Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta-feira ,14 de novembro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/smj.jpg

Dias Toffoli diz que “os ministros do Supremo têm que ter couro” para aguentar críticas



Charge de Roque Sponholz – Humor Político

Imagem da Matéria

• Verso

Na noite de domingo (30), Jair Bolsonaro festejou a amplitude das manifestações populares: “Respeito todas as instituições, mas acima delas está o povo, meu patão, a quem devo lealdade”.

 Reverso

Na tarde de segunda-feira (1º), deputados criticaram o apoio do presidente às passeatas. E vieram com o parágrafo único do artigo 1º da Constituição: “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”.

 “Tem que ter couro

Também na tarde de segunda-feira (1º), o presidente do STF, Dias Toffoli fez a sua análise das passeatas de domingo, tentando minimizar a pressão das ruas: “Os ministros do Supremo têm que ter couro e têm que aguentar qualquer tipo de crítica. Quem está no STF está, todo dia, numa ´tropa de elite´ com todo mundo falando ´pede pra sair´”.

• A janela em cima do muro

A prisão em segunda instância pode ser julgada este ano – ou... não. Embora o assunto não esteja na agenda de pautas do Plenário para o período agosto/dezembro, Toffoli diz que “o tema pode ser incluído em uma ´janela´ deixada no calendário. Ainda vamos analisar”.

Ou seja: a matéria será pautada de acordo com o calor ou frio político – e as vozes das ruas também.

•  “Tanta coisa pra fazer”

No mesmo evento, o presidente do STF não quis comentar a ação do Intercept e os diálogos entre Sérgio Moro e Deltan Dallagnol: “Não vou falar sobre isso. Mal tenho lido essas questões, tem tanta coisa para fazer, você acha que dá tempo de ver essas questões? Não dá – afirmou”.

 Procurador entendido

O procurador estadual do Rio de Janeiro Renato Saad, preso ontem (1º) por receber propina (POBRE RIO!) de R$ 1,3 milhão da Odebrecht é autoridade em escritos jurídicos sobre ilicitudes.

Este ano Saad lançou um livro que é um compêndio de doutrina e jurisprudência. A obra (não a do metrô, via Odebrecht) jurídica tem o título “O Ato llícito e a Responsabilidade Civil do Estado”.

Ontem mesmo, a “rádio-corredor” da OAB carioca lançou uma provocação: “Futuramente espera-se o lançamento de O Ato Ilícito e a Responsabilidade Civil e Penal do Procurador do Estado´”.

Faz sentido.

•  O desvio e o de$vio...

Segundo o MPF, Renan Saad - que atuava no setor jurídico da Secretaria de Transportes do Rio - recebeu a propina da Odebrecht para dar parecer favorável à mudança de traçado da Linha 4 do metrô, o que encareceu as obras.

Orçada inicialmente em R$ 880 milhões (em 1998) com os acréscimos e aditamentos seu custo teve um salto olímpico com direito a medalha de ouro: passou para R$ 10 bilhões.

Típico caso em que o desvio (com ´s´) do trajeto terminou proporcionando um de$vio com cifrão. Ou cifrões.

• Los hermanos y la isla...

O jornalista José Casado contou, em O Globo, como foi que “o Brasil” (?), há nove anos, decidiu doar a Cuba cerca de 10% do seu PIB: US$ 4,9 bilhões.

Lula reuniu seis ministros em Brasília às vésperas do Carnaval de 2010 e liberou a verba.

A publicação acrescenta que não há qualquer registro público oficial a respeito disso. Mas havia, claro, uma empreiteira brasileira interessada em fazer obras no Exterior. As fontes do jornalista são técnicos do Tribunal de Contas da União que examinaram a papelada do caso, apontado como “decisão de Estado”.

• Abaixo as chatas!

O Idec Instituto de Defesa do Consumidor sugeriu ontem (1º) à Anatel uma série de medidas para limitar o abuso de chatas chamadas de telemarketing, que são interrompidas logo que o caro leitor atende, e/ou veiculam mensagens de interesse zero.

A sugestão é para que só possam ser desfechadas ligações aos assinantes que, previamente, autorizarem o serviço, e desde que haja limitação de horários. Resta saber se a Anatel vai se agilizar, ou se fará as vezes de tartaruga telefônica. A conferir.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

MTV Movie Awards – Divulgação-1993

A terra treme em um dos maiores escritórios de advocacia do Brasil

 

A terra treme em um dos maiores escritórios de advocacia do Brasil

 Proposta indecente. Uma versão brasileira do filme que fez sucesso em 1993 com o “triângulo” vivido por um casal em dificuldades financeiras e um milionário que despejava dinheiro em Las Vegas (EUA).

No Brasil, usando as redes sociais, um executivo diz que sua ex-esposa transou com um dirigente de famosa banca advocatícia para que ela fosse aceita como sócia.

Relacionamento amoroso não dá direito a carteira assinada

Justiça do Trabalho analisou a contratação, pelo dono de um bar, de mulher para “serviços gerais”.

 Silêncio da Corregedoria no caso do município que se encontra em “lugar incerto e não sabido”

• Preço do metro quadrado em apartamentos de alto padrão, em Porto Alegre, é o terceiro mais caro do Brasil.

 R$ 1 milhão por mês: o custo da embaixada do Brasil nos EUA.

 Claro condenada por ligações abusivas: 60 chamadas, em três dias, para o celular de idosa de 91 anos.

Arte de Camila Adamoli - Foto Jornal Visão Regional

Devedor do Banrisul por sete anos

 

Devedor do Banrisul por sete anos

 Em Ibirubá (RS), comarca de única vara, juiz declara-se suspeito de jurisdicionar ações a favor ou contra o Banrisul.

 Todos os processos em que o banco é parte serão redistribuídos aos magistrados substitutos de tabela, em comarcas vizinhas.

 Nomeação de neto de Tarso Genro para assessor de juiz não significa nepotismo.

Prefeitura de Xangri-lá (Divulgação)

Diário da Justiça diz que Xangri-lá está “em lugar incerto e não sabido”...

 

Diário da Justiça diz que Xangri-lá está “em lugar incerto e não sabido”...

 O atraente município gaúcho praiano está sendo citado por edital para pagar uma dívida de R$ 3.782,45.

• Ação penal vagarosa: hoje (21.10.2019) completam-se 13 anos do homicídio do escrivão Paulo César Ruschel, em Novo Hamburgo.

 Rodrigo Janot arrepende-se de ter nominado que o “tiro na cara” seria para Gilmar Mendes.

 Nomeação do advogado Fernando Marcel Genro Robaina para cargo em comissão de assessor de juiz, em Porto Alegre.

Contra, ou a favor?

Relembre como cada um dos onze ministros do STF já se posicionaram sobre a prisão após a condenação em segunda instância.