Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,03 de dezembro de 2019.

Advogados compartilham decisões em demandas contra montadoras de automóveis



Arte de Camila Adamoli, sobre fotos de divulgação das montadoras

Imagem da Matéria

Os advogados Claudio Weidlich e Fátima Mohammad Ziyade compartilham com os leitores do Espaço Vital seus êxitos – em nome dos respectivos clientes – em duas demandas.
Ambas envolvem defeitos em automóveis novos e a má prestação da pós-venda em duas revendas de veículos. Acompanhem!

Ø Consumidor x Volvo

“Escrevo para compartilhar com os leitores do Espaço Vital uma importante vitória contra a gigantesca montadora de automóveis Volvo.

Patrocinei a causa de um cliente (Luciano Luiz Alt) que adquiriu, zero quilometro, uma camionete XC 60, ano/modelo 2015. Em dias de chuva entrava água pelo teto solar do veículo.

Durante o período da garantia, a concessionária se dispôs a apenas fazer a troca do motor elétrico dos comandos do teto solar, que havia queimado em razão do defeito, mas não se dignou a achar o motivo da entrada de água para dentro do veículo em dias chuvosos. Alegava que precisaria ser feito um agendamento e ficar com o veículo por uma semana para que pudesse dar um diagnóstico.

O problema voltou a aparecer, não foi solucionado, e passado o prazo da garantia o proprietário levou a camionete a uma oficina especializada em chapeação e funilaria. Esta, em 60 minutos, detectou um desnível nas calhas de drenagem que ocasionavam o acúmulo de água nas calhas de escoamento, causando o ingresso da chuva no interior do veículo.

Fora da especializada Volvo, o conserto foi feito de um dia para o outro, ou seja, em menos de 24 horas. Ajuizada a ação no JEC Cível na comarca de Carazinho (RS), processo devidamente instruído com a oitiva da testemunha que efetuou o conserto do teto solar ao custo de R$ 2.200 , a Volvo e a concessionária Dimas Comércio de Veículos Importados, de São José (SC), foram condenadas ao ressarcimento dos danos materiais bem como à reparação por danos morais no valor de R$3.000,00. A sentença foi confirmada pela 2ª Turma Recursal.

Avalio importante divulgar, uma vez que sabemos o quão difícil é conseguir a responsabilidade civil de grandes montadoras por vício ou falha do produto. (Processo n° 71008237943).

Claudio Weidlich, advogado (OAB-RS nº 76.755).

Ø Consumidora x Volkswagen

“Foi julgada procedente demanda indenizatória contra a conhecida revenda Panambra (Porto Alegre) e contra a Volkswagen do Brasil, em razão de a consumidora ter adquirido uma Saveiro Cross completa, zero Km. Cinco dias após retirá-lo da loja, o veículo passou a apresentar defeitos. Estes persistem até hoje, sem que as empresas tenham resolvido o problema.

Os defeitos colocam em risco a vida da motorista, pois o veículo simplesmente perde a força e para em seguida.

A sentença de procedência proferida pelo juiz Luiz Augusto Guimarães de Souza determinou a substituição por outro veículo, com as mesmas características do adquirido; ou, se não houver, por um top de linha. Condenou também as duas empresas ao pagamento de reparação por danos morais, no valor de R$15 mil.

Embora caiba recurso, o interessante é que foi concedida a tutela antecipada, determinando às duas rés a substituição do veículo no prazo de 60 dias. (Proc. nº 1150071688-0 - 10ª. Vara Cível de Porto Alegre – Requerente: Mara Lana Gasparini da Silva)”.

Fátima Mohammad Ziyade, advogada (OAB-RS nº 30.149).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli com caricaturas de Frank Maia (Humor Político)

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um  ato judicial

 

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um ato judicial

Demora no pagamento de um alvará judicial encaminhado para “apreciação e controle do núcleo jurídico do BB”. E a concordância da juíza da causa:“Deverá o autor aguardar os trâmites internos do banco depositário para liberação do valor”. Leia os detalhes em “Carta de Leitor”, enviada pelo advogado Gastão Bertim Ponsi.

Divulgação

A Deusa Gaúcha da Justiça

 

A Deusa Gaúcha da Justiça

“Uma mulher cabelo indígena, com folha de trevo de quatro pétalas ao cabelo; rosto sem venda (símbolo da clareza e do conhecimento); busto da índia guarani missioneira, vestida de prenda”. A proposta é do advogado Eliseu Holz.