Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,10 de dezembro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Odair, VAR e a apreensão do torcedor colorado



Ricardo Duarte – S. C. Internacional

Imagem da Matéria

A primeira partida da final da Copa do Brasil inverteu a importância de um aspecto que vinha alimentando o debate futebolístico: o VAR. Nas partidas anteriores vinham sendo normais extensas paralisações para consultas ao VAR, especialmente no que se refere a pênaltis.

O árbitro da partida de quarta-feira (11) demonstrou que ainda é possível decidir em campo (ou nylon), prontamente e sem errar.

E não errou.

O único lance relativamente polêmico foi aquele reclamado pênalti do Athletico, PR. O lance foi repetido inúmeras vezes na tevê, ficando evidente que o jogador adversário colocou o braço protegido pelo tórax. Com personalidade o árbitro Raphael Claus não recorreu ao VAR, aliás durante todo o tempo de jogo.

Habemus árbitro, ao menos um no Brasil em tempo de VAR.

Estávamos apreensivos diante do adversário, da sua ruidosa arena e do piso sintético. Eu já estive lá e o ruído produzido por aquela torcida é como se alguém estivesse gritando nos nossos ouvidos.

Seria, como foi, difícil o confronto. Estamos vivos, vivíssimos graças à retrospectiva no Beira-Rio e pela atuação do “São Marcelo Lomba”, um goleiro que enche a torcida de orgulho.

No momento do lance do gol, houve erro da zaga colorada, que saiu atrás do atacante.

Ontem reafirmei a minha convicção: nosso time é um time que se acovarda frente às circunstâncias adversas. Isso vem se repetindo desde as atuações no Campeonato Gaúcho, passando pelo Flamengo. Tivemos 37% de posse de bola, contra 63% do adversário, quase o dobro. No restante os números foram praticamente iguais.

Para mim, mas uma vez o Patrick deixou a desejar: ou lhe falta técnica, ou concentração.

Odair está indo muito além do que imaginávamos. Ele soube crescer na sua atividade, ou aproveitar bem a chegada do Rodrigo Caetano. Entretanto, acho que ele é vítima da cultura da retranca existente em nosso vestiário e que é imposta pelos últimos “luminares” que por lá passaram.

Ainda no domingo ouvi a entrevista de um ex-presidente retranquista juramentado, enaltecendo o “freio-de-mão” puxado na quarta então vindoura.

O que esperar do nosso atual dirigente de futebol seu confesso discípulo e seguidor?

O Odair também precisa ter um plano B diante da dificuldade e que altere a lógica do sistema de jogo.

Com humildade, cautela, competência e apoio da torcida, chegaremos lá.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Aos pedaços e com pouco tempo

“Não desejo empregar a lógica do Marcelo Medeiros. Na semana passada ele afirmou em uma espécie de defesa prévia: ´Peguei o Inter na segunda divisão e se entregar na primeira e disputando a Sul Americana já seria melhor´”.

Bruno Alencastro / Google Imagens

   Vai tarde!

 

Vai tarde!

“Afinal, Roberto Melo caiu! Resgatado o vestiário, espero que rapidamente ele se refaça. Não há dúvida de que havia descontrole e crise. A postura confusa dos jogadores na partida com o Goiás foi prova disso”.

Arte EV sobre foto Ripleys.com

A múmia colorada

 

A múmia colorada

“De Tutancâmon a Evita Perón, a mumificação é uma prática que visa a perenização de um indivíduo, até mesmo diante da inevitável morte. Atrevo-me a dizer que o nosso vice-presidente de futebol foi mumificado em vida no vestiário colorado”.

O Gre-Nal dos desesperados

Na quarta-feira, um motorista de táxi lançou uma proposta curiosa: “Doutor, pela situação dos dois não seria do Medeiros sentar com o Romildo e assinarem um 0x0?”.