Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, 20.2.2020.
Próxima edição na quinta-feira 27
https://www.espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

A moda e o Direito



PONTO UM

Nós, que trabalhamos com o Direito, temos o hábito de dizer que ele é uma ciência que deve ser estudada de forma transversal, porquanto se conecta com todas as demais áreas do conhecimento. O que fazemos com um certo orgulho, quiçá prepotência. Chegamos ao ponto de instituir microssistemas de pesquisa e debates científicos como Direito e Literatura; Direito e Educação; Direito e Economia; Direito e Medicina - e assim por diante.

Aliás, nem a Filosofia escapou, porque a disciplina de Filosofia do Direito é indispensável na formação do profissional de direito.

Lembra o icônico filme da década de noventa, ´O Advogado do Diabo´, na cena que se desenrola na saída do metrô nova-iorquino, quando o personagem de Keanu Reeves, jovem advogado, perplexo pelas revelações demoníacas, questiona seu pai, o diabo, interpretado pelo também icônico Al Pacino: “...Mas por que o Direito?

E obtém a resposta, com Al Pacino virando-se para ele com os braços abertos: “Porque o Direito está em tudo!”

Está mesmo? É de se questionar.

PONTO DOIS

Nem sempre, diríamos. Por exemplo, a Moda não se deixa atingir pelo Direito. A Moda também é um comportamento cultural e, sem dúvida, sua criação, execução e comercialização passa necessariamente por muitos planos que se realizam em distintas áreas sociais, econômicas e também jurídicas: compra e venda, prestação de serviços, contratos, propaganda, etc.

Mas não é disso que estamos falando. A Moda enquanto Moda conquistou um lugar a latere do Direito. Ao contrário de outras criações humanas, não se submete a um registro próprio de patente e exclusividade. Não reclama procedimento específico a ser seguido, sob pena de ser considerada nula ou inválida.

Lançada em passarelas disputadíssimas, para poucos e muito ricos ou famosos assistentes, no dia seguinte estará sendo reproduzida tal e qual por costureiras da periferia, sem taxação de pirataria.

Seus artistas tomam ideias antigas e as transformam em novas, sem qualquer cerimônia ou subsunção ao Direito Autoral. Vai e vem sem qualquer tipo de ressarcimento ou dano moral.

Escraviza os usuários mais fanáticos, que dispensam os artefatos adquiridos a preço alto, antes que eles tenham perdido o cheiro das lojas, sem que o Direito Penal se preocupe com esta escravidão.

A Moda é consumida tanto pelas classes econômicas mais privilegiadas como pelas mais carentes, sem se submeter às regras do Direito Consumerista. Etc., etc., etc.

Aliás, ao contrário, por vezes é a MODA que invade o DIREITO, mas isso é assunto para outra hora. De sorte, é de se concluir: a Moda não está nem aí para o Direito. Vida longa à Moda!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação, clicando aqui.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte EV sobre Imagem Radiocristao.com.br

Brincadeira ou agressão?

 

Brincadeira ou agressão?

“Nas últimas semanas nas redes sociais viralizaram vídeos envolvendo adolescentes, em uniformes escolares, praticando ´brincadeiras´ com seus colegas em versões semelhantes. Os pais dos agressores se sujeitam a sofrer ações cíveis que podem ensejar indenizações que perdurem por toda a vida da vítima”.

Imagem LFG.com.br

Fevereiro: o ano inicia

 

Fevereiro: o ano inicia

“O TJRS comporta, como força de trabalho, de juízes a estagiários remunerados, 12.982 homens e mulheres, seja em razão da atividade fim ou da atividade meio, responsáveis pela prestação jurisdicional nos dois graus de jurisdição”. 

A PEC nº 199/2019 e o sistema de precedentes

A aprovação, se vier, vai obrigar o Congresso a fazer a primeira significativa mudança no texto da nova lei processual, pois não só o conjunto de regras que cuida das competências dos tribunais vai ter que sofrer alterações bem importantes”.