Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

A “caçada” contra Lula e a apelação de 1.386 páginas



Chargista Alpino

Imagem da Matéria

Tem 1.386 páginas a petição de razões de apelação, apresentada ao TRF-4, em que Lula pede a absolvição no caso do sítio de Atibaia, em que a sentença aplicou pena de 12 anos e 11 meses de prisão.

As primeiras linhas recursais são “dedicadas” ao hoje ministro da Justiça Sérgio Moro: “Indispensável registrar nestes autos - e para a História - agora e sempre, que o ex-presidente Lula não reconhece legalidade, legitimidade, validade ou higidez nos atos praticados na presente persecução penal pelo ex-juiz federal, pois, as suas decisões nunca se revestiram da necessária imparcialidade, impessoalidade, isenção e independência, como exigido no ´due process of law´ assegurado pela Constituição da República (art. 5º, LIV)”.

Certamente a referência a Moro tenta se referir aos atos iniciais e instrutórios do processo, porque a sentença – que definiu a condenação de 12 anos e 11 meses de prisão - foi proferida pela juíza Gabriela Hardt, que provisoriamente substituiu o então magistrado na 13ª Vara Federal de Curitiba. Segundo o julgado, embora o sítio não fosse formalmente do ex-presidente, era usado por ele e foi reformado para ele.

Os advogados defensores Cristiano Zanin Martins e José Roberto Batochio também sustentam que “diante das infundadas acusações do Ministério Público Federal, o único desfecho possível é o reconhecimento da inocência” do acusado. Dizem também que Lula “é vítima de uma caçada judicial promovida por alguns agentes estatais, que se utilizaram indevida e abusivamente de instrumentos jurídicos para perseguir politicamente" o ex-presidente.

A propósito, a apelação também invoca, com muito destaque, três frases do ministro do STF Marco Aurélio Mello.

Elas são assim: “Longe de mim o populismo judicial, que entendo superpernicioso, porque tudo