Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/on_off_2.jpg

Não existe almoço grátis!



Chargista Amarildo

Imagem da Matéria

A frase do título é famosa, muita gente repete, entretanto, quando falamos de internet, de redes sociais e de modismos, parece que uma grande parte das pessoas esquece disto.

Entre tantos aplicativos do momento, há um em especial que vem tomando conta da cena do mercado e do gosto popular: O FaceApp.

Sim, aquele aplicativo dentro do Facebook que transforma o seu rosto em mais velho 40 anos. Inúmeras pessoas fazem a “brincadeira” de transformar-se em mais velho, incluindo advogados que postam sua foto de agora dizendo “Protocolada a inicial” e a foto gerada pelo aplicativo bem mais velho dizendo “Alvará recebido”.

Parece divertido, mas por que um aplicativo daria, de graça, esta brincadeira aos usuários de facebook?

Releia o título: Não existe almoço grátis! Ele não dá de graça a brincadeira. Ele cobra, e muito caro por ela.

Como assim?

O óbvio é que a foto em si, que é enviada ao servidor deles para ser tratada e posteriormente entregue com a “máscara da velhice”. Só com isto, ele sabe quem você é no Facebook, tem sua foto confirmada que é você, e muitos outras informações que você sequer sabe que deu a Facebook. Tal porque ao aceitar o contrato on line de adesão com eles, pouquíssimas pessoas leem o que está escrito.

Todos são bonzinhos, certo? Ou como é o lema do Google: “Não seja mau”...

Não é bem assim. Veja aqui uma lista de informações que você autoriza o FaceApp a receber para ter a foto mais velho, além da foto, por óbvio:

1. Páginas da web visitadas por você;

2. Log file (ou seja, registro do que é feito no seu computador);

3. Identificador do dispositivo (computador ou celular) com poderes para acessar, coletar, monitorar e instalar programas que monitorem o dispositivo.

É o suficiente para se preocupar? Ainda não?

Então leia atentamente os termos de aceite do aplicativo e veja que ele pode, além de ter todos os dados enumerados acima, divulgar os dados com ele (quem fabrica este App?) com empresas parceiras (quais são?) e com convênios governamentais…

Ou seja, a sua foto e todos os dados do seu computador e/ou celular podem agora estar abastecendo as empresas que vendem ao governo softwares de rastreamento de rostos, aumentando a precisão destes e mais, pegando fotos e informações de outras pessoas que estão nestes aparelhos…

Não existe aplicativo ou almoço grátis. Sempre se paga e quando não se lê, quando apenas curtimos o efeito manada das redes sociais, acabamos por entregar muito mais do que uma foto, mas uma vida inteira de informações contidas em nossos celulares ou computadores.

#PraPensar


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Imagem Inmetrics.com.br

Privacidade custa caro!

 

Privacidade custa caro!

“Devemos estar atentos à Lei Geral de Proteção de Dados que entra em vigor em agosto de 2020. Dirão alguns que ´falta mais de um ano para a lei entrar em vigor, temos tempo´ etc... Ledo engano! Basta ler a lei para perceber que as adequações necessárias a empresas, incluindo escritórios de advocacia, será grande. Urge começar o quanto antes”.

Imagem YouTube

O que é verdade?

 

O que é verdade?

“Temos acompanhado os debates sobre supostas conversas de juízes e procuradores. O foco aqui é debater a respeito de como obter a verdade em tempos de redes sociais, saites, internet e fake news”.

A regra é estar em constante movimento!

“A França proíbe a divulgação de informações estatísticas sobre as decisões de juízes, numa lei que prevê até cinco anos de prisão. No Brasil, o aplicativo ´Supremo em Ação´ mostra, na palma da mão, como votam os 11 ministros do STF”.

Google Imagens

Conectados, interdependentes e sem privacidade!

 

Conectados, interdependentes e sem privacidade!

“A recente notícia da criação da moeda virtual Libra, pelo Facebook, criou um alvoroço na Europa. Já há países pedindo pareceres aos bancos locais sobre o possível impacto desta criptomoeda no mercado e o quanto isto pode, ou não, ser prejudicial à economia