Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 11 de outubro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/on_off_2.jpg

Não existe almoço grátis!



Chargista Amarildo

Imagem da Matéria

A frase do título é famosa, muita gente repete, entretanto, quando falamos de internet, de redes sociais e de modismos, parece que uma grande parte das pessoas esquece disto.

Entre tantos aplicativos do momento, há um em especial que vem tomando conta da cena do mercado e do gosto popular: O FaceApp.

Sim, aquele aplicativo dentro do Facebook que transforma o seu rosto em mais velho 40 anos. Inúmeras pessoas fazem a “brincadeira” de transformar-se em mais velho, incluindo advogados que postam sua foto de agora dizendo “Protocolada a inicial” e a foto gerada pelo aplicativo bem mais velho dizendo “Alvará recebido”.

Parece divertido, mas por que um aplicativo daria, de graça, esta brincadeira aos usuários de facebook?

Releia o título: Não existe almoço grátis! Ele não dá de graça a brincadeira. Ele cobra, e muito caro por ela.

Como assim?

O óbvio é que a foto em si, que é enviada ao servidor deles para ser tratada e posteriormente entregue com a “máscara da velhice”. Só com isto, ele sabe quem você é no Facebook, tem sua foto confirmada que é você, e muitos outras informações que você sequer sabe que deu a Facebook. Tal porque ao aceitar o contrato on line de adesão com eles, pouquíssimas pessoas leem o que está escrito.

Todos são bonzinhos, certo? Ou como é o lema do Google: “Não seja mau”...

Não é bem assim. Veja aqui uma lista de informações que você autoriza o FaceApp a receber para ter a foto mais velho, além da foto, por óbvio:

1. Páginas da web visitadas por você;

2. Log file (ou seja, registro do que é feito no seu computador);

3. Identificador do dispositivo (computador ou celular) com poderes para acessar, coletar, monitorar e instalar programas que monitorem o dispositivo.

É o suficiente para se preocupar? Ainda não?

Então leia atentamente os termos de aceite do aplicativo e veja que ele pode, além de ter todos os dados enumerados acima, divulgar os dados com ele (quem fabrica este App?) com empresas parceiras (quais são?) e com convênios governamentais…

Ou seja, a sua foto e todos os dados do seu computador e/ou celular podem agora estar abastecendo as empresas que vendem ao governo softwares de rastreamento de rostos, aumentando a precisão destes e mais, pegando fotos e informações de outras pessoas que estão nestes aparelhos…

Não existe aplicativo ou almoço grátis. Sempre se paga e quando não se lê, quando apenas curtimos o efeito manada das redes sociais, acabamos por entregar muito mais do que uma foto, mas uma vida inteira de informações contidas em nossos celulares ou computadores.

#PraPensar


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O uso da Inteligência Artificial no Brasil

“Tramita no Senado Federal o Projeto de Lei nº 5051/2019. A ideia é interessante, embora legislar sobre este tema seja mais complexo do que dar palavras a um texto. Basta analisar o texto sugerido, e percebemos situações teratológicas destoantes da realidade fática”.

   E o cartório, como fica?

 

E o cartório, como fica?

“Vêm aí os robôs que automatizam funções cartorárias. Eles mandarão e desmandarão, 24 horas por dia, sete dias por semana”.

Imagem Inmetrics.com.br

Privacidade custa caro!

 

Privacidade custa caro!

“Devemos estar atentos à Lei Geral de Proteção de Dados que entra em vigor em agosto de 2020. Dirão alguns que ´falta mais de um ano para a lei entrar em vigor, temos tempo´ etc... Ledo engano! Basta ler a lei para perceber que as adequações necessárias a empresas, incluindo escritórios de advocacia, será grande. Urge começar o quanto antes”.

Imagem YouTube

O que é verdade?

 

O que é verdade?

“Temos acompanhado os debates sobre supostas conversas de juízes e procuradores. O foco aqui é debater a respeito de como obter a verdade em tempos de redes sociais, saites, internet e fake news”.

A regra é estar em constante movimento!

“A França proíbe a divulgação de informações estatísticas sobre as decisões de juízes, numa lei que prevê até cinco anos de prisão. No Brasil, o aplicativo ´Supremo em Ação´ mostra, na palma da mão, como votam os 11 ministros do STF”.