Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 15 de outubro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

Sem o 13, bolão do PT leva os R$ 120 milhões da Mega-Sena



Chargista Amarildo / Humor Político

Imagem da Matéria

 

 O 13 não entrou...

Um bolão de 49 cotas e as dezenas 04, 11, 16, 22, 29 e 33 – portanto, sem o 13 – acertou ´direitinho´ o sorteio de ontem (18) e faturou os R$ 120 milhões da Mega-Sena. Em meio à votação da reforma partidária e eleitoral, deputados fizeram piada: “O PT agora vai deixar de taxar fortunas”.

Nenhum parlamentar participou do bolão – diz-se nos corredores da Câmara. Um servidor, que não quis se identificar, e que é o responsável por coletar o dinheiro para a aposta, relatou que dessa vez muitos colegas não quiseram entrar.

É difícil arrancar R$ 10 de muitos deles - disse

Alguns deputados petistas abandonaram a votação para confraternizar com os funcionários, e brincaram com o episódio.

— Contem-me tudo e não escondam nada — gritou a deputada Benedita da Silva (PT-RJ) ao entrar na liderança do partido.

E aí, ainda tem assessor aqui? — questionou Carlos Zarattini (PT-SP), dando risada e acrescentando que “a partir de amanhã vamos receber currículos para montar a nova equipe”.

O deputado federal, médico e ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT-SP) foi chamado de volta à sala para atender uma ganhadora que passou mal. Ao mulher ficou muito emocionada ao se descobrir milionária – seu salário é de R$ 4 mil.

Os funcionários da liderança tinham o hábito de fazer o bolão sempre que a loteria está acumulada. Algumas vezes a cota foi fixada em R$ 50, mas desta vez foi de apenas R$ 10.

Um deputado, em reservado, brincou:

Agora são assessores ricos e deputados pobres.

Outro deputado petista falava sobre a sorte dos ganhadores e, nesse momento, referiu o exemplo de um recepcionista, aproveitando para lhe dar parabéns. Ocorre que o funcionário lamentava não ter entrado no bolão.

 

 O 13 ficou de fora! Tem certeza?...

Centenas de postagens nas redes sociais festejaram, ironizaram ou – sem fundamento - desconfiaram do sorteio. Eis uma delas:

 Jeitinho para o caixa 2

Após acordo com os líderes do centrão, com a reinclusão de pontos contestados do projeto da reforma partidária, os deputados aprovaram ontem (18), à noite, o texto-base do financiamento político e da reforma eleitoral.

Um dos itens polêmicos retomados permite pagamentos feitos diretamente a advogados e contadores fora do teto da campanha. O jeitinho abre brecha para o caixa 2 – segundo entidades que defendem a transparência.

Ao defender o resgate do projeto original, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que “os deputados votaram o que entendem ser o melhor para o processo eleitoral e partidária”

“Melhor”?... – para eles, evidentemente.

 Marca histórica

O Comitê de Política Monetária do Banco Central baixou ontem (18) de 6% para 5,5% a taxa básica de juros (Selic), menor patamar da série histórica. O Copom também confirmou que há espaço para novas reduções.

Analistas preveem taxa abaixo de 5% para dezembro. As previsões entusiasmam.

Comparando, o FED – que é o BC americano – reduziu sua taxa em 0,25. Só que nos EUA há estabilidade. E não há espaços para jeitinhos políticos..


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Imagem Camera Press

Impasse entre Ajuris e TJRS será decidido pelo Conselho Nacional da Justiça

 

Impasse entre Ajuris e TJRS será decidido pelo Conselho Nacional da Justiça

 A entidade dos juízes e a presidência da Corte gaúcha divergem sobre a regulamentação da assistência à saúde suplementar dos magistrados e servidores do Poder Judiciário do RS.

 Rapidez e urgência: CNJ dá cinco dias para o TJRS se manifestar.

 Julgamento, pelo STF na quinta-feira, de três ADCs definirá a prisão, ou não, após os julgamentos de segunda instância.

• Modulação da tese referente à ordem de apresentação de alegações finais de réus delatores e delatados fica sem data.

Montagem de Gerson Kauer (Divulgação)

A primeira vez de Matheus Henrique

 

A primeira vez de Matheus Henrique

•  Estreante em primeira classe de voos internacionais, o já festejado volante do Grêmio confunde a versão brasileira de uma toalhinha ´oshibori´ com uma tapioca dura e pegajosa.

• Veja o vídeo de como o próprio atleta - durante o almoço no hotel em Singapura – detalhou o acontecido.

•  Nascido em Paradas de Taipas (SP), Matheusinho começou no futebol com sete de idade. De família humilde, seu pai não conseguia levá-lo para a escolinha. Nos campos de uma favela e na várzea aprimorou o talento. 

Imagens: Freepik - Edição/Montagem: Gerson Kauer

Brasília, o  árido coração das trevas

 

Brasília, o árido coração das trevas

 O tiro não disparado, que teve efeitos deletérios.

 O suicídio não havido que pode ter detonado a carreira advocatícia do ex-PGR.

 Gilmar sobre Janot: “Ele é um bêbado e irresponsável”.

• Janot sobre Gilmar: “Ele é perverso e dissimulado”.

 O filho de Teori Zavascki não se convence que a morte do pai tenha sido acidente aeronáutico.

 E o que a Polícia Federal vai ficar sabendo com a apreensão do notebook e do celular de Janot.