Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 04 de agosto de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/on_off_2.jpg

Não existe almoço grátis!



Chargista Amarildo

Imagem da Matéria

A frase do título é famosa, muita gente repete, entretanto, quando falamos de internet, de redes sociais e de modismos, parece que uma grande parte das pessoas esquece disto.

Entre tantos aplicativos do momento, há um em especial que vem tomando conta da cena do mercado e do gosto popular: O FaceApp.

Sim, aquele aplicativo dentro do Facebook que transforma o seu rosto em mais velho 40 anos. Inúmeras pessoas fazem a “brincadeira” de transformar-se em mais velho, incluindo advogados que postam sua foto de agora dizendo “Protocolada a inicial” e a foto gerada pelo aplicativo bem mais velho dizendo “Alvará recebido”.

Parece divertido, mas por que um aplicativo daria, de graça, esta brincadeira aos usuários de facebook?

Releia o título: Não existe almoço grátis! Ele não dá de graça a brincadeira. Ele cobra, e muito caro por ela.

Como assim?

O óbvio é que a foto em si, que é enviada ao servidor deles para ser tratada e posteriormente entregue com a “máscara da velhice”. Só com isto, ele sabe quem você é no Facebook, tem sua foto confirmada que é você, e muitos outras informações que você sequer sabe que deu a Facebook. Tal porque ao aceitar o contrato on line de adesão com eles, pouquíssimas pessoas leem o que está escrito.

Todos são bonzinhos, certo? Ou como é o lema do Google: “Não seja mau”...

Não é bem assim. Veja aqui uma lista de informações que você autoriza o FaceApp a receber para ter a foto mais velho, além da foto, por óbvio:

1. Páginas da web visitadas por você;

2. Log file (ou seja, registro do que é feito no seu computador);

3. Identificador do dispositivo (computador ou celular) com poderes para acessar, coletar, monitorar e instalar programas que monitorem o dispositivo.

É o suficiente para se preocupar? Ainda não?

Então leia atentamente os termos de aceite do aplicativo e veja que ele pode, além de ter todos os dados enumerados acima, divulgar os dados com ele (quem fabrica este App?) com empresas parceiras (quais são?) e com convênios governamentais…

Ou seja, a sua foto e todos os dados do seu computador e/ou celular podem agora estar abastecendo as empresas que vendem ao governo softwares de rastreamento de rostos, aumentando a precisão destes e mais, pegando fotos e informações de outras pessoas que estão nestes aparelhos…

Não existe aplicativo ou almoço grátis. Sempre se paga e quando não se lê, quando apenas curtimos o efeito manada das redes sociais, acabamos por entregar muito mais do que uma foto, mas uma vida inteira de informações contidas em nossos celulares ou computadores.

#PraPensar


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Foto: Visual Hunt - Arte EV

 Robôs seriam o problema do Judiciário?

 

Robôs seriam o problema do Judiciário?

“A ideia (!) do TRT-RS de limitar o acesso para facilitar o trabalho não é uma solução aceitável. Até porque, sob este prisma, daqui a pouco poderemos acessar 1.500, depois 1.000, após quiçá apenas 500 ou 100 processos, sob o falso argumento de resolver a lentidão do sistema”.

O Facebook apagando contas que apoiavam ou criticavam o governo

“O que isto significa na prática? Pensemos em três questões: 1) Redes sociais são meios de comunicação entre o governo e a população. 2) Quem controla a mídia controla a situação. 3) O poder da tecnologia é incalculável.

Liberdade de expressão ou receita financeira?

“Qual o princípio que norteia o Facebook? Não há como olvidar que estamos todos conectados, neste emaranhado que se chama de mercado, neste mundo pandêmico e sem normas definidas”.