Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 14 de julho de 2020.

A saudável união das atividades dos advogados com a dos tabeliães de notas



Por Rodrigo Werlang Isolan, tabelião substituto do 3º Tabelionato de Notas de Caxias do Sul/RS (*)
rodrigo@cartoriomarioferrari.com.br

Têm os advogados por força legislativa (Lei nº 8.906/1994) a função privativa de consultoria, assessoria e direção jurídica, prestando um serviço público e exercendo assim a sua nobre função social. E os tabeliães de notas, com a fé pública inerente da sua atribuição, dão forma legal aos documentos que lhe são submetidos, revestindo-os de autenticidade, (leia-se fé pública), nos termos de suas incumbências, disciplinadas na Lei nº 8.935/1994.

Estas atividades se demonstram essenciais à organização da vida em sociedade pelos seus próprios fins.

Assim, da imprescindibilidade de suas atribuições, já podemos ver que não é apenas o ano de suas atinentes legislações que são convergentes.

Ademais, quando analisamos a definição de suas atuações (direção jurídica – elaboração de documentos – autenticidade) confirmamos a clara direção a um ponto comum de ação em prol da sociedade, gerando a evidente e saudável compatibilidade de suas funções.

Este consórcio de atividades é relevante desde sempre, com os advogados assessorando seus clientes e junto aos tabeliães de notas, direcionando os instrumentos que serão lavrados, consolidando a manifestação da vontade das partes, prevenindo e resolvendo litígios.

A consultoria prestada às partes pelos advogados e o revestimento da fé pública aos documentos que são submetidos aos tabeliães de notas visa, em última análise, a garantia de direitos fundamentais dos cidadãos, sejam eles de propriedade, herança, família etc.
Inclusive o legislador sabe da importância desta conexão ao editar contemporâneas leis que atribuem novas funções aos notários, sempre com a participação dos advogados.

Como podemos ver, ainda, esta hodierna forma de deliberações extrajudiciais com a interveniência de advogados, de questões antes judiciais, vem ganhando força em nosso sistema jurídico, como ocorreu com a publicação da Lei nº 11.441, de 04 de janeiro de 2007 que oportunizou os inventários, separações e divórcios de forma administrativa.

Destarte, reforçando a tese, por meio do artigo nº 1.071 do Novo CPC, instituído pela Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015, que inseriu o art. 216-A na Lei nº 6.015/1973 (Lei dos Registros Públicos), foi autorizada a realização de reconhecimento extrajudicial de usucapião, por intermédio de representação de advogado.

Por conseguinte, segue a força desta convergência de atuação quando reconhecida pelo próprio Conselho Nacional de Justiça, em seu Provimento nº 67, de março de 2018, que disciplina a realização da mediação nos Serviços Notarias e Registrais, com a possibilidade de as partes estarem assistidas por advogados quando da realização destas conciliações, visando a igualdade das partes.

A confluência das profissões resta, como podemos confirmar, evidente e salutar, garantindo aos cidadãos uma maior segurança jurídica na combinação de conhecimentos e esforços destes profissionais em benefícios da sociedade. São eles verdadeiros geradores de paz social, prevenindo e resolvendo extrajudicialmente litígios ou providências administrativas, desafogando nosso sobrecarregado sistema jurídico.

Desta forma, verificamos que a combinação destas atividades são imprescindíveis as relações interpessoais existentes ou que venham a existir, sejam elas de que natureza forem. Creio que ainda virão novas normas convergindo ainda mais os tabeliães de notas e os advogados, pois desta união quem ganha é a sociedade.

>>>>>>>>>>

(*) O autor é bacharel em Direito, especialista em Direito Notarial e Registral, e professor convidado da UCS – Farroupilha.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

E me disseram que “o Judiciário do RS não para”...

“Se ele não parou, vem andando lentamente. O Rio Grande do Sul é o Estado mais atrasado e com inexpressivo número de feitos no e-proc. É preciso colocar na plataforma eletrônica 3,5 milhões de processos físicos espalhados nas centenas de fóruns no RS e nos gabinetes do  TJRS. A normalização demoraria dez anos”. Artigo do advogado Luiz Fernando Tubino.

A criatividade, dentro da legalidade: a rotina de um juiz na quarentena

“Home office, do meio para o fim a conexão começa a vacilar. Muitos colegas enfrentam o mesmo problema. O microfone falha, a conexão cai, um advogado fica sem áudio. A saudade de fazer audiências presenciais e retomar a rotina é grande”. Artigo de Frederico Monacci Cerutti, juiz do Trabalho da 2ª Região (SP).

O novo ministro do Supremo Tribunal Federal

“Pesquisa recente sobre indicação de membros para o STF, no livro ´Supremo Interesse´, indica, sintomaticamente, que muito tem crescido o número de ministros cuja origem tenha sido em proximidades ou em cargos federais. Cerca de 60% entre 1988 e hoje”. Artigo de Joaquim Falcão, advogado e professor de Direito Constitucional da FGV/Rio.

Charge: Cazo

O período de quarentena e a união estável

 

O período de quarentena e a união estável

“Ter companhia para assistir filmes, fazer exercícios físicos, ver o dia passar, é sempre uma boa pedida. No entanto, há reflexões: alguns podem, definitivamente, resolver juntar ´os trapinhos´, enquanto em outros surgirá o medo de que a convivência estabelecida seja interpretada como o início de uma união estável”. Artigo da advogada Debora Ghelman.

Foto: Visual Hunt - Arte EV

Ressuscitem Churchill !

 

Ressuscitem Churchill !

“As pessoas estão esgotadas. Bandeiras... - ninguém atura mais esse discurso. Bandeira vermelha só no Beira Rio. E preta é lá no Corinthians. O pico já subiu e desceu inúmeras vezes. Isso parece filme pornô. Desculpem a ironia...” Artigo de José Aquino Flores de Camargo, ex-presidente do TJRS e advogado (OAB/RS nº 12.586)