Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 11 de outubro de 2019.

O cheirinho da garagem...



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Como integrante da Associação dos Servidores Aposentados da Justiça do Trabalho da 4ª Região, o advogado Deoclécio Galimberti - conceituado na profissão e no magistério do Direito - costuma ir à sede da entidade, numa rua sem maior movimento, bem pertinho do finado Estádio Olímpico. Sempre às terças-feiras, há um almoço de congraçamento. Lógico que, nessas ocasiões, a rua fica congestionada de carros estacionados.

Numa dessas idas, mais uma vez ele deixou o automóvel diante de uma garagem, imaginando que ela não seria ocupada porque – como sempre nas vezes anteriores - a calçada estava repleta de roupas secando em varais improvisados. Mas ao voltar, o advogado foi contemplado com um bilhete: “Com todo o respeito, é a quarta vez que você põe o carro na minha garagem. Se você é homem, aperta a campainha que eu vou falar com você, seu merda”.

Ele se assustou, perguntando a si próprio: “Meu Deus, será que vou apanhar?”

Mas, dentro do princípio de que “conversando a gente se entende”, achou por bem falar com o dono da casa. Preparou-se para o imprevisível, e apertou na campainha. Ninguém respondeu. Como o portão não estava chaveado, entrou e bateu na porta. Veio uma senhora que perguntou:

- Quem é o senhor?

- Agora sou o “Seu Merda” e estou às suas ordens – respondeu, exibindo o bilhete.

A revelação provocou um acesso de riso na mulher. Conversa vai, conversa vem, desculpas recíprocas, os dois terminaram cordiais conhecidos, inclusive com a autorização para “livre estacionamento nas terças-feiras”

Agora o advogado tem certeza de que, doravante, está respeitosamente autorizado a colocar o seu carro diante da tal garagem.

Até hoje, claro, a dona não o brindou com um rolo de papel higiênico...

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Sintetizado de “Lembrar é Viver”, livro de Deoclécio Galimberti, com crônicas da vida real, lançado em 22.5.2019 (Agê Editora).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Juiz do amor

 

Juiz do amor

Na sustentação oral em recurso derivado de uma ação de alimentos, o advogado suscita a suspeição de um dos magistrados: “O desembargador relator está na quinta esposa, tem cinco filhos, gasta grande parte do seu subsídio com pensões alimentícias”. O magistrado suscitado, então, invoca versos de Ivan Lins: “O amor tem feito coisas...”. O texto é de Carlos Alberto Bencke. (Aproveite para ver e escutar uma das performances do grande artista brasileiro).

Charge de Gerson Kauer

Uma menina especial

 

Uma menina especial

Pouco antes do encerramento da audiência de um processo de família, a agradável surpresa para o juiz: “Tio, posso lhe dar um beijo?” – indagou, sentada à cabeceira da mesa, a linda garota, 6 ou 7 de idade. Em seguida, ela deu a volta correndo pela sala e pregou os lábios na bochecha do magistrado, num beijo estalado e inocente. O texto é do juiz Eduartdo Buzzinari Ribeiro de Sá. 

Charge de Gerson Kauer

A preferência pelo cunhado

 

A preferência pelo cunhado

O caso de Sergipe que está causando perplexidade no STF traz à baila situação parecida ocorrida em cidade do RS. Marido e mulher – casados na conformidade com o Código Civil – acordaram em se divorciar, para que ele ficasse com o irmão dela. “Eu passei a ser provável ímpar personagem do Livro Guinness dos Recordes” – desabafou chorosa a jovem senhora de 32 anos.

Charge de Gerson Kauer

   Processo é muito chato...

 

Processo é muito chato...

O acordo numa ação de alimentos, quando o recalcitrante réu de ação de alimentos é advertido pelo juiz: “Vou-lhe tocar um processo”. A resposta do devedor é imediata: “Doutor, não faça isso... processo eu não quero, pois é muito chato”.

Charge de Gerson Kauer

A ímpia e injusta guerra...

 

A ímpia e injusta guerra...

A propósito da Semana Farroupilha, a bazófia a que foram submetidos um porto-alegrense e sua esposa, por ocasião de um churrasco no Country Club, para homenagear empresários dos EUA que queriam expandir a venda de produtos fumígenos no RS. Quase virou ação indenizatória por dano moral à moda gaúcha.

Charge de Gerson Kauer

Dentadura macabra

 

Dentadura macabra

Uma insólita ação num Juizado Cível, pedindo a condenação solidária de uma família enlutada e de um hospital. A discussão sobre uma dentadura completa, deixada na mesinha de um dos quartos coletivos, e que por engano acompanhou o corpo de um provecto cidadão que falecera na véspera. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.