Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019
https://www.espacovital.com.br/images/smj.jpg

“A sociedade está cansada de um Judiciário caríssimo e encastelado”



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

Viralizou nas redes sociais e em diversos saites jornalísticos, durante o fim-de-semana, a cópia de uma petição protocolada pelas advogadas Lilia Veleda Soares e Maria Emilia Valle Butow, ambas com escritório em Pelotas (RS). Em manifestação dirigida à ministra Rosa Candiota Weber da Rosa, nos autos de um recurso extraordinário sobre questão previdenciária, as profissionais da advocacia informam o falecimento de seu cliente Celmar Lopes Falcão.

Trata-se de um recurso que aguarda julgamento no Supremo desde maio de 2008. A primeira relatora foi a ministra Ellen Gracie, com mandato de 14.12.2000 a 8.08.2011. A redistribuição ocorreu em 19.12.2011 com a posse de Rosa Weber.

O núcleo da peça processual por si só se explica:

“O Supremo não cumpriu até hoje o dever de prestar jurisdição de forma célere. A sociedade está cansada de um Judiciário caríssimo e que, encastelado, desconsidera os que esperam pela ´efetividade´ e pelo cumprimento das promessas constitucionais. Esse desprezo pelo outro, que Vossa Excelência encarna tão bem, ao fazer dormir um processo por 11 anos, encontrou agora a morte de um dos que esperam. É com lástima que vimos aos autos juntar a cópia de atestado de óbito de Celmar Lopes Falcão, e dar-lhe os parabéns, ministra, pela demora. Informamos também que as pompas fúnebres foram singelas, sem as lagostas e os vinhos finos que os nossos impostos suportam”.

Até a manhã desta terça-feira (1.10) – momento do fechamento desta edição do Espaço Vital - não houve movimentação processual no recurso extraordinário nº 586068. Nele se discute a possibilidade de afastamento da denominada “coisa julgada”.

Em consequência, o processo de interesse do (agora falecido) autor da ação, em sede de embargos à execução, segue paralisado.

Celmar Lopes Falcão, o credor da verba previdenciária, estava com 80 anos na data do óbito, e era servidor público federal, aposentado, da UFPEL.

Eventual provimento ao RE do INSS fulminará o direito do falecido autor (agora da sucessão), ao recebimento de diferenças financeiras decorrentes do percentual de 28,86%, concedido aos servidores públicos militares em 1993. O direito ao reajuste foi estendido aos servidores civis por meio de ações judiciais, ajuizadas a partir de 1996.

“O problema é a ausência de justificativa; em nenhum momento nos disseram algo”

O Espaço Vital fez ontem (30) contato com as duas advogadas que, em petição, criticaram o STF e “parabenizaram” a ministra relatora.

A elas pediu que escrevessem um artigo, propondo-lhes o título PORQUE CRITICAMOS O SUPREMO. Eis o texto recebido:

“A nossa manifestação deveria ter permanecido dentro das regras do jogo, como aliás, ocorre, com milhares de petições, diariamente. Ou seja, sem publicização. Esta não foi realizada por nós.

Consideramos inadequado o uso político que certos segmentos de viés fascista, autoritários, incapazes do embate no campo das ideias fizeram do documento para, a partir dele, atacar o STF. Nosso escritório alinha-se ao campo democrático, na defesa de servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada, desde os anos 90; alinha-se na defesa das instituições que estruturam o Estado Democrático de Direito, e na defesa da autonomia do Direito em relação à política.

Ou seja, a política tem seu próprio campo de disputa, que é o Parlamento. Nesse sentido, somos contra a Lava Toga, consideramos indevida esta tentativa de criminalizar o Poder Judiciário, porque o que está por detrás disso é uma espécie de totalitarismo, caracterizado pelo silenciamento daquele com quem não se concorda.

Obviamente, a nossa manifestação é institucional, não foi endereçada à pessoa da ministra, que circunstancialmente responde pelo processo e por isso, é o Estado. O uso de metáforas, das figuras de linguagem estão autorizadas desde Aristóteles, no mínimo, e constituem recurso argumentativo. Não se quer que alguém vá além das suas possibilidades, nós sabemos da hipertrofia de ações, o país é um país de litigantes.

