Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,03 de dezembro de 2019.

Para desarquivar, primeiro pagar. Depois esperar. E reclamar...



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

Ao
Espaço Vital

Ref.: Interdição do Arquivo Judicial, demora na recuperação e prejuízos às partes e advogados.

Sou advogado atuante na comarca de Novo Hamburgo. Em 6 de maio deste ano fui contratado para fazer uma retificação nos autos de um inventário (Proc. nº 019/1.08.0017448-8).

Ao consultar o processo, constatei que o mesmo se encontrava arquivado no Arquivo Central Judicial. Peticionei pelo seu desarquivamento, com o pagamento antecipado da taxa devida.

Foi solicitado pelo cartório da 2ª Vara Cível de Novo Hamburgo o desarquivamento e remessa para a comarca, para o seu andamento.

Como estava demorando, contatei diretamente o Arquivo Central Judicial e para minha surpresa, lá me informaram que “não há previsão para que o processo seja desarquivado”. A explicação: “O prédio onde se encontram os autos guardados - unidade da Avenida das Indústrias nº 1.759 - está interditado por problemas estruturais, sendo proibido o acesso ao mesmo”.

Acredito não ser apenas este processo prejudicado, imaginando existirem outros na mesma situação.

Como se trata de um inventário, com a viúva inventariante em idade avançada, preciso realizar a retificação com urgência, não podendo esperar “sine die” para que a repartição judicial seja recuperada e os autos sejam desarquivados.

Tornando pública esta deficiência de atendimento e inexistência de prazo para a solução, imagino que o TJRS vá imediatamente saná-la, além de prestar gentis esclarecimentos aos usuários dos serviços jurisdicionais.

Atenciosamente,

Ricardo Franck, advogado (OAB-RS nº 17604).
ricardocfranck@gmail.com

Nota do editor – Leia, nesta mesma edição do Espaço Vital, outros detalhes sobre a interdição de uma das unidades do Arquivo Judicial. Clique aqui.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli com caricaturas de Frank Maia (Humor Político)

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um  ato judicial

 

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um ato judicial

Demora no pagamento de um alvará judicial encaminhado para “apreciação e controle do núcleo jurídico do BB”. E a concordância da juíza da causa:“Deverá o autor aguardar os trâmites internos do banco depositário para liberação do valor”. Leia os detalhes em “Carta de Leitor”, enviada pelo advogado Gastão Bertim Ponsi.

Divulgação

A Deusa Gaúcha da Justiça

 

A Deusa Gaúcha da Justiça

“Uma mulher cabelo indígena, com folha de trevo de quatro pétalas ao cabelo; rosto sem venda (símbolo da clareza e do conhecimento); busto da índia guarani missioneira, vestida de prenda”. A proposta é do advogado Eliseu Holz.