Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 15 de outubro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

O coronelismo de churrasqueira



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A frustração não é a melhor inspiração. Feita a constatação me esforcei em imaginar um texto ponderado, alentador e que apontasse para um desejável alvissareiro futuro.

Falaria apenas no nó dado pelo jovem treinador do Athlético no nosso Odair. Diria do meu espanto com a bagunça que virou o nosso time diante da derrota. Sublinharia que o clube paranaense eliminou o Flamengo, o Grêmio e o Internacional, tratando-se, pois, de uma grande equipe de futebol. Com certeza estaria aplacando o nosso sofrimento.

Mas mudei o rumo da prosa ao ouvir o comentário pós-jogo do jornalista Maurício Saraiva. Ele ofereceu aos ouvintes uma análise que me resgatou da hipocrisia do politicamente correto.

Defendeu ele a manutenção de toda a estrutura do futebol, apontada como concebida pelo “maior dirigente da história do Internacional, Fernando Carvalho”. A imputação açambarcava não só o treinador Odair, mas o Melo e os seus comandantes e comandados.

Em primeiro lugar, há um erro grave ao considerar como maior dirigente da história do Internacional alguém que elegeu o Vitório Piffero, sem até hoje emitir qualquer juízo de valor acerca das barbaridades cometidas contra o Internacional. Ele também omitiu-se quando da luta contra a nefasta reforma do Beira-Rio com recursos próprios e sendo o responsável direto, tanto que no comando plenipotenciário do futebol, pelo nosso lançamento à segunda divisão do futebol brasileiro.

Além disso, parece que o comentarista Maurício Saraiva não se deu conta de uma grave contradição ética embutida no comentário: ele considera como “maior dirigente da história do Internacional”, alguém que não exercendo cargo no clube e vinculado a negócios com jogadores de futebol, segundo a sua opinião, é o responsável pela concepção da direção técnica e política do futebol colorado.

Parece ser verdadeira a versão de que as orientações ao Melo são passadas na churrasqueira, prevalecendo a opinião e a postura – quase nunca corajosas – do coronel do futebol do Inter.

Ora, a eliminação em quase todas as competições, excepcionado o Campeonato Brasileiro, é a demonstração de que o futebol está mal concebido e mal conduzido. Cansei de ouvir as ladainhas do vice de futebol, apontando situações de quase gol, de quase campeões e de que até o minuto tal, fomos melhores em campo, e de que se não fosse o gol do adversário...

No balanço da atual direção até o momento não há um título sequer, nem mesmo o de campeão gaúcho.

Até parece que o Melo conta com algum tipo de estabilidade, ou “costas quente”, contrariando o que é regra nos demais clubes: quando a direção de futebol não mostra serviços, ela tem que ser trocada.

É preciso de uma vez por todas romper com as cordas das marionetes, tirar do colo os bonecos de ventríloquo e dar um fim aos fantoches de mão.

Ainda mais, é preciso sepultar o que não deu certo, rompendo com o coronelismo de churrasqueira de domingo.

Desprezando a pobreza do seu currículo e apenas diante da possibilidade de seguir na Libertadores ou sagrar-se campeão da Copa do Brasil, o virginal vice de futebol do Inter deixou de focar a sua missão, assanhando-se em articular a sua candidatura à presidência do Sport Club Internacional.

Presidente Medeiros lembre-se que já transcorreram três quartas partes do seu período total de gestão e deixe o Odair até o final do Brasileirão, quando poderá ser reavaliado. Mas mude o departamento de futebol já!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Bruno Alencastro / Google Imagems

   Cai Odair, mas Melo fica!...

 

Cai Odair, mas Melo fica!...

“Já transcorreram mais de dois terços do período total da gestão Medeiros e não ganhamos sequer um Gaúchão.  É preciso banir a politicagem que baliza o comportamento dos dirigentes colorados. Ela é uma ameaça perigosa à eficiência e eficácia do futebol”.

Reprodução Globo Esporte

O fenômeno Flamengo

 

O fenômeno Flamengo

“A boa administração do clube tem reflexos no futebol, resultando que a administração colha resultados. Sobre o jogo de  quarta-feira (25), apenas um comentário: foi pênalti no Guerrero e o nosso prejuízo foi grande”.

Pro dia nascer feliz...

 

Pro dia nascer feliz...

“Quarta-feira o Internacional fez o que deveria ter feito: ganhar do Nacional no país, na cidade, e no estádio dele” (...) Mas me ocupo também daquele lamentável fato ocorrido no último Gre-Nal. Um fato que revela a estupidez humana. Chama a atenção que ele tenha ocorrido entre duas mulheres. A agressora, segundo sei, é notória defensora dos direitos femininos”...