Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,13 de dezembro de 2019.

A cada 10 smartphones brasileiros, um está infectado por malware



Um em cada dez smartphones brasileiros está infectado por um tipo de malware invisível. Ele vem de aplicativos baixados inocentemente pelos usuários e transforma o telefone numa espécie de zumbi digital, clicando sub-repticiamente em anúncios e serviços premium e ganhando dinheiro para os hackers que o criaram. O alerta é de Guy Krief, diretor executivo da empresa britânica de cibersegurança Upstream.

Atualmente há, no Brasil, 230 milhões de smartphones em uso, conforme dados da FGV-SP. E, segundo a Upstream, quase 23 milhões desses aparelhos estão com esse tipo de malware instalado.

Krief informou que “o Brasil é o número 1 em infecções de aplicativos para fraudes em anúncios, dentre os 16 países onde investigamos essa modalidade de malware” - em entrevista publicada pelo jornal O Globo, em sua edição dominical. No texto, o jornalista André Machado informa que “de todas as transações móveis fraudulentas bloqueadas pela Upstream, 80 vêm do Brasil”.

Quinze infecções por minuto

Guy Krief, que esteve recentemente em Rio e São Paulo para reuniões com operadoras descreve o ritmo estonteante das infecções: são 152 mil novas delas por semana, 21 mil por dia, 910 por hora e 15 por minuto.

“O sistema operacional Android é o alvo de 99,9% dessas infecções” - explica Krief. “Há milhões de apps na Google Play, e a grande diferença entre o Android e o iOS, dos iPhones, é que o Google não consegue verificar todos os aplicativos”.

Além disso, explica, diferentemente do iOS, o Android também tem lojas de apps de terceiros, o que o torna ainda mais inseguro. Então, se um app é removido da Play Store, ele ainda pode aparecer numa outra loja no Android e ser baixado, contaminando o telefone.

Ele aponta que, entre os aplicativos que mais geram ou geraram as fraudes, estão softwares de origem chinesa como VidMate e Weather Forecast, além do 4Shared. E esse processo de fraude em anúncios por apps que operam sem o usuário perceber gera dinheiro, com faturas legais, impostos pagos e tudo.

Sintomas “quentes” no celular

Os principais sintomas de que o smartphone está infectado são, além da conta mais cara no fim do mês, a temperatura do aparelho (fica sempre quente) e a vida curta da bateria (que rapidamente se descarrega). Para se prevenir contra a contaminação é preciso, antes de baixar qualquer app, ver se o desenvolvedor é conhecido e verificado. E ir até a página do aplicativo na web dar uma olhada nos reviews sobre ele.

“Se for um aplicativo falso, você verá um monte de reviews dizendo que ele é maravilhoso, funciona bem, com cinco estrelas etc. Mas desça na página e logo verá as denúncias de que ele é um golpe, de como realmente trabalha - explica Krief. E, ao instalá-lo, o celular pedirá permissões para o app. Verifique-as".

Por exemplo, um app de previsão do tempo não tem de pedir permissão para fazer chamadas ou mudar configurações. Ou para acessar todos os dados do telefone. Assim, nunca se deve aceitar tais permissões. Seria como dar as chaves de sua casa a um estranho.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Camera Press

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

 

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

Uma pesquisa recém concluída diz que um algoritmo da plataforma da empresa subsidiária do Google recomendou um vídeo inocente de menina brasileira, de dez anos de idade, a usuários de conteúdo sexual. “Fiquei assustada com os milhares de visualizações” – diz a mãe da criança. As informações são do jornal New York Times.

CNJ sofre ataque de hacker

A invasão foi feita por uma pessoa que se intitula “Aline 1”.  Dados (nomes completos, números de contas bancárias, telefones, CPFs e senhas) de milhares de pessoas foram vazados.

Multa de R$ 2.4 milhões ao Facebook

Informações de, no mínimo, 1 milhão de britânicos foram vazadas. A empresa falhou em lidar com a questão, mesmo após ter sido alertada.