Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 15 de outubro de 2019.

Condenação indenizatória exemplar contra TAM e Submarino.com



Por Paulo da Cunha, advogado (OAB-RS nº 43.034)
paulodacunha.advogados@gmail.com

Trata o presente artigo de sucinta análise de sentença de procedência em ação indenizatória vitoriosa, em que duas conhecidas companhias prestadoras de serviços (TAM e Submarino.com) foram financeiramente condenadas em primeiro grau por danos morais, e materiais em dobro.

O inusitado do caso foi o fato de que uma das rés, após a prolação de sentença condenatória de danos morais no valor de R$ 50 mil para os dois autores, optou por não ingressar com apelação, e, assim, no mesmo prazo processual, peticionou abrindo mão do prazo recursal e desde logo depositou sua parcela condenatória.

Ainda, tal situação singular, no meu ver - como advogado dos autores (Proc. nº 001/1.13.0102054-1) - demonstra-se no fato de que as rés agiram em total desprezo no tratamento e atenção aos passageiros, um casal de brasileiros residentes em Porto Alegre. Tanto fora assim comprovado nos autos, que o Juízo do Foro Regional da Tristeza, em Porto Alegre, condenou as rés a indenizarem os gastos comprovados, em dobro, além da já referida indenização de danos morais de R$ 50 mil.

O empresário e sua esposa, médica, vencedores na demanda, estavam retornando de extensa viagem internacional na qual fizeram várias trocas de aeronave, estando extremamente cansados e desejosos de retornar ao lar. Mas, pelas falhas das rés, foram obrigados a aguardar por mais de três horas no aeroporto, carregando várias e pesadas bagagens, tendo em vista que as rés haviam simplesmente, e sem qualquer informação ou justificativa, cancelado o último trecho da viagem contratada!

Sabidamente se trata de decisão com grande divergência indenizatória, tanto que houve alteração parcial da decisão no TJRS. Mas mesmo assim o julgado serve para demonstrar que, perante o juízo singular - o qual tem a oportunidade, como no caso, de efetivamente ouvir em audiência os depoimentos dos consumidores lesados - a indenização de danos morais pode se dar de forma correta e exemplar, o que muitas vezes acaba por desestimular tais comportamentos pelas prestadoras de serviços, além de, obviamente, ressarcir moral e patrimonialmente, os autores da demanda.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Cuidado com as audiências em ação de despejo

 

Cuidado com as audiências em ação de despejo

“O inimaginável na 3ª Vara Cível de Porto Alegre: terceiros - não autorizados pela parte ré, tampouco munidos de instrumento de mandato - firmaram acordo em nome de uma octogenária, reconhecendo uma dívida e uma relação jurídica locatícia inexistente. E o pior: a transação foi homologada. Virou um elefante branco”. Artigo da advogada Cristine Batistella Darcie.

Liminar para rescisão indireta do contrato de trabalho

Impontualidade no pagamento dos salários e falta dos depósitos do FGTS. “A 1ª Seção de Dissídios Individuais do TRT-4 acolhe mandado de segurança de uma reclamante, sem necessidade de instrução do feito”. Empate de sete votos, com decisão pelo ´voto de Minerva´ da presidente.  Artigo do advogado Juvenal Ballista Kleinowski.

Montagem de Gerson Kauer sobre imagem Google

Janot x Gilmar – e o desejo de matar

 

Janot x Gilmar – e o desejo de matar

“Para me atrever a abordar o caso, busquei valiosos subsídios junto ao credenciado professor Ney Fayet Júnior. Entre um mate e outro, fui brindado com uma verdadeira aula. Assim, em conclusão, primeiramente, de tentativa de homicídio não se trata”. Artigo de Roberto Siegmann, advogado, hoje excepcionalmente fora de sua condição habitual de colunista do Jus Vermelha.

As dificuldades e as soluções para o uso do PJe-Calc

 

As dificuldades e as soluções para o uso do PJe-Calc

O prazo dado pelo CSJT, para início da obrigatoriedade a partir de 1º de janeiro de 2020, é insuficiente para que os usuários adquiram o domínio necessário ao uso do programa”. Artigo de Evori Veiga de Assis, economista, diretor do IPEJ.

A usurpada federação brasileira

“É preciso que os Estados e Municípios tenham a autonomia prevista na Constituição e que seus gestores assumam as suas responsabilidades e deixem de se esconder sob o manto da asfixiante centralização, que está nos empurrando de volta aos tempos do Brasil colônia”. Artigo de João Pedro Casarotto, auditor-fiscal do RS, aposentado.