe o ódio que estimula. Não posso ser muito explícito acerca do que penso dele, pois se o fizesse, a PF poderia bater em minha porta a mando do ´supremo´ Presidente Tóffoli (aquele que só não foi meu colega de magistratura porque tomou pau nos concursos aos quais se submeteu), instaurando o peculiar e autoritário procedimento normatizado por ele.

Lembro que portar arma de fogo é prerrogativa funcional de Janot, assim como de Gilmar. Logo, estamos frente a um desejo pensado.

Ah, quanto à existência, ou não, de honra nos dias atuais, é bom lembrar de outros exemplos. Alguns políticos, porque têm vergonha na cara adotam o suicídio como forma de reagirem a episódios vergonhosos. Esclareço, não vai aqui uma sugestão.

Concluo que a mirabolante revelação de Janot não se presta sequer para o enredo de um filme do tipo “DESEJO DE MATAR NO STF”, pois ele exigiria a identificação clara do papel do mocinho e do bandido. Tarefa difícil no Brasil de hoje.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O STF derruba a presunção de inocência

“Não vi ser enfrentado o conflito do art. 283 com o disposto no art. 637, do mesmo CPP, que afasta o efeito suspensivo do recurso extraordinário e prevê a baixa dos autos à primeira instância para o cumprimento da pena”. Artigo de Moacir Leopoldo Haeser, advogado, e desembargador aposentado do TJRS.

Dois meses de férias para todos!

“É deboche chamar de 'recesso' o ócio remunerado de juízes, procuradores e outros. Quantos meses deveria ter um médico da emergência de hospital público?”. Artigo de Nelson Motta, jornalista e escritor. 

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Tempo - é o que falta

 

Tempo - é o que falta

“Mesmo em tempos de profunda radicalização, surpreende a atitude do governador do RS, Eduardo Leite”. Ele quer urgência na aprovação de - uma, duas, cinco, dez, vinte, cinquenta, cem, duzentas, trezentas, quatrocentas... – exatas 480 alterações no Código do Meio Ambiente do Estado do RS. Artigo do jornalista João Batista Santafé Aguiar.

Arte de Camila Adamoli sobre imagem Google - Definições extraídas do Dicionário Aulete

E agora, José?

 

E agora, José?

“Há pouco dias referiu o ministro Toffoli que ´voto de presidente é diferente de voto de bancada´. Com razão, pois parece  prudente que, em voto de desempate, mantenha a orientação solidificada no STF de não atribuição de efeito suspensivo aos recursos. Aliás, como expressamente previsto no art. 637, do CPP, dando interpretação harmônica aos princípios constitucionais”. Artigo de Moacir Leopoldo Haeser, advogado (OAB-RS nº 45.143); desembargador aposentado do TJRS

Prescrição não é solução

“A proposta do ministro Toffoli não é ruim, mas é fraca e incompleta. Se ficar só nisso e desprezar o contexto estrutural de nosso labirinto processual, corre o risco de se tornar mais um factoide: cria uma cortina de fumaça, sem resolver os problemas reais”. Artigo de Silvana Batini, procuradora regional eleitoral e professora da FGV Direito Rio.