Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,12 de novembro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/smj.jpg

“A sociedade está cansada de um Judiciário caríssimo e encastelado”



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

Viralizou nas redes sociais e em diversos saites jornalísticos, durante o fim-de-semana, a cópia de uma petição protocolada pelas advogadas Lilia Veleda Soares e Maria Emilia Valle Butow, ambas com escritório em Pelotas (RS). Em manifestação dirigida à ministra Rosa Candiota Weber da Rosa, nos autos de um recurso extraordinário sobre questão previdenciária, as profissionais da advocacia informam o falecimento de seu cliente Celmar Lopes Falcão.

Trata-se de um recurso que aguarda julgamento no Supremo desde maio de 2008. A primeira relatora foi a ministra Ellen Gracie, com mandato de 14.12.2000 a 8.08.2011. A redistribuição ocorreu em 19.12.2011 com a posse de Rosa Weber.

O núcleo da peça processual por si só se explica:

“O Supremo não cumpriu até hoje o dever de prestar jurisdição de forma célere. A sociedade está cansada de um Judiciário caríssimo e que, encastelado, desconsidera os que esperam pela ´efetividade´ e pelo cumprimento das promessas constitucionais. Esse desprezo pelo outro, que Vossa Excelência encarna tão bem, ao fazer dormir um processo por 11 anos, encontrou agora a morte de um dos que esperam. É com lástima que vimos aos autos juntar a cópia de atestado de óbito de Celmar Lopes Falcão, e dar-lhe os parabéns, ministra, pela demora. Informamos também que as pompas fúnebres foram singelas, sem as lagostas e os vinhos finos que os nossos impostos suportam”.

Até a manhã desta terça-feira (1.10) – momento do fechamento desta edição do Espaço Vital - não houve movimentação processual no recurso extraordinário nº 586068. Nele se discute a possibilidade de afastamento da denominada “coisa julgada”.

Em consequência, o processo de interesse do (agora falecido) autor da ação, em sede de embargos à execução, segue paralisado.

Celmar Lopes Falcão, o credor da verba previdenciária, estava com 80 anos na data do óbito, e era servidor público federal, aposentado, da UFPEL.

Eventual provimento ao RE do INSS fulminará o direito do falecido autor (agora da sucessão), ao recebimento de diferenças financeiras decorrentes do percentual de 28,86%, concedido aos servidores públicos militares em 1993. O direito ao reajuste foi estendido aos servidores civis por meio de ações judiciais, ajuizadas a partir de 1996.

“O problema é a ausência de justificativa; em nenhum momento nos disseram algo”

O Espaço Vital fez ontem (30) contato com as duas advogadas que, em petição, criticaram o STF e “parabenizaram” a ministra relatora.

A elas pediu que escrevessem um artigo, propondo-lhes o título PORQUE CRITICAMOS O SUPREMO. Eis o texto recebido:

“A nossa manifestação deveria ter permanecido dentro das regras do jogo, como aliás, ocorre, com milhares de petições, diariamente. Ou seja, sem publicização. Esta não foi realizada por nós.

Consideramos inadequado o uso político que certos segmentos de viés fascista, autoritários, incapazes do embate no campo das ideias fizeram do documento para, a partir dele, atacar o STF. Nosso escritório alinha-se ao campo democrático, na defesa de servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada, desde os anos 90; alinha-se na defesa das instituições que estruturam o Estado Democrático de Direito, e na defesa da autonomia do Direito em relação à política.

Ou seja, a política tem seu próprio campo de disputa, que é o Parlamento. Nesse sentido, somos contra a Lava Toga, consideramos indevida esta tentativa de criminalizar o Poder Judiciário, porque o que está por detrás disso é uma espécie de totalitarismo, caracterizado pelo silenciamento daquele com quem não se concorda.

Obviamente, a nossa manifestação é institucional, não foi endereçada à pessoa da ministra, que circunstancialmente responde pelo processo e por isso, é o Estado. O uso de metáforas, das figuras de linguagem estão autorizadas desde Aristóteles, no mínimo, e constituem recurso argumentativo. Não se quer que alguém vá além das suas possibilidades, nós sabemos da hipertrofia de ações, o país é um país de litigantes.

No entanto, as nossas manifestações por escrito foram entremeadas com diversos telefonemas ao longo dos anos, alguns com a presença de seu Celmar, que pelo menos uma vez falou com um assessor do gabinete da ministra. O problema é a ausência de justificativa; em nenhum momento nos disseram algo.

A manifestação não é em relação às decisões judiciais, mas em relação ao procedimento, é em relação à burocracia, que Hannah Arendt chamava de “governo de ninguém”, a administração de interesses que vitima inclusive os magistrados. O que esperamos é a observância da promessa constitucional da prestação jurisdicional como um direito fundamental, conforme está posto no inciso LXXVIII do art. 5º da CF”.

[Ass.] Lílian Velleda Soares e Maria Emília Valli Butow, advogadas (OAB/RS nºs 54.975 e 89.172, respectivamente).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

MTV Movie Awards – Divulgação-1993

A terra treme em um dos maiores escritórios de advocacia do Brasil

 

A terra treme em um dos maiores escritórios de advocacia do Brasil

 Proposta indecente. Uma versão brasileira do filme que fez sucesso em 1993 com o “triângulo” vivido por um casal em dificuldades financeiras e um milionário que despejava dinheiro em Las Vegas (EUA).

No Brasil, usando as redes sociais, um executivo diz que sua ex-esposa transou com um dirigente de famosa banca advocatícia para que ela fosse aceita como sócia.

Relacionamento amoroso não dá direito a carteira assinada

Justiça do Trabalho analisou a contratação, pelo dono de um bar, de mulher para “serviços gerais”.

 Silêncio da Corregedoria no caso do município que se encontra em “lugar incerto e não sabido”

• Preço do metro quadrado em apartamentos de alto padrão, em Porto Alegre, é o terceiro mais caro do Brasil.

 R$ 1 milhão por mês: o custo da embaixada do Brasil nos EUA.

 Claro condenada por ligações abusivas: 60 chamadas, em três dias, para o celular de idosa de 91 anos.

Arte de Camila Adamoli - Foto Jornal Visão Regional

Devedor do Banrisul por sete anos

 

Devedor do Banrisul por sete anos

 Em Ibirubá (RS), comarca de única vara, juiz declara-se suspeito de jurisdicionar ações a favor ou contra o Banrisul.

 Todos os processos em que o banco é parte serão redistribuídos aos magistrados substitutos de tabela, em comarcas vizinhas.

 Nomeação de neto de Tarso Genro para assessor de juiz não significa nepotismo.

Prefeitura de Xangri-lá (Divulgação)

Diário da Justiça diz que Xangri-lá está “em lugar incerto e não sabido”...

 

Diário da Justiça diz que Xangri-lá está “em lugar incerto e não sabido”...

 O atraente município gaúcho praiano está sendo citado por edital para pagar uma dívida de R$ 3.782,45.

• Ação penal vagarosa: hoje (21.10.2019) completam-se 13 anos do homicídio do escrivão Paulo César Ruschel, em Novo Hamburgo.

 Rodrigo Janot arrepende-se de ter nominado que o “tiro na cara” seria para Gilmar Mendes.

 Nomeação do advogado Fernando Marcel Genro Robaina para cargo em comissão de assessor de juiz, em Porto Alegre.

Contra, ou a favor?

Relembre como cada um dos onze ministros do STF já se posicionaram sobre a prisão após a condenação em segunda instância.