Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 11 de outubro de 2019.

Franqueadora é isenta de pagar direitos trabalhistas de empregado de franqueada



Decisão da 9ª Turma do TRT-RS dispôs que "em se tratando de relação de franquia, não cabe cogitar da responsabilidade solidária/subsidiária da franqueadora, a não ser que os elementos de prova apontem para a sua efetiva ingerência sobre a atividade da franqueada, ou que lhe resulte benefício direto com a licença de uso da marca e prestação de serviços daí advindos".

Nessa linha de entendimento foi reformada parcialmente sentença de ação trabalhista ajuizada, na 5ª Vara do Trabalho de Caxias do Sul, contra a mencionada empresa Fidelidade (franqueadora) e contra Kazu Viagens e Turismo M.E. (franqueada).

O autor da ação trabalhou cinco anos em uma loja franqueada da Kazu. O trabalhador pediu direitos supostamente descumpridos durante o contrato. Na ação, apontou a agência de turismo como responsável subsidiária pela quitação desses direitos, ou seja, caso a loja em que efetivamente trabalhou não realizasse o pagamento, a agência maior (Fidelidade – grupo Latam/Tam) deveria fazê-lo.

O juízo de primeira instância deferiu ao trabalhador o pagamento de salários atrasados, verbas rescisórias e indenização por danos morais. O magistrado condenou a franqueada e, subsidiariamente, a franqueadora. Para o julgador, não ficou clara a relação de franquia existente entre as partes. Ele considerou que “houve terceirização de serviços entre as empresas”.

Assim, aplicou o entendimento da Súmula nº 331 do TST, que permite a responsabilização subsidiária de tomadores de serviços em algumas situações.

A Fidelidade recorreu ao TRT-RS. Segundo alegou, a relação de franquia foi firmada por meio de um contrato assinado com uma empresa de franquias criada especificamente para isso, que tem procuração para agir em nome da agência, ou seja, para ajustar esse tipo de relação com outras empresas. Nesse tipo de relação, conforme argumentou, “não há responsabilidade da franqueadora em relação aos trabalhadores da empresa franqueada”.

O relator do recurso na 9ª Turma do TRT-RS, desembargador João Alfredo Borges Antunes de Miranda, destacou que a Lei nº 8.955/1994, define a relação de franquia como "o sistema pelo qual um franqueador cede ao franqueado o direito de uso de marca ou patente, associado ao direito de distribuição exclusiva ou semi exclusiva de produtos ou serviços e, eventualmente também, ao direito de uso de uma tecnologia de implantação e administração de negócio ou sistema operacional desenvolvido ou detidos pelo franqueador, mediante remuneração direta ou indireta, sem que, no entanto, fique caracterizado vínculo empregatício".

No caso concreto, conforme a avaliação do relator, com base no contrato de franquia entre as empresas, não havia possibilidade de ingerência da agência de turismo Fidelidade em relação à loja vendedora dos pacotes turísticos, mas apenas supervisão para verificar se as operações da franqueada estavam sendo executadas de acordo com o objeto da franquia.

As partes não interpuseram recurso contra a decisão da 9ª Turma. Com isso, apenas a empresa franqueada (Kazu Viagens e Turismo) responderá pelos direitos trabalhistas deferidos ao autor. (Proc. nº 0021988-97.2017.5.04.0405).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Multa por má-fé em ação trabalhista reverte à APAE

Punição financeira a reclamante que buscava o vínculo de emprego. Mas as provas mostraram que ele era sócio da empresa reclamada, cuja titular era a ex-esposa. “Desfeito o casamento, o cidadão buscou a Justiça do Trabalho como meio de vingança pessoal ou rixa contra a ex-mulher” – diz o julgado.

Foto ESMAT

Mulheres recebem renda 17% inferior à dos homens por hora trabalhada

 

Mulheres recebem renda 17% inferior à dos homens por hora trabalhada

Para a Organização Internacional do Trabalho, a melhoria da divisão das tarefas domésticas é a mudança cultural mais importante para o progresso na igualdade de oportunidades. Juíza Noemia Garcia Porto (foto), presidente da Anamatra, sustenta que “a inserção, em igualdade de condições dignas e decentes, desafia pensar numa perspectiva de direitos humanos”.

Lide simulada: empresa é multada por má fé

Os advogados das duas partes são irmãos. Multa aplicada à empresa reclamada será revertida para a  Liga Feminina de Combate ao Câncer de Novo Hamburgo. Leia a íntegra do acórdão.