Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta-feira ,14 de novembro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/on_off_2.jpg

E o cartório, como fica?



Imagem da Matéria

A tecnologia no Judiciário vem crescendo bastante, são inteligências artificiais em quase todos os tribunais do país, ideias de robôs-juízes, entre tantos outros planos de auxílio para enfrentar o crescente número de processos, a falta de material humano e recursos para julgá-los.

Um interessante projeto em Guarulhos (SP) nos trouxe mais uma tecnologia ON a este manancial já existente. Uma tecnologia que irá literalmente substituir a mão de obra humana: os robôs que automatizam funções cartorárias.

E este robô já trouxe resultados financeiros expressivos: Baixou de 600 mil processos de execução fiscal para 200 mil processos e ainda extinguiu mais de 200 mil execuções. E o que ele faz?

Algumas atividades do robô: + Cadastro e digitalização de documentos; + Cadastro e juntada de petições intermediárias; + Alocação de processos para um usuário; + Carregamento de processos na fila do fluxo de trabalho; + Análise de pedido de citação por edital e conferência de texto;

Ou seja, o robô manda e desmanda no serviço cartorário!

E isto é bom? Claro! Tudo que é repetitivo – como o ser humano servindo apenas para carregar papel e carimbar - o robô faz, 24 horas por dia, 7 dias por semana, sem café, sem pausas para ir ao banheiro, sem faltas.

Então não precisamos de seres humanos? Outro erro! Precisamos - e muito - do material humano. Entretanto, cada vez mais, de seres humanos pensantes, ativos em atitudes e focados em resultados e soluções para o propósito do negócio.

E qual o propósito do cartório? Gerir o processo com celeridade para o julgamento, além de respeitar tudo que é inerente a fluxos processuais. Assim, quanto mais a tecnologia identificar gargalos que podem ser resolvidos rapidamente, o ser humano pode focar noutros planos.

Por que esperar anos por um carimbo de trânsito em julgado? Meses para uma juntada de petição? Dias para conclusão ao juiz?

Vamos deixar a máquina ajudar no que ela pode ser útil e nos concentrarmos em soluções viáveis aos litígios, inclusive fora do Judiciário.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O uso da Inteligência Artificial no Brasil

“Tramita no Senado Federal o Projeto de Lei nº 5051/2019. A ideia é interessante, embora legislar sobre este tema seja mais complexo do que dar palavras a um texto. Basta analisar o texto sugerido, e percebemos situações teratológicas destoantes da realidade fática”.

Imagem Inmetrics.com.br

Privacidade custa caro!

 

Privacidade custa caro!

“Devemos estar atentos à Lei Geral de Proteção de Dados que entra em vigor em agosto de 2020. Dirão alguns que ´falta mais de um ano para a lei entrar em vigor, temos tempo´ etc... Ledo engano! Basta ler a lei para perceber que as adequações necessárias a empresas, incluindo escritórios de advocacia, será grande. Urge começar o quanto antes”.

Chargista Amarildo

Não existe almoço grátis!

 

Não existe almoço grátis!

“Há advogados que postam suas próprias feições de agora, dizendo ´Protocolada a petição inicial´. Depois, a foto – bem mais velho - gerada pelo aplicativo, comemorando ´Alvará recebido´... Será que os profissionais da advocacia sabem o que estão autorizando o FaceApp a fazer com seus dados pessoais?"