No entanto, as nossas manifestações por escrito foram entremeadas com diversos telefonemas ao longo dos anos, alguns com a presença de seu Celmar, que pelo menos uma vez falou com um assessor do gabinete da ministra. O problema é a ausência de justificativa; em nenhum momento nos disseram algo.

A manifestação não é em relação às decisões judiciais, mas em relação ao procedimento, é em relação à burocracia, que Hannah Arendt chamava de “governo de ninguém”, a administração de interesses que vitima inclusive os magistrados. O que esperamos é a observância da promessa constitucional da prestação jurisdicional como um direito fundamental, conforme está posto no inciso LXXVIII do art. 5º da CF”.

[Ass.] Lílian Velleda Soares e Maria Emília Valli Butow, advogadas (OAB/RS nºs 54.975 e 89.172, respectivamente).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Metropoles.com

Fernando Haddad e o PT condenados a indenizar a cantora Paula Toller

 

Fernando Haddad e o PT condenados a indenizar a cantora Paula Toller

· Na campanha às eleições de outubro de 2018, o uso indevido da imagem dela e de versos da música “Pintura Íntima”.
· “Por que no te callas? ” do rei Juan Carlos, da Espanha. O que tem a ver com a fala de Toffoli de que a Lava-Jato quebrou muitas empresas.
· STF suspende a proibição ao livro sobre a vida de Suzana von Richtofen.
· Governo quer criar imposto sobre transações financeiras digitais.

Versos de José Augusto e Paulo Sérgio Valle – Arte de Camila Adamoli – Foto de Visual Hunt

Evidências em Brasília: o romance entre ministra de tribunal superior e ex-deputado

 

Evidências em Brasília: o romance entre ministra de tribunal superior e ex-deputado

•  Uma “rádio-corredor” chegou a repercutir versos contidos num cartão que acompanhou flores: “Eu tenho medo de te dar meu coração / E confessar que eu estou em tuas mãos / Mas não posso imaginar o que vai ser de mim / Se eu te perder um dia”.

•  Advogado é cassado por envolvimento com a corrupção. Mas foi no Rio de Janeiro...

•  A sorte de Eike Batista numa ação contra ele nos EUA. Juiz de Miami decidiu que a demanda só pode prosperar no Brasil.

Conselho Federal da OAB unido contra a PEC da Segunda Instância

 Na última sessão do ano, ontem (9) em Brasília, as lideranças articularam as primeiras estratégias para a “luta política e de argumentos”.

  Estilax Xavier, novo presidente do TCE-RS, alerta prefeitos: “Sanções por irregularidades não recairão apenas sobre o gestor principal".

  Um livro sobre João. Ele é “de Deus”, ou é “do diabo”?

  Movimento ´Vem Pra Rua´ faz conclamação: “Segunda Instância já! Férias em dobro nunca”.

Foto Getty Images

   Barulho na madrugada cria rota de choque de artista famosa com vizinhos endinheirados

 

Barulho na madrugada cria rota de choque de artista famosa com vizinhos endinheirados

  O Condomínio Mansões, no Rio, notifica a rica proprietária Larissa de Macedo Machado, 26 de idade, “para que tal fato não se repita, a fim de evitarmos multas e ações judiciais”.

 Quatro perguntas sobre o mercado jurídico brasileiro

  Revista Exame sai da Editora Abril e fica sob o comando do banqueiro André Esteves.

  Veja quem será o representante do Partido Podemos para debater e votar sobre a PEC da prisão em segunda instância.

  Há 25 deputados que mandam na Câmara Federal. Os outros só apertam os botões de votações...

Charge de Jota A / Portal O Dia

Compensação financeira para Dilma pela prisão e tortura sofridas durante a ditadura

 

Compensação financeira para Dilma pela prisão e tortura sofridas durante a ditadura

 Ela busca perante a Comissão de Anistia uma reparação de R$ 11 mil mensais.

 O lodo no Judiciário baiano: afastamento do presidente do tribunal e prisões são apenas o começo do “pepino apimentado”.

 Os dois momentos diferentes de Adriana Ancelmo.

 Ação do Diadema contra o Grêmio tem julgamento antecipado para amanhã: “reserva mental”.

 Porque os mais bem pagos executivos brasileiros estão desistindo do Natal em New York