Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 15 de outubro de 2019.

Multa por má-fé em ação trabalhista reverte à APAE



Representantes da Justiça do Trabalho gaúcha compareceram, na semana passada, à sede da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Osório para entregar uma doação de R$ 10 mil. O valor provém de uma multa por litigância de má-fé aplicada ao autor de uma ação trabalhista.

Ele buscava o vínculo de emprego, mas provas obtidas no processo mostraram que, em verdade, o autor nunca tinha sido empregado — ele era sócio da empresa reclamada, cuja titular era a ex-esposa. “Desfeito o casamento, o cidadão buscou a Justiça do Trabalho como meio de vingança pessoal ou rixa contra a ex-mulher” – refere o saite do TRT-4.

Aquela conduta foi reprovada pela Justiça, que julgou a ação improcedente e também condenou o autor ao pagamento da multa, em favor de instituição de caridade. Em segundo grau, a 5ª Turma do TRT-RS confirmou a sentença proferida pelo juiz Eliseu Cardozo. A penalidade financeira pela má fé foi quitada em agosto.

A juíza titular da Vara do Trabalho de Osório, Silvana Martinez de Medeiros, elegeu a APAE da cidade como a beneficiária do valor e participou da entrega do valor, na sede da entidade.

“É importante mostrar à população que a Justiça do Trabalho não condena sempre as empresas e somente as empresas, mas quem age de forma maliciosa e fraudulenta no processo. Também é importante registrar que podemos fazer caridade com o produto de uma ação trabalhista, como nesse caso” - afirmou a magistrada. (Proc. nº 0022095-92.2016.5.04.0271).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto ESMAT

Mulheres recebem renda 17% inferior à dos homens por hora trabalhada

 

Mulheres recebem renda 17% inferior à dos homens por hora trabalhada

Para a Organização Internacional do Trabalho, a melhoria da divisão das tarefas domésticas é a mudança cultural mais importante para o progresso na igualdade de oportunidades. Juíza Noemia Garcia Porto (foto), presidente da Anamatra, sustenta que “a inserção, em igualdade de condições dignas e decentes, desafia pensar numa perspectiva de direitos humanos”.

Lide simulada: empresa é multada por má fé

Os advogados das duas partes são irmãos. Multa aplicada à empresa reclamada será revertida para a  Liga Feminina de Combate ao Câncer de Novo Hamburgo. Leia a íntegra do acórdão.