Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,13 de dezembro de 2019.

A quem interessa a liberação do tráfico de drogas?



Por Gustavo Ronchetti, promotor de justiça em Porto Alegre.

No momento em que estudos científicos acerca da toxicidade da maconha - droga tida por muitos como inofensiva - são concludentes, a sociedade gaúcha ficou estarrecida com decisão de uma magistrada que resolveu soltar cidadãos presos em flagrante na posse de toneladas da droga, sob argumento de que supostamente teriam sido agredidos por forças policiais.

Contudo, a tentativa de liberar o tráfico (sim, a venda) de drogas é lugar comum em setores do Judiciário local.

Aos exemplos:

a) A 3ª Câmara Criminal do TJRS é recorrente em absolver cidadãos presos na posse de generosas quantidades de drogas, que, em qualquer outra Corte, local ou alienígena, jamais seriam tidas como destinadas ao consumo (observem as decisões no saite do TJRS);

b) Decisões recentes de magistrado local, em sede de plantão judicial, sustenta, modo inequívoco, a necessidade de descriminalização judicial da atividade comercial do “pequeno” traficante, independentemente da condição de reincidente ou ainda da situação de estar portando arma de fogo;

c) Agora, a decisão de liberar presos na posse de toneladas de maconha, sob alegação de suposta agressão por policiais, antes mesmo da apuração dessas supostas agressões e independentemente do grave crime precedente.

Instada, a Corregedoria da Justiça, no caso do plantão judicial, foi clara: o magistrado agiu sob o manto da proteção da independência do juiz.

Penso aqui que a CGJ perdeu excelente oportunidade de dizer a que veio. Afinal de contas, tais decisões, subvertendo a ordem jurídica posta, ao assegurar a impunidade da narcotraficância, não estão nem de longe protegidas pela independência do juiz, que é garantia da sociedade para que o julgador atue em sintonia, e não subvertendo, a ordem jurídica sem qualquer pressão.

Volto, contudo, à questão inicial: a quem interessa este movimento inclusive dentro da comunidade jurídica tendente a liberar o tráfico de drogas?


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Não há como definir raça negra de modo objetivo

“Mais exequível para facilitar o ingresso nas universidades públicas de modo justo seria ter critérios de baixa renda familiar”.
Artigo de Roberto Lent, professor emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Minhas decepções com a OAB de São Paulo!

Em artigo, a advogada Adriana Cristina Silveira Kuwana diz do orgulho que tem por sua profissão. Mas critica os dirigentes (“generais”) que ficam longe das batalhas por prerrogativas, e o poder que a Ordem paulista está dando a tesoureiros, estagiárias e recepcionistas.

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

 

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

“Um julgado do TJRS, confirmado pelo STJ, sintetiza a via crucis de quem acreditou nas promessas de uma assessoria tributária: 1) A empresa devia ICMS; 2) Comprou precatórios para pagar o débito; 3) Não conseguiu quitar; 4) Foi inscrita na Serasa; 5) Sofreu penhoras e sequestros bancários; 6) Voltou a pagar o ICMS devido; 7) Ao final, ficou com os títulos de precatórios literalmente na mão!”. Artigo do advogado Telmo Ricardo Schorr (OAB-RS nº 32158).

CHARGISTA DUKE – TRIBUNA DA INTERNET

   O Big Toffoli

 

O Big Toffoli

“No mundo, a Justiça se move na tentativa de preservar a privacidade das pessoas. Aqui no Brasil é diferente. A democracia tropical, com a sua incessante troca de favores, está parindo um monstro”. Artigo de Fernando Gabeira, publicado por O Globo, em 18.11.2019.

Arte EV sobre imagem Visual Hunt

A classificação dos juízes

 

A classificação dos juízes

“Eles são heróis, soldados, minimalistas e mudos – reportados por Lenio Streck, comentando obra do americano Cass R. Sunstein. Eu acrescentaria também os justiceiros e os cegos/surdos”. Artigo do advogado Gelmir Gutier Reche (OAB-RS nº 66.467).

Chargista Sinfronio – www.sinfronio.com.br

Sabe com quem está falando?

 

Sabe com quem está falando?

“Se o paciente já foi julgado e condenado nas instâncias vigentes, a dúvida não é sobre o réu, mas também e sobretudo sobre o próprio corpo de magistrados. Não houve voto de Minerva no STF, mas uma brasileiríssima retribuição de favor entre Dias e Luiz”. Artigo de Roberto DaMatta, antropólogo e colunista de O Globo.