Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019

O folclórico “Doutor Dovandro”



Montagem meramente ilustrativa do EV sobre Imagem do Blog da EMAGIS

Imagem da Matéria

Por Sérgio Souza de Araújo, ex-escrivão da 7ª Vara Cível de Porto Alegre
sergiosouzaaraujo@gmail.com

Atualmente está em voga, nos meios jurídicos, a palavra suspeição. Sua utilização se dá de modo amiúde em processo de enorme repercussão nacional.

No caso concreto, a arguição de suspeição tem como destinatário o juiz de primeiro grau de jurisdição, o qual, por sua atuação no feito, é ferrenhamente vergastado pela parte ré. Decisão a respeito de tal incidente ainda não foi prolatada pela Corte Suprema.

O episódio me fez lembrar do “Dr. Dovandro”, conhecido e folclórico advogado militante do Foro Central de Porto Alegre nas décadas de 1980 a 2000. Advogado de escassa cultura jurídica, mas, de enorme disposição para o embate, mesmo que este não tivesse qualquer possibilidade de êxito.

A refrega estava no DNA do referido causídico que abusava, modo inadequado, da "incidental de suspeição", em detrimento dos recursos próprios e permitidos pela legislação vigente.

O “Doutor Dovandro” não tinha qualquer receio de arguir a suspeição do juiz, do Ministério Público, do defensor público, dos auxiliares da justiça - escrivão, oficial de justiça, avaliador, perito, etc.

Não me recordo de vê-lo sagrar-se vencedor em nenhuma de suas incabíveis arguições. Mas o homem não desistia, e por isso ficou alcunhado de o "rei da suspeição vazia".


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Não há como definir raça negra de modo objetivo

“Mais exequível para facilitar o ingresso nas universidades públicas de modo justo seria ter critérios de baixa renda familiar”.
Artigo de Roberto Lent, professor emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Minhas decepções com a OAB de São Paulo!

Em artigo, a advogada Adriana Cristina Silveira Kuwana diz do orgulho que tem por sua profissão. Mas critica os dirigentes (“generais”) que ficam longe das batalhas por prerrogativas, e o poder que a Ordem paulista está dando a tesoureiros, estagiárias e recepcionistas.

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

 

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

“Um julgado do TJRS, confirmado pelo STJ, sintetiza a via crucis de quem acreditou nas promessas de uma assessoria tributária: 1) A empresa devia ICMS; 2) Comprou precatórios para pagar o débito; 3) Não conseguiu quitar; 4) Foi inscrita na Serasa; 5) Sofreu penhoras e sequestros bancários; 6) Voltou a pagar o ICMS devido; 7) Ao final, ficou com os títulos de precatórios literalmente na mão!”. Artigo do advogado Telmo Ricardo Schorr (OAB-RS nº 32158).