Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS),sexta-feira, 29 de maio de 2020.

A recusa ao teste do bafômetro



caricaturasfernandes.blogspot.com

Imagem da Matéria

Por Juvenal Ballista Kleinowski, advogado (OAB/RS nº 102.262).
juvbk@hotmail.com

Em 2008, a famosa “Lei Seca” (Lei nº 11.705) acresceu o § 3º ao art. 277 do CTB, dispondo que ao recusante seriam aplicadas as mesmas penas administrativas que aquele cuja embriaguez restasse comprovada. Muito debateu-se à época acerca da constitucionalidade de tal dispositivo, pois presumia como embriagado o condutor que recusasse o teste.

Ou seja, duas condutas distintas (certeza de embriaguez e presunção de embriaguez) eram punidas da mesma forma e pelo mesmo dispositivo (art. 165 do CTB), com aparente violação aos Princípios da Isonomia e da Proporcionalidade.

Disso resultou a propositura de algumas ADIs (nºs 4017, 4063 e 4103), que ainda pendem de julgamento pelo STF.

Ciente da controvérsia criada, o legislador editou a Lei nº 13.281 em 2016, criando a infração autônoma de recusa ao exame do bafômetro, agora presente no art. 165-A do CTB. Desde então o Judiciário – e em especial as Turmas Recursais da Fazenda Pública – têm sido inundados por ações de condutores autuados pela recusa ao teste do bafômetro.

E a procedência – ou não – da ação dependia de sorte: se a lide fosse distribuída à 2ª Turma Recursal da Fazenda Pública do TJRS, a infração (por recusa ao teste) somente seria mantida se houvessem outras provas de possível embriaguez.

Do contrário, se distribuída à 1ª ou 3ª Turma, a infração seria mantida, pois os julgadores entendiam que se trata de infração de mera conduta.

Visando resolver a divergência interna, em janeiro de 2019 foi suscitada a Instauração do Incidente de Uniformização de Jurisprudência nº 71008312076, que resultou na suspensão de todos os processos sobre o tema.

Recentemente, em 27/08/2019, as Turmas Recursais Reunidas julgaram tal incidente, concluindo que as infrações por recusa ao bafômetro são válidas, sendo irrelevante a ausência de sinais de embriaguez:

 

“INCIDENTE DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA.

TURMAS RECURSAIS DA FAZENDA PÚBLICA REUNIDAS.

DETRAN-RS. INFRAÇÕES DE TRÂNSITO DO ART. 277, § 3º,

C/C O ART. 165, AMBOS, DO CTB E DO ART. 165-A DO CTB.

RECUSA AO TESTE DO BAFÔMETRO (ETILÔMETRO).

INFRAÇÃO DE MERA CONDUTA.

São válidas as autuações, seja pelo art. 277, § 3º, com as penalidades do art. 165, ambos, do CTB, seja do 165-A do CTB, conforme a data do fato, pela recusa do condutor a se submeter ao teste do bafômetro (etilômetro), exame clínico, perícia ou outro exame que permita verificar a embriaguez, previstos no art. 277, caput, do CTB, pois se trata de infração de mera conduta, dispensando a verificação de sinais de embriaguez ou a disponibilização, no momento da autuação, de outros meios de aferição da embriaguez para aquele que se recuse à realização do teste do bafômetro (etilômetro).

POR MAIORIA ABSOLUTA, UNIFORMIZARAM O ENTENDIMENTO, COM EDIÇÃO DE ENUNCIADO.

Encerra-se, assim, a divergência existente entre as Turmas Recursais, restando certa a aplicação de multa pela recusa ao bafômetro.

Nas poucas vezes que se manifestou sobre a questão, o STJ posicionou-se a favor da validade das infrações (ex.: REsp 1.720.060/RJ e REsp 1.758.579/RS).

E, como acima dito, o STF ainda não julgou as ADIs interpostas há 11 anos.

Leia na base de dados do Espaço Vital a íntegra do acórdão de uniformização da jurisprudência


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Fake news é crime no Brasil?

“Observando nossa legislação, verifica-se que as ´fake news´ não se constituem em crime no nosso país. Tanto pela inexistência de previsão de seu tipo normativo, assim como pela ausência de qualquer cominação de pena. Mas isso não significa que elas não possam servir como um dos vários atos ou meio para a prática de determinado crime - como, por hipótese, a difamação”. Artigo de Carlos Eduardo Rios do Amaral, defensor público do Estado Espírito Santo.

Imagem Dicio.com.br

O apoio a profissionais do Direito perseguidos

 

O apoio a profissionais do Direito perseguidos

“A Associação Brasileira dos Advogados do Povo ´Gabriel Pimenta´ atua em prol aqueles que são molestados por exercer seu trabalho com independência e desassombro. E se constitui também como instância de produção intelectual e de ação concreta, dentro e fora dos tribunais”. Artigo dos advogados Henrique Júdice Magalhães (OAB-RS nº 72.676) e Felipe Nicolau do Carmo (OAB-MG nº 129.557 e OAB/ES nº 29.263).

Chargista Aroeira

O STF e o drama cósmico

 

O STF e o drama cósmico

“Entre erros e acertos, os ministros do STF, como ´jurisfilósofos´, têm deliberado sobre alguns ´astros´. Dos guardiões da Constituição, espera-se mais do que luz e revelação. Anseia-se por temperança”. Artigo do advogado Rafael Moreira Mota (OAB-DF nº 17.162)

Imagem Camera Press - Edição EV

A cobiça e o mau uso dos depósitos judiciais

 

A cobiça e o mau uso dos depósitos judiciais

Os empréstimos concedidos pela Caixa Econômica Estadual, nos anos 80, para associados da AJURIS. “O valor à época permitia - a cada um dos tomadores - a aquisição de 19 fuscas novos, valor a ser pago em 120 meses, tudo sem correção monetária, em tempo de inflação de 80% ao mês”. Artigo de Luiz Francisco Corrêa Barbosa, magistrado estadual aposentado e advogado (OAB-RS nº 31.349).