Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

Plebiscito anticorrupção



Amarildo.wordpress.com.br

Imagem da Matéria

Por Modesto Carvalhosa, jurista (*)

Na semana passada, assistimos a diversas manobras políticas de proteção aos corruptos, a mais recente do Senado, que aprovou a toque de caixa projeto para intimidar promotores, procuradores e magistrados, facilitando sua punição por abuso de autoridade.

Trata-se do mesmo roteiro lesa-pátria visto quando da votação das 10 Medidas contra a Corrupção, cujo projeto de iniciativa popular, com milhões de assinaturas, foi transformado numa série de normas de criminalização dos membros da Operação Lava-Jato.

Não há, com efeito, nenhuma possibilidade de o Pacote Anticrime prosperar num Parlamento cujas principais agremiações estão enlameadas até a alma em negociatas do mais abjeto fisiologismo.

Ainda que só 82 congressistas estejam sendo processados no STF, o fato é que os 11 “tradicionais” partidos do célebre quadrilhão barram qualquer providência que possa agravar as penas pelos crimes de seus dirigentes.

Nesse quadro corruptivo, estão os partidos da base dos governos petistas, quais sejam, o próprio PT, o atual MDB, o PP, o PROS, o PRB, o PCdoB, o PDT, o PR e o PSD, além do PSDB e do DEM, valendo assinalar que há poucos dias vários “líderes” do PP se tornaram réus perante a Suprema Corte, o que também se espera aconteça com outros cleptocratas daquelas legendas.

Por isso, não haverá surpresa se aproveitarem o Projeto de Lei Anticrime para acabar de vez com a Lava-Jato, inclusive criando, por um substitutivo geral, tipos penais ainda mais severos para delegados, promotores e juízes que cumpram com seus deveres.

Mas esse conflito entre, de um lado, a sociedade civil, que clama por segurança pública e pela moralização dos costumes políticos, e, de outro, os partidos corruptos que infelicitam o Brasil, pode ser resolvido pelo povo.

Refiro-me precisamente ao plebiscito.

Sim, porque o povo continua a ter a inafastável prerrogativa de se manifestar diretamente, por meio de plebiscito, a exemplo do que acontece em todos os países democráticos do mundo. Sabemos que, sem a nossa pressão, o Congresso nunca vai aprovar medidas que possam representar uma ameaça aos profissionais da política.

É a hora, pois, de nos engajarmos pela convocação do plebiscito com base no qual caberá ao povo dizer se quer ou não o Pacote Anticrime. Basta que membros de qualquer das duas Casas Legislativas, verdadeiramente comprometidos com o bem público, em altaneira desobediência aos “donos do poder”, atendam ao disposto nos arts. 14 e 49, XV, da Constituição e na Lei 9.709/98, de modo que a cidadania brasileira então decida sobre tema de tanta relevância e urgência.

Esta é mais uma bandeira fundamental que precisamos erguer nas manifestações populares de hoje.

Mãos à obra!

(*) Artigo originalmente publicado em O Globo. Para ler diretamente na origem, clique aqui.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Como bater metas do CNJ com três requisitos

“Juizite em Passo Fundo, onde a juíza (1º) identificou demandas com objetos semelhantes; (2º) criou um empecilho ao direito de ação; (3º) fez um modelo de decisão para aplicar em bloco, sem analisar as causas especificamente”. Artigo do advogado Israel Berardi.

Arte de Camila Adamoli sobre foto Camera Press

Os riscos de revogação parcial da CLT

 

Os riscos de revogação parcial da CLT

“Advogados alertam o deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS), relator da minirreforma trabalhista. É grave a proposta de retirar-se a marca da solidariedade que sempre acompanhou a figura do grupo econômico trabalhista, cujo objetivo consiste na garantia de solvabilidade dos créditos trabalhistas, de índole essencialmente alimentar”. Artigo da advogada Sheila Belló (OAB-RS nº 10.238).

A quem interessa a liberação do tráfico de drogas?

“A tentativa de liberar o tráfico (sim, a venda) de drogas é lugar comum em setores do Judiciário gaúcho (...) São decisões que subvertem a ordem jurídica, ao assegurar a impunidade da narcotraficância”. Artigo de Gustavo Ronchetti, promotor de justiça em Porto Alegre.

Contrato intermitente: um universo de dúvidas e poucas respostas

“A reforma trabalhista de 2017 trouxe à legalidade uma modalidade de contratação há muito praticada na informalidade: o contrato intermitente. Este, em resumo, cria a possibilidade da prestação de serviço de maneira esporádica, mediante convocação. O trabalhador receberá seu salário somente pelo tempo efetivamente trabalhado, nada ganhando pelo período inativo”. Artigo dos advogados Bruno R. Gobbi e Alfeu Martins (OAB-PR).

A saudável união das atividades dos advogados com a dos tabeliães de notas

“A confluência das profissões resta evidente e salutar, garantindo aos cidadãos uma maior segurança jurídica na combinação de conhecimentos e esforços destes profissionais, em benefício à sociedade”. Artigo de Rodrigo Werlang Isolan, tabelião substituto do 3º Tabelionato de Notas de Caxias do Sul (RS).