Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 15 de outubro de 2019.

Um caso gaúcho para o Livro Guinness dos Recordes



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Pedro e Paula (nomes fictícios) eram jovens ainda – respectivamente 24 e 22 de idade – quando casaram, dez anos atrás. Eles levaram à frente seu matrimônio, sem filhos, durante mais de três milhares e meio de dias de muitas alegrias, poucas tristezas, mas lento declínio da temperatura conjugal.

Classe média alta, os dois com diplomas conceituados, haviam se conhecido na mesma universidade. Trabalhavam em duas empresas diferentes, cada um tinha o seu automóvel e residiam num confortável apartamento em cidade da região metropolitana de Porto Alegre.

Início de 2019, o marido com 34 de idade, ela com 32 - o casamento seguia rotineiro no tédio do televisor ligado, a conversa só sobre problemas no trabalho, a safadeza de políticos brasileiros, as liminares do Gilmar, o futebol nos domingos, superficial intimidade conjuga. E todas as manhãs, de segunda a sexta, era a rotina de dois beijinhos frios, trocados na garagem, antes que se afastassem, saindo para lados diferentes.

Os amigos mais chegados contam que Paula ainda amava Pedro, mas o casamento se despedaçava por causa da (desconhecida) epidérmica presença de uma terceira pessoa. Foi nessa conjunção que Pedro, cabisbaixo, foi formal com Paula, num sábado de janeiro, durante o jantar à base de pizza e água mineral:

- Como mulher inteligente e sensível que és, já deves ter sentido que nosso casamento acabou. Por isso, estou te anunciando que amanhã de manhã estarei indo embora.

Incrédula, Paula questionou e assim propiciou que o diálogo rápido evoluísse:

- Por que esta decisão?

- Sou homossexual!

- Pedro, não posso crer...

- Mas tens que acreditar. Amo um homem e já montamos um apartamento em Porto Alegre, onde moraremos juntos a partir da semana que vem.

- E quem é este homem?

- Teu irmão, o Miguel Ângelo.

Não é difícil imaginar que a cena, no lar que desmoronava, tenha sido composta, também, por uma unilateral crise de choro.

A surpreendente revelação que resultou na história aí de cima foi feita por Paula, diante do juiz da Vara de Família, quando este – ao receber os ex-cônjuges para a audiência de divórcio consensual – protocolarmente perguntou sobre a possibilidade de reconciliação.

Pedro manteve-se calado e Paula concretizou no arremate, em uma só frase, a dureza das páginas da vida:

- Impossível doutor, depois que eu passei a ser provável ímpar personagem do Livro Guinness dos Recordes!

O discreto magistrado ponderou que não entendera a frase. Mas o arremate de Paula foi esclarecedor e definitivo:

- Num mesmo dia eu me transformei, de fiel esposa, em cunhada do Pedro, meu ex-marido e inimiga de meu irmão Miguel. É uma conjunção ímpar, irreconciliável e insolucionável.

Ela assinou o termo e, chorosa, pediu desculpas, saindo porta afora da sala de audiências.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A insólita arma do crime

 

A insólita arma do crime

O ineditismo de uma ação penal contra um caboclo que ficara esquecido no presídio. A acusação era por tentativa de homicídio: desconfiança (isso mesmo!) de que o réu lançaria uma cobra venenosa “surucucu-pico-de-jaca” contra o delegado de polícia de pequena cidade interiorana.

Charge de Gerson Kauer

Juiz do amor

 

Juiz do amor

Na sustentação oral em recurso derivado de uma ação de alimentos, o advogado suscita a suspeição de um dos magistrados: “O desembargador relator está na quinta esposa, tem cinco filhos, gasta grande parte do seu subsídio com pensões alimentícias”. O magistrado suscitado, então, invoca versos de Ivan Lins: “O amor tem feito coisas...”. O texto é de Carlos Alberto Bencke. (Aproveite para ver e escutar uma das performances do grande artista brasileiro).

Charge de Gerson Kauer

Uma menina especial

 

Uma menina especial

Pouco antes do encerramento da audiência de um processo de família, a agradável surpresa para o juiz: “Tio, posso lhe dar um beijo?” – indagou, sentada à cabeceira da mesa, a linda garota, 6 ou 7 de idade. Em seguida, ela deu a volta correndo pela sala e pregou os lábios na bochecha do magistrado, num beijo estalado e inocente. O texto é do juiz Eduartdo Buzzinari Ribeiro de Sá. 

Charge de Gerson Kauer

A preferência pelo cunhado

 

A preferência pelo cunhado

O caso de Sergipe que está causando perplexidade no STF traz à baila situação parecida ocorrida em cidade do RS. Marido e mulher – casados na conformidade com o Código Civil – acordaram em se divorciar, para que ele ficasse com o irmão dela. “Eu passei a ser provável ímpar personagem do Livro Guinness dos Recordes” – desabafou chorosa a jovem senhora de 32 anos.

Charge de Gerson Kauer

   Processo é muito chato...

 

Processo é muito chato...

O acordo numa ação de alimentos, quando o recalcitrante réu de ação de alimentos é advertido pelo juiz: “Vou-lhe tocar um processo”. A resposta do devedor é imediata: “Doutor, não faça isso... processo eu não quero, pois é muito chato”.

Charge de Gerson Kauer

A ímpia e injusta guerra...

 

A ímpia e injusta guerra...

A propósito da Semana Farroupilha, a bazófia a que foram submetidos um porto-alegrense e sua esposa, por ocasião de um churrasco no Country Club, para homenagear empresários dos EUA que queriam expandir a venda de produtos fumígenos no RS. Quase virou ação indenizatória por dano moral à moda gaúcha.