Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS),sexta-feira, 29 de maio de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

Quando a demora judicial e o sigilo processual prejudicam a cidadania



Arte EV sobre foto PEGN

Imagem da Matéria

 Fraudes e seus sigilos

Ainda que o CNJ repetidamente reconheça a “eficiência jurisdicional” da Justiça Estadual do RS, há casos de lentidão crônica que não lhe fazem a melhor história. É nada exemplar o caso de uma ação penal distribuída à 9ª Vara Criminal de Porto Alegre, que trata de estelionato e fraudes, ocorridas entre 2009 e 2012, envolvendo precatórios. Estão denunciadas 12 pessoas – como se vê na imagem acima.

Os personagens das ações criminosas dividiam-se em dois núcleos de forte atuação em Porto Alegre, com celebrações documentais preferencialmente formalizadas em um único tabelionato da capital. Quando, simultaneamente, o grupo tentou uma incursão pioneira na cidade de Torres, algo deu errado, e a “atriz” que se passava por uma “velhinha cansada de esperar pelo recebimento do dinheiro devido pelo Estado” foi presa em flagrante.

Do desfecho dessa tentativa de crime na comarca litorânea, não se tem notícias. Mas, nas semanas seguintes, por ricochete a “casa foi caindo” na capital.

Justamente em Porto Alegre, na próxima terça-feira, a novela da persucução criminal desses ilícitos vai completar exatos seis anos de alguns avanços e muitas paradas. Concretamente há zero sentença – quando o ideal seria que houvesse direito à defesa, mas tolerância zero com criminosos e com chicanas.

Coincidentemente, para tal data (1º de outubro) o juiz Carlos Francisco Gross designou audiência na 9ª Vara Criminal. Nada mais se sabe, porque há restrições de acesso aos autos e de divulgação em face da chancela de “segredo de justiça” – o que é surpreendente, pois a regra constitucional é a da publicidade dos atos processuais, sendo o sigilo a exceção fundamentada.

Se a ação penal fosse pública como convém, se saberia o valor exato que um ou mais dos denunciados movimentaram irregularmente. Por enquanto se fala em R$ 30 milhões, que também podem chegar a quarenta. Várias empresas foram lesadas – compraram precatórios que não passavam de papeis sem valor algum.

  Interesses da quadrilha

A “rádio-corredor” forense – habitualmente bem informada, mas cautelosamente sem revelar nomes – propagou informações de que dois integrantes do “grupo dos 12” pagavam propina para a então diretora do Setor de Processamento de Precatórios do TJRS. Esta retribuía com o fornecimento de informações privilegiadas, além de “também manobrar a fila de pagamentos, passando na frente processos de interesse da quadrilha”. A servidora – detentora de cargo em comissão – pediu exoneração, que foi logo deferida.

Ainda assim, será exagero pensar que essa proximidade de interesses tenha sido a causa determinante de a ação penal ter-se tornado sigilosa. (Proc. nº 21300711955 – 9ª Vara Criminal de Porto Alegre).

 Contraponto

Na quarta-feira (25) o Espaço Vital solicitou à coordenadoria de imprensa do TJRS que fornecesse a fundamentação usada pelo magistrado para chancelar o “segredo de justiça” aos autos processuais. Foi pedida também a manifestação do juiz sobre “a demora processual, considerando que, na próxima semana, o processo estará completando seis anos de tramitação”.

Veio pronta resposta oficial: “Recebemos o pedido, ao qual será dado encaminhamento”.

Depois, até o fechamento desta edição do Espaço Vital, nada mais.

  Em ordem?

Há seis meses – ou, para ser exato, no dia 29 de março deste ano, o suposto envolvimento, na fraude, de três advogados/a e um bacharel – denunciados pelo Ministério Público - chegou ao conhecimento da OAB gaúcha.

A entidade aguarda o trânsito em julgado da sentença, acórdão etc. para – se for o caso – desencadear os procedimentos éticos e disciplinares contra os quatro operadores jurídicos pretensamente envolvidos.

Por enquanto, os registros apontam que os quatro estão em situação “normal”, isto é, aptos para o exercício da advocacia. É a norma…


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Imagem SGP - Edição EV

Prestação de contas para fiscalizar os gastos da pensão paga a filho menor

 

Prestação de contas para fiscalizar os gastos da pensão paga a filho menor

•   Divergências entre o pai alimentante (advogado) e a mãe (advogada), em caso gaúcho, recebe mudança na jurisprudência do STJ.

