Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

O papel do advogado



Chargista Duke

Imagem da Matéria

O Conselho Federal da OAB está lançando “Advocacia Hoje”, uma revista digital a ser distribuída trimestralmente aos advogados, por e-mail e Whatsapp. Segundo o presidente-executivo da OAB Editora, José Roberto Castro Neves, o objetivo é abrir espaço para uma forma mais direta de comunicação com um universo de aproximadamente 1,3 milhão de advogados e 1 milhão de estudantes de Direito.

A revista homenageará sempre um advogado, a começar por Rui Barbosa, com a imagem modernizada para ressaltar a atualidade de seus pensamentos. Na primeira edição, um dos artigos terá título instigante: “Nós, os advogados, por eles, os juízes” – escrito pelo ministro do STF Luís Roberto Barroso.

O jornalista Merval Pereira, colunista de O Globo, foi convidado para inaugurar uma seção que terá sempre um profissional de fora da área jurídica falando sobre “o papel do advogado”.

Leia o texto de Merval que estará na revista digital da Ordem, conforme ele próprio anunciou na edição dominical do jornal carioca.

O papel do advogado

Assim como a imprensa nasceu para dar voz à sociedade civil para se contrapor à força do Estado absolutista, e legitimar suas reivindicações no campo político, o ordenamento jurídico surgiu da necessidade de organizar as sociedades em torno de decisões pactuadas, e defender os direitos individuais, impondo limites à força dos poderosos.

A semelhança dos desígnios das duas instituições, Imprensa e Direito, é refletida em comentários de duas figuras históricas, o americano Thomas Jefferson e o brasileiro Rui Barbosa, fundamentais para seus países. Para Jefferson, a liberdade legítima é limitada por igual direito dos outros.

Para Rui, é fundamental “não antepor os poderosos aos desvalidos, nem recusar patrocínios a estes contra aqueles”. Sobre a imprensa, os dois também têm visão semelhante.

Para Rui Barbosa, a imprensa é a vista da nação. “Através dela, acompanha o que se passa ao perto e ao longe, enxerga o que lhe malfazem, devassa o que lhe ocultam e tramam, colhe o que lhe sonegam ou roubam, percebe onde lhe alvejam ou nodoam, mede o que lhe cerceiam ou destroem, vela pelo que lhe interessa e se acautela do que ameaça”.

O presidente americano Thomas Jefferson entendeu que a imprensa, tal como um cão de guarda, deve ter liberdade para criticar e condenar, desmascarar e antagonizar. “Se me coubesse decidir se deveríamos ter um governo sem jornais ou jornais sem um governo, não hesitaria um momento em preferir a última solução”, escreveu ele.

No sistema democrático, a representação é fundamental, e a legitimidade da representação depende muito da informação. O papel dos advogados numa democracia é, portanto, relevante como suporte de uma sociedade equânime.

Pesquisas promovidas pela Associação de Magistrados do Brasil (AMB), em 1995 e ano passado, revelam a evolução das prioridades da corporação, mais focada nos direitos individuais e liberdade de expressão na década posterior à redemocratização do país, mais empenhada hoje em combater os desvios do poder e a atender aos anseios de Justiça da coletividade.

Essa contemporaneidade das aspirações dos magistrados reflete a contínua relevância do papel dos advogados, que é historicamente o de proteger o cidadão da força e da injustiça.

Por isso, a independência do jurista na relação com o Poder é fundamental para Rui Barbosa, segundo quem uma “justiça militante” se baseia em “não transfugir da legalidade para a violência”; não “quebrar da verdade ante o poder”; não colaborar em “perseguições ou atentados, nem pleitear pela iniquidade ou imoralidade”.

Em O Dever do Advogado, Rui Barbosa define a ordem legal em duas facetas: a acusação e defesa, e parece estar falando dos dias de hoje, quando o radicalismo político confunde o exercício da profissão com aval a esta ou àquela posição. Esta, a defesa, “não é menos especial à satisfação da moralidade pública do que a primeira.” - diz Rui.

Para ele, cabe ao advogado ser “voz do Direito” em meio à paixão pública: “Tem a missão sagrada, nesses casos, de não consentir que a indignação degenere em ferocidade e a expiação jurídica em extermínio cruel.”

A atualidade das palavras de Rui Barbosa torna sua presença na história brasileira cada vez mais influente, a ponto de ter sido um dos mais citados na pesquisa da AMB como referência dos atuais magistrados.

Sua estátua, mandada erigir pelo Centro Acadêmico Onze de Agosto da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, em São Paulo continua simbólica de uma visão de Direito que dá aos advogados papel fundamental na vida pública de uma democracia.
----------
(*) Merval Pereira participa do Conselho Editorial do Grupo Globo. É membro das Academias Brasileira de Letras, Brasileira de Filosofia e de Ciências de Lisboa. Recebeu os prêmios Esso de Jornalismo e Maria Moors Cabot, da Columbia University.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A saudável união das atividades dos advogados com a dos tabeliães de notas

“A confluência das profissões resta evidente e salutar, garantindo aos cidadãos uma maior segurança jurídica na combinação de conhecimentos e esforços destes profissionais, em benefício à sociedade”. Artigo de Rodrigo Werlang Isolan, tabelião substituto do 3º Tabelionato de Notas de Caxias do Sul (RS).

Arte de Camila Adamoli

Uma isca para fazer gastar

 

Uma isca para fazer gastar

“Muitos saites e vendedores criam ofertas intermediárias para confundir. O efeito? Você gasta mais achando que levou vantagem”. Isso acontece com pipocas, bicicletas, micro-ondas, televisores, tênis, roupas, computadores, etc. Artigo de Samy Dana, professor da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas

Amarildo.wordpress.com.br

Plebiscito anticorrupção

 

Plebiscito anticorrupção

“Ainda que só 82 congressistas estejam sendo processados no STF, o fato é que os 11 ´tradicionais´ partidos do célebre quadrilhão  barram qualquer providência que possa agravar as penas pelos crimes de seus dirigentes”. Artigo do jurista Modesto Carvalhosa.

Chargista SponHolz – www.humorpolitico.com.br

A Justiça que nunca acaba

 

A Justiça que nunca acaba

“Na Alemanha, Canadá, Espanha, EUA, França e Inglaterra, por exemplo, a sentença de primeira instância é suficiente para levar o cidadão à prisão. No Brasil, o caso Lula parece ser infinito. Apesar de todos os pedidos da defesa do ex-presidente terem sido julgados — e derrotados — nas quatro instâncias da Justiça, não tem nada fechado de vez”. Artigo do jornalista Carlos Alberto Sardenberg.

Fotos Pinterest (E) e Word Press (D)

   A Justiça cega

 

A Justiça cega

“Ministros de tribunais brasileiros participam de julgamentos para os quais se encontrariam impedidos”. Em artigo de Gil Castello Branco, no jornal O Globo, em sua edição desta terça-feira (18), são mencionados dois ministros do STF, quatro ministros do TST e advogados com envolvimento em “fatos aparentemente gravíssimos”.