Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de outubro de 2019.

Herdeiro da OAS morre após infarto em audiência da Lava-Jato



Herdeiro da empreiteira OAS, o empresário Cesar Mata Pires Filho, de 40 anos, morreu na quarta-feira (24), dezesseis dias após ter sofrido um infarto enquanto prestava depoimento em uma audiência no âmbito da Operação Lava-Jato, em Curitiba. O pai dele, Cesar Mata Pires, um dos fundadores da empresa, também morreu após sofrer um infarto, em agosto de 2017.

A causa oficial da morte de Cesar Mata Pires Filho não foi informada pelo hospital. Ele completaria 41 anos em setembro e estava internado desde o dia 8 de julho.

Durante o depoimento, o juiz Luiz Antonio Bonat - que substituiu Sergio Moro, na 13ª Vara Federal de Curitiba – acionou a equipe médica da Justiça Federal. Em seguida, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) cuidou da transferência do empresário para uma unidade de saúde.

No dia seguinte à chegada ao Hospital Santa Cruz, em Curitiba, Cesar foi submetido a uma cirurgia para implantação de dois ´stents´ - endopróteses usadas para desobstruir artérias. A operação foi bem-sucedida e o quadro do empresário foi considerado estável após o procedimento. A situação dele piorou nos últimos dias.

Cesar era acusado de corrupção na construção de um prédio da Petrobras em Salvador. A defesa alegava a inexistência de provas de que o empresário tivesse cometido crimes no caso. A Lava-Jato chegou a apreender diversos bens de luxo do empresário, como cinco relógios Rolex e dois veículos Porsche Cayenne. Quando ele foi preso pela operação, a fiança custou R$ 29 milhões.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

STF tranca ação contra assessor jurídico de Canela (RS)

Ação penal em tramitação na Justiça Federal de Caxias do Sul (RS) aborda a apropriação de bens ou rendas públicas, e/ou desvio em proveito próprio ou alheio, ocorridos em 2010. Seguem como réus o prefeito Constantino Orsolim (MDB) e cinco pessoas ligadas à administração municipal.

Procurador da Fazenda tenta matar juíza no TRF-3

Matheus Carneiro Assunção atacou a magistrada federal Louise Figueiras,  sob a alegação de que o ato seria um “protesto”. A magistrada teve ferimentos leves. O criminoso – que parecia estar tomado por um surto psicótico - foi preso em flagrante