Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 11 de outubro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/smj.jpg

Detentos recusam Eduardo Cunha como árbitro do campeonato dos times da cadeia



Arte de Camila Adamoli sobre caricatura de Queiroz Carvalho

Imagem da Matéria

 Juiz ladrão!

Na penitenciária de Bangu, no Rio – onde parte da turma da Lava-Jato está presa – realiza-se desde a semana passada um campeonato formado por 12 times de reclusos. Um deles – o notório Sérgio Cabral - foi impedido, pelas normas oficiais do cárcere, de jogar. É que ele está no isolamento.

O também saliente Eduardo Cunha alegou “falta de disposição” para jogar, mas ofereceu-se para atuar como juiz futebolístico. Foi vetado jocosamente pelos times, sob o argumento “de lisura não confiável”.

Transitou em julgado pelas regras vigentes na cadeia.

• Recebendo o meritíssimo

A reforma da Previdência exigiu cautelas do Judiciário para não perder direitos e benesses. Na reta semifinal do primeiro turno, o relator da reforma, Samuel Moreira (PSDB-SP) recebeu um telefonema originado no STF.

Era o ministro Alexandre de Moraes pedindo ao relator para receber um representante de uma entidade que representa magistrados brasileiros. Aconteceu.

• Cabrais e os descobrimentos

No ano 1.500, Cabral, o navegador, descobriu o Brasil. Em 2019, Cabral, o governador larápio, está procurando descobrir quem pode ajudá-lo a assinar uma delação premiada.

Após um inexitoso contato com o Ministério Público - que deu um imediato não – os advogados do ex-governador carioca estão tentando com a Polícia Federal.

• Políticos, dinheiro! Macacos, bananas!...

O relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias, deputado Cacá Leão (PP-BA), saiu-se com uma pérola para tentar explicar o ataque (ou seria, mesmo, atraque?) ao bolso do contribuinte.

De modo simplório e transparente chancelou que “foi uma reivindicação de quase todos os partidos”. Como se sabe, o inchaço financeiro – se aprovado - elevará os gastos com os partidos de R$ 1 bilhão e 700 milhões para R$ 3 bilhões e 700 milhões.

O jornalista carioca Ascânio Seleme saiu-se, em sua coluna dominical em O Globo, com uma tirada irônica, mas pertinente: “Se o deputado Leão perguntasse a todos os macacos dos zoológicos de país se eles gostariam de ganhar mais bananas grátis, certamente quase todos os primatas responderiam que sim”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte EV sobre fotos Camera Press

Uber condenada a ressarcir bens esquecidos num veículo

 

Uber condenada a ressarcir bens esquecidos num veículo

• O motorista confirmou ter encontrado dois celulares e objetos de maquiagem, mas a devolução não ocorreu.

 Nova condenação de Sérgio Cabral eleva as penas a 266 anos.

 Advogado de Lula defenderá senegalês acusado de corrupção nas Olimpíadas de 2014.

• Sargento da FAB preso com cocaína isenta os demais tripulantes.

Pintura de Nick Mancini

Ironia das redes sociais: anulação do julgamento de Tiradentes, porque o delator falou por último

 

Ironia das redes sociais: anulação do julgamento de Tiradentes, porque o delator falou por último

 Ao ser enforcado em 1972, o herói brasileiro não tinha desfrutado do pleno direito de defesa...

 Como a morte é irreversível, a reparação moral seria uma Medalha Suprema, a ser entregue aos herdeiros vivos.

 Gretchen vai ajudar estudantes nos preparativos para o ENEM.

 Doleira Nelma Kodama já está sem tornozeleira.

 Lembrete: a história dos 200 mil euros levados na calcinha.

  Wesley e Joesley Batista também livres das tornozeleiras.

Imagem de Simon Matzinger - Montagem/edição: Gerson Kauer

As relações humanas se renovam e nos surpreendem a todo momento

 

As relações humanas se renovam e nos surpreendem a todo momento

 Direito, ou não, à pensão previdenciária quando as três pessoas estão envolvidas num casamento e numa relação homoafetiva paralela.

 O STF está decidindo (5x3 até agora) a partir de dois âmbitos jurídicos: o Código Civil e a lei previdenciária.

 O presidente Dias Toffoli pediu vista. Dois ministros ficaram ausentes.

 Como se chama um caso assim? É triângulo biafetivo, ou triângulo homo e heteroafetivo?

Reprodução das redes sociais

A incorporação de um mascote na rotina cartorária

 

A incorporação de um mascote na rotina cartorária

 As repercussões de uma ação lentíssima que começou em 2006 e ainda está longe do fim.

 Digressões sobre o primeiro bichinho de pelúcia de que se tem notícia: foi uma homenagem ao 26º presidente dos EUA, Theodore Roosevelt.

• Tartaruga sinaliza processos que, em pilhas, aguardam juntadas na 1ª Vara Cível de Bento Gonçalves.