Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS),sexta-feira, 29 de maio de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/metaforense_4.jpg

Pai Badula e o auxílio-saúde para magistrados e servidores estressados



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Desfecho curioso teve uma ação movida pelo Ministério Público que pretendia encerrar as atividades de uma pouco difundida religião ancestral africana. A sentença de procedência, proferida em audiência, percorreu caminhos tortuosos, ambíguos, vagos, tudo para fugir dos tabus e mascarar o puro e simples preconceito.

Percebendo isso, Pai Badula, sumo sacerdote da tal religião, lançou um feitiço sobre todos os operadores forenses:

Vassuncês julgam, mas usam da hipocrisia para não serem julgados. Pois por uma semana terão que enfrentar seus tabus sem seu principal mecanismo de defesa!

E a praga logo se manifestou quando o escrivão, sem ver maldade em suas palavras, pediu a um serventuário que não levasse o seu namorado para o churrasco da repartição, pois enojava-se com demonstrações de afeto entre dois homens.

A balconista cartorária atendia cordialmente um advogado idoso, quando referiu, com um sorriso no rosto, que todo aquele procedimento poderia ter sido feito pela internet e que lamentava ter que perder seu tempo, “só porque os velhos relutam em aderir à tecnologia”.

Entrementes, um dos juízes da comarca dava entrevista para um telejornal e, perguntado acerca do auxílio-moradia, referiu sem meias palavras:

Esse auxílio-moradia, assim como outros penduricalhos, são formas veladas de conceder aumento às classes de juízes e promotores. Temos que fazer assim, para extrapolar os limites legais. Afinal, são carreiras de altíssima responsabilidade, que envolvem uma série de renúncias e que, portanto, têm que ser atraentes aos os jovens profissionais mais capacitados.

Houve uma pequena inquietação entre os repórteres, mas todos se contentaram com a resposta honesta.

Seguiu-se uma inesperada melhora no relacionamento entre os servidores. O tal escrivão compreendeu melhor a relação homoafetiva mantida por seu subalterno. Aquele advogado ancião fez um esforço maior para resolver suas demandas pela internet. Surgiram oportunidades melhores para mulheres e negros.

Enfim, percebeu-se que a mandinga do sacerdote Pai Badula não era uma praga, mas uma benção.

A serventia tornou-se um “case” de sucesso e aquele mesmo juiz que havia dado entrevista sobre o auxílio-moradia foi procurado novamente pela imprensa para falar sobre as boas práticas adotadas no fórum:

De fato, expor nossos reais valores e sentimentos permitiu que nos conhecêssemos melhor, bem como que pudéssemos trabalhar e resolver os problemas entre nós, reduzindo sobremaneira o estresse.

Um repórter interveio curioso:

Isso quer dizer que o pessoal aqui do fórum não vai receber o novo auxílio-saúde criado pelo CNJ para indenizar juízes e servidores estressados?

O magistrado medita por um tempo, mas, já expirado o encanto por Badula, pontua:

Sabe o quê mais? Estou percebendo que o nosso estresse está voltando...

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Rafael_berthold@hotmail.com


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Arte EV

Questão de perspectiva

 

Questão de perspectiva

As amplas chances de vencer uma ação trabalhista, reverter uma demissão por justa causa e ganhar indenização da companhia aérea cujo voo atrasou. E os riscos de uma ação tributária contra a argentária Fazenda Pública.

Chargista DUKE

   A live jurídica

 

A live jurídica

Em tempos de isolamento social, a equipe de um excelente escritório de advocacia realiza uma reunião à distância, via plataformas digitais. O dono do escritório, agressivo e truculento, ordena: “Façam uma livre sobre qualquer porcaria, já e agora”.

Arte EV sobre foto Freepik

Teoria da (Im)previsão

 

Teoria da (Im)previsão

Filha de um grande jurista já falecido, a advogada recém formada - buscando orientações sobre o rumo que deveria dar à sua carreira - procura uma cartomante. Recebe, então, a dica: “Convide 19 colegas e abra um escritório para ajuizar ações com base na cláusula rebus sic stantibus”.