Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS),sexta-feira, 29 de maio de 2020.

Palmas para o promotor, que ele NÃO merece!...



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Palmas às vezes são inoportunas, mas não constituem desacato; os aplausos descontextualizados podem também, eventualmente, ser deselegantes, mas não configuram afronta, mesmo quando dirigidos a uma autoridade. A decisão é da 6ª Turma do STJ, em habeas corpus impetrado em favor de um advogado.

A precedente denúncia relatara que “o profissional da advocacia bateu repetidas palmas, e de forma irônica e sarcástica clamou ´Ele merece´, quando o promotor, no tribunal do júri, acusou um depoente de falso testemunho”.

Provocado pelo promotor, o juiz determinou a prisão em flagrante do advogado, por desacato. O advogado, por sua vez, inexitosamente dera voz de prisão ao promotor, afirmando que ele "exorbitou de suas funções ao me impedir de exercer a defesa do réu". O júri foi suspenso.

Foi instaurada ação penal contra o advogado no Juizado Especial Criminal, pelo crime de desacato. O TJ estadual negou habeas corpus ao profissional, cuja defesa renovou o pedido no STJ, sustentando "não haver justa causa para a persecução, pois a conduta foi atípica e não constitui desacato".

A impetração chegou a evocar Chacrinha, lembrando quatro de seus bordões: ´Eu vim para confundir, não para explicar´, ´Quem não se comunica se trumbica´, ´Vocês querem bacalhau?´ e especialmente ´Palmas ao fulano, que ele merece´.

O ministro relator concluiu que "os fatos narrados não levam à conclusão de que houve crime de desacato, sendo naturais ao calor da inquirição de uma testemunha em sessão plenária”.

Trancando a ação penal, o acórdão superior reconheceu que, “por vezes, em debates orais, as partes, no calor de seus patrocínios, exacerbam em suas palavras e atos, sem a intenção dolosa de agredir moralmente”.

Mas deixou uma sutil crítica: “Os desnecessários e longos aplausos praticados pelo advogado defensor foram apenas evidentemente deselegantes".


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A justificada parcialidade do juiz

 

A justificada parcialidade do juiz

Um pênalti incomum cometido por um zagueiro. Gol da equipe adversária e fim do sonho de estar na elite do futebol gaúcho. Depois da partida, na entrada do vestiário, o goleiro agride seu companheiro de time. No juízo criminal, o magistrado decide com pleno e pessoal conhecimento da causa e absolve o acusado. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

O automóvel da “potranca” da esquina

 

O automóvel da “potranca” da esquina

“O comportado líder cooperativista, pai de família respeitado e dinheiro sobrando na conta bancária, engraça-se - na média cidade - por uma comerciante local, premiada por Deus em termos físicos. E a presenteia com um automóvel. Um engano da loja de carros na entrega põe tudo a perder”. O texto é de Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Viagem na maionese jurídica

 

Viagem na maionese jurídica

“O cidadão gaúcho foi ao supermercado exclusivamente para comprar um sachê de maionese. Pagou R$ 6 e ao chegar em casa constatou que a embalagem e o cupom de caixa mencionavam 500 gramas. Mas o peso real era de 260g. ´Abalado´, o consumidor contratou três advogados para a ação por dano moral”.

Charge de Gerson Kauer

´Número 1, ou número 2?´

 

´Número 1, ou número 2?´

“O título do Romance Forense de hoje tem nada a ver com os dois primeiros dos quatro filhos de notório político. É uma história que se passa em uma distribuidora farmacêutica, irredutível no controle dos empregados, de ambos os sexos, nos momentos em que vão aos banheiros”.

Charge de Gerson Kauer

Quem quer ser atriz na televisão?

 

Quem quer ser atriz na televisão?

O anúncio nos classificados do jornal foi insinuante: “Empresa com 15 anos de credibilidade busca atrizes sem experiência, para trabalhos em programas de tevê. Garantimos (100%) pelo menos uma participação”. Ao chegarem no Rio de Janeiro, as candidatas tinham que marcar e assinar num formulário:

( ) Sim, aceito fazer nu;

( ) Não aceito fazer nu.