•   O tribunal superior, por maioria (3x2), reforma sentença da comarca de Gramado (RS) e acórdão da 7ª Câmara do TJRS.

•   Prevalência da tese de que o devedor da obrigação tem o direito de acompanhar o dispêndio da pensão de 30 salários mínimos mensais.

Arte ev sobre foto meramente ilustrativa (camera press)

Racismo em escola pública em município gaúcho de 17 mil habitantes

 

Racismo em escola pública em município gaúcho de 17 mil habitantes

•   Fato ocorrido há seis anos (maio de 2014) gerou ação por dano moral ajuizada cinco meses depois. Sentença de improcedência demorou cinco anos. E rápida decisão do TJRS, condenando os pais da adolescente ofensora, foi em abril deste ano.

•   Acórdão deplora a conduta discriminatória no ambiente escolar: “Num país de mestiços, é fato grave, que atinge e envergonha a nossa comunidade”.

•   Casal gaúcho retido desde 6 de abril na Austrália volta ao Brasil 47 dias depois.

•   Indenização moral de R$ 60 mil para Dilma Rousseff: uso desautorizado da imagem da ex-presidente, associando-a à oferta com técnicas para “deixar de ser burro e vencer as dificuldades nos estudos”.

Arte EV sobre

Justiça gaúcha intima ex-deputado Jean Wyllys por edital

 

Justiça gaúcha intima ex-deputado Jean Wyllys por edital

•  Ele é acionado por uma empresa de Porto Alegre (RS) que obteve decisão judicial que obriga o ex-político a publicar retratação.

•  Marco Aurélio decide que ação contra Onyx Lorenzoni deve continuar no TRE-RS.

• Quinze clubes - incluindo a dupla Gre-Nal - realizaram 1.000 testes para saber se atletas e comissões técnicas estão infectados pela Covid-19. Resultado: 76 testes positivos.

• Acordo no dissídio da Casa da Moeda garante: não faltarão cédulas.

Visual Hunt - Imagem meramente ilustrativa

A controvérsia dos anúncios discriminatórios oferecendo emprego e estágio

 

A controvérsia dos anúncios discriminatórios oferecendo emprego e estágio

• Ação que tramitou na Justiça do Trabalho desde fevereiro de 2007 vai agora - 13 anos depois - para uma vara cível.

 Provimento do TST ao recurso da Folha de S. Paulo que tinha sido condenada a pagar R$ 1,5 milhão.

 De quem é a marca iPhone? A briga judicial entre Gradiente e Apple chega ao STF.

Difini: o desembargador gaúcho que alertou sobre o “uso indiscriminado dos depósitos judiciais desde 2005”.

YouTube / reprodução

A sátira a um sepultamento: um acontecimento divino, ou profano?

 

A sátira a um sepultamento: um acontecimento divino, ou profano?

A repercussão nas redes sociais sobre insólito acontecimento - regado a champanha e dança - num restaurante de Gramado (RS).

 Senado vai votar projetos que miram nos lucros dos bancos.

 A notória Andrade Gutierrez escolhida em Portugal para obras no metrô lisboense.

 Não cheguem perto dos senadores: 296 seguranças para proteger as Excelências.

 Futebol jurídico: o novo filão que cobra adicional noturno e pagamento diferenciado pelos jogos aos domingos e feriados.

 Rosângela Moro pede dispensa do Conselho Nacional de Incentivo ao Voluntariado.

Seat Maestro

Antecipação de tutela obriga Latam a repatriar idosos gaúchos retidos na Austrália

 

Antecipação de tutela obriga Latam a repatriar idosos gaúchos retidos na Austrália

• Claudio e Cleonice Weiand estão confinados em Perth, na Austrália, desde 8 de abril.

 A prevalência de interesses superiores: Rodrigo Maia não fala mais na votação da PEC da prisão em segunda instância.

• STF julga na sexta-feira (15) mandado de segurança envolvendo uma obra de Monteiro Lobato: “Referências ao negro com estereótipos fortemente carregados de elementos racistas”.

• Condenação penal de promotor gaúcho que adquiriu bens de massa falida em ação falimentar em que atuou.