Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,03 de dezembro de 2019.

Comentários sobre a Resolução nº 241/2019 do Conselho Superior da Justiça do Trabalho



Por Juvenal Ballista Kleinowski, advogado (OAB-RS nº 102.262).
juvbk@hotmail.com

A Resolução nº 241/2019, do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, publicada em 6 de junho deste ano, trouxe silenciosas, mas impactantes, alterações à Resolução nº 185/2017 do CSJT, que trata do processo judicial eletrônico (PJe).

Uma das principais alterações é a expressa autorização de envio de petições com sigilo, inclusive para a contestação, conforme nova redação dada ao art. 22º:

Art. 22 (...)

§ 3º - Com exceção da petição inicial, as partes poderão atribuir sigilo às petições e documentos, nos termos do parágrafo único do art. 773 do CPC.

§ 4º - Com exceção da defesa, da reconvenção e dos documentos que os acompanham, o magistrado poderá determinar a exclusão de petições e documentos indevidamente protocolados sob sigilo, observado o art. 15 desta Resolução.

§ 5º - O réu poderá atribuir sigilo à contestação e à reconvenção, bem como aos documentos que as acompanham, devendo o magistrado retirar o sigilo caso frustrada a tentativa conciliatória

Tal alteração garante lastro à atitude de muitos advogados de partes reclamadas, que atribuíam sigilo às contestações para evitar que o patrono do reclamante tivesse acesso à mesma antes da audiência.

Encerra-se, assim, o conflito que existia com os juízes, que vedavam tal prática nos mandados de citação.

Outra significativa mudança é a obrigatoriedade de utilização do sistema PJe-Calc para envio de cálculos a partir de 01/01/2020:

Art. 22 (...)

§ 6º - A partir de 1º de janeiro de 2020, quaisquer cálculos deverão obrigatoriamente ser juntados por meio do PJe-Calc, vedado o uso de PDF ou HTML para essa finalidade.

Esta alteração, que entra em vigor em menos de cinco meses, afeta advogados e peritos, que precisam aprender nesse breve espaço de tempo a utilizar o sistema PJe-Calc e interpretar os resultados gerados pelo mesmo.

Embora o Conselho Federal da OAB tenha solicitado suspensão de tal exigência (Ofício nº. 758/2019-GPR), não há notícia de que o Conselho Superior da Justiça do Trabalho tenha acatado o pedido.

Por isso alerto todos os colegas: baixem o PJe-Calc e leiam o manual... enquanto temos tempo.

Leia a íntegra da Resolução nº 241


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Minhas decepções com a OAB de São Paulo!

Em artigo, a advogada Adriana Cristina Silveira Kuwana diz do orgulho que tem por sua profissão. Mas critica os dirigentes (“generais”) que ficam longe das batalhas por prerrogativas, e o poder que a Ordem paulista está dando a tesoureiros, estagiárias e recepcionistas.

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

 

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

“Um julgado do TJRS, confirmado pelo STJ, sintetiza a via crucis de quem acreditou nas promessas de uma assessoria tributária: 1) A empresa devia ICMS; 2) Comprou precatórios para pagar o débito; 3) Não conseguiu quitar; 4) Foi inscrita na Serasa; 5) Sofreu penhoras e sequestros bancários; 6) Voltou a pagar o ICMS devido; 7) Ao final, ficou com os títulos de precatórios literalmente na mão!”. Artigo do advogado Telmo Ricardo Schorr (OAB-RS nº 32158).

CHARGISTA DUKE – TRIBUNA DA INTERNET

   O Big Toffoli

 

O Big Toffoli

“No mundo, a Justiça se move na tentativa de preservar a privacidade das pessoas. Aqui no Brasil é diferente. A democracia tropical, com a sua incessante troca de favores, está parindo um monstro”. Artigo de Fernando Gabeira, publicado por O Globo, em 18.11.2019.

Arte EV sobre imagem Visual Hunt

A classificação dos juízes

 

A classificação dos juízes

“Eles são heróis, soldados, minimalistas e mudos – reportados por Lenio Streck, comentando obra do americano Cass R. Sunstein. Eu acrescentaria também os justiceiros e os cegos/surdos”. Artigo do advogado Gelmir Gutier Reche (OAB-RS nº 66.467).

Chargista Sinfronio – www.sinfronio.com.br

Sabe com quem está falando?

 

Sabe com quem está falando?

“Se o paciente já foi julgado e condenado nas instâncias vigentes, a dúvida não é sobre o réu, mas também e sobretudo sobre o próprio corpo de magistrados. Não houve voto de Minerva no STF, mas uma brasileiríssima retribuição de favor entre Dias e Luiz”. Artigo de Roberto DaMatta, antropólogo e colunista de O Globo.

O STF derruba a presunção de inocência

“Não vi ser enfrentado o conflito do art. 283 com o disposto no art. 637, do mesmo CPP, que afasta o efeito suspensivo do recurso extraordinário e prevê a baixa dos autos à primeira instância para o cumprimento da pena”. Artigo de Moacir Leopoldo Haeser, advogado, e desembargador aposentado do TJRS.