Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 15 de outubro de 2019.

Culpa da ´99´ por assalto praticado quando a cliente chegava em casa



Arte EV sobre foto Google Imagens

Imagem da Matéria

Após um triste, mas rotineiro, caso de violência urbana em Porto Alegre, uma apreciável e rara sentença que reconhece a responsabilidade da empresa proprietária do aplicativo 99 Pop (grupo chinês Transportes Didi Chuxing), por assalto sofrido por uma estudante universitária. Esta, às 22h do dia 3 de junho deste ano, após aula noturna na PUC, estava prestes a chegar em sua casa, no bairro Glória. Ela percebeu encostados à frente do prédio residencial dois indivíduos vestindo moletom e capuz. Pediu ao motorista que não parasse e desse uma volta no quarteirão. O condutor não atendeu o pedido.

Com a parada do carro, a jovem de 19 anos teve um revólver apontado contra si, além de lhe ser roubado o celular. A sentença proferida no 2º Juizado Especial Cível reconhece que “a segurança pública é dever e responsabilidade do Estado”, mas admite que “a conduta do motorista da ré contribuiu diretamente para a ocorrência do assalto sofrido”.

A indenização – pontuada pela juíza leiga Isadora de Araujo Janczak e ratificada pelo juiz togado André Guidi Colossi - compreende o preço do celular roubado (R$ 3,4 mil) e uma reparação por dano moral (R$ 1 mil).

E o rápido tramitar da ação (ajuizamento em 19 de junho de 2019; sentença em 12 de setembro) prova que é possível a pronta prestação jurisdicional.

Parabéns! Abaixo as pilhas!

Interessantes passagens da sentença

 “Cabe salientar que o caso trata de relação de consumo. A parte ré é pessoa jurídica que presta serviços no mercado de consumo, inserindo-se no conceito de fornecedor do art. 3º do Código de Defesa do Consumidor, enquanto a parte autora é consumidora, na forma do art. 2º da supracitada lei, visto ser destinatária final dos produtos ofertados pelo fornecedor. Aplicam-se, desta forma, as disposições do referido código ao caso em tela, inclusive com a possibilidade de inversão do ônus da prova, que resta deferida”.

 “Compulsando os autos, verifica-se que a autora reportou à ré sobre o fato, conforme e-mails de fls. 16 e 18, além de ter lavrado boletim de ocorrência do assalto sofrido, fls. 13/14. Em resposta à reclamação, a demandada informou ter efetuado o bloqueio do motorista da plataforma de transporte de passageiros, fl. 16.”

• Ademais, é dever da ré a prestação de serviços adequada, que garanta o desembarque de forma segura do passageiro ao seu destino, seu consumidor, o que claramente não foi observado na situação”.

 “Imperioso ressaltar que a ré não esclareceu se buscou esclarecimentos sobre o fato junto ao motorista do aplicativo. De qualquer forma, a 99 Pop não trouxe o motorista para prestar os devidos esclarecimentos, na audiência de instrução, prova esta que estava ao seu fácil alcance, posto que para ser motorista na plataforma demandada é necessário prestar diversas informações para cadastro, inclusive apresentar documentos de identificação e comprovante de residência, conforme esclarecido pela própria ré em sua contestação, fl. 42”.

 “Logo, tem-se que não há, por parte da ré, impugnação específica do fato ou, ainda, prova de que a situação posta em comento não ocorreu na forma narrada pela demandante, ônus este que cabia à demandada a comprovação”.

 “Ainda que a ré sustente não ter ingerência sobre a conduta do motorista, o fato de tê-lo bloqueado da sua plataforma, após ter tomado conhecimento dos fatos narrados pela autora, corrobora as alegações da demandante de que o ato praticado pelo motorista não foi o adequado, nem o apropriado para que a segurança da consumidora, usuária do transporte de aplicativos, fosse assegurada, ocorrendo, assim, a falha na prestação de serviços por parte da demandada”.

Outros detalhes

O advogado Marcelo Santagada de Aguiar foi o subscritor da ação que sustentou a interessante tese.

Não há trânsito em julgado. (Proc. nº 9041759-59.2019.8.21.0001).

Leia a íntegra da sentença


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Duas decisões que consumidores podem festejar

  Um freio à vantagem exagerada. Sentença da Justiça gaúcha determina a devolução, pela TAP, do valor pago por passagens promocionais de valor reduzido. Os viajantes são dois irmãos que iriam a Lisboa, mas um deles teve súbita recidiva de câncer.

  Não é o plano de saúde que escolhe o tratamento que deve ser ministrado. Acórdão do TJ-SP define que o fato de um medicamento receitado ser importado não afasta a obrigação de fornecimento do tratamento necessário ao paciente.

Tranqueira no céu e na pista

Obras na pista do aeroporto Santos Dumont anunciadas para o mês de agosto são necessárias. Mas vão causar congestionamentos. A Tam prefere transferir-se um mês para o Galeão.