Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019
https://www.espacovital.com.br/images/jus_azul_caricatura_2.jpg

Por que os da Justiça Desportiva driblam o Direito?



Arte EV sobre foto IG Esporte

Imagem da Matéria

Sempre me intrigou o distanciamento da Justiça Desportiva daquilo que se pratica no cotidiano do Judiciário. Talvez porque muitos juízes da JD (ou auditores) não sejam formados em Direito e, por vezes, se o são, (já) não praticam.

Parece que há um imaginário consequencialista no futebol e na própria Justiça Desportiva. Claro, quando interessa. Por vezes, eles são literalistas, quase exegetas do século XIX. E, quando interessa, a lei nada vale. Sim, sei que não é muito diferente da justiça não-desportiva.

Quero falar do caso Botafogo x Palmeiras. O Botafogo teve um pênalti marcado contra si depois que a partida já havia sido reiniciada. Ora, conforme a FIFA, o auxílio do VAR só é válido antes do reinício da disputa. E, no caso desse jogo, a bola já estava em jogo no momento da marcação do pênalti.

E disso, o que se extrai? Há uma regra, e essa regra é válida a todos. Essa regra é clara, mas, nesse caso, ela não foi tão clara assim porque o STJD não quis. Fazendo uma novilíngua, ele estabeleceu que, se o jogo fora recomeçado “só um pouquinho”, então é possível consultar o árbitro de vídeo. O que é “só um pouquinho?”

Ativismo desportivo, segurança jurídica zero. Por 9 votos a zero, o Pleno do STJD manteve o resultado da partida. Não surpreendeu. Eis como a unanimidade pode ser burra.

Disseram por aí: “O árbitro fez bem em marcar o pênalti, mesmo com a partida já reiniciada. Afinal, foi pênalti”. Ou ainda: “O jogo fora reiniciado antes, sim, mas a bola nem havia saído da área”. O pior argumento foi: “O juiz errou, mas fez justiça”.

A questão, entretanto, não passa por essas considerações. O ponto, aqui, é outro: temos um procedimento, seja no futebol, nas regras de uso do VAR, seja no mundo regulado pelo sistema jurídico.

Em nenhum dos casos essa espécie de ativismo ´jusludopédico´, em todas as suas formas, é boa. A JD não está acima da lei. Cartão vermelho para a JD.

Paro por aqui. Poderia ainda falar das discrepâncias entre julgados da JD, da falta de uma criteriologia, da falta de definição de conceitos jurídicos como dolo e culpa, da desproporcionalidade de punições (escrevi há muito tempo sobre o caso em que o pobre Paissandu sofreu um “pênalti epistêmico” por parte do STJD, além do caso da Portuguesa, goleada com gols off side por parte da Justiça Desportiva).

Também vale a pena discutir a relação justiça desportiva com o estatuto do torcedor (já escrevi sobre isso aqui no Jus Azul).

Agora, essa do Botafogo vai para os anais da história! Todavia, sempre é tempo de a JD encontrar o Direito. Se o Direito praticado na JD é meio-direito, a pergunta que fica é: os outros ramos da ciência ou do conhecimento, levados a outros campos, também são aplicados de forma tão senso comum, intuitivamente? Algo como “na minha opinião” ou... (O leitor pode completar.

Crepúsculo de jogo, como dizia Fiori Giolioti.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Deposit Photos

Pedidos do Jus Azul ao Papai Noel

 

Pedidos do Jus Azul ao Papai Noel

“Que o Grêmio dispute todas as competições. Se o jogador fizer ´mimimi´, faça-o ajoelhar no milho. E que Renato seja presenteado com uma faixa natalina: ´Jogador joga – jogador não folga´”!

Arte EV por Marco Antonio Birnfeld e Ana Paula Saldanha

O Grêmio, o Mano e as ´Côôpass´!

 

O Grêmio, o Mano e as ´Côôpass´!

“O Grêmio é maior abandonador de Brasileirões. É uma lenda urbana essa história de que a Copa do Brasil é o melhor atalho. Há uma crise no futebol: o velho não morre (o modelo Felipão, Mano, Argel – Renato está no limbo) e o novo não consegue se impor por causa da resistência do velho, mormente porque este é apoiado pela imprensa que não quer dar o braço a torcer”.

Charge de Gerson Kauer

Vândalos impunes e a IVI sob nova direção

 

Vândalos impunes e a IVI sob nova direção

(1) “Por que os bagunceiros que vão aos estádios para esculhambar, agredir, e até atirar contra o helicóptero da BM, têm seus nomes mantidos em sigilo?” (2) “O novo comandante da IVI da Avenida Ipiranga é Thiago Cerqueira, que se notabilizou por ironizar o Grêmio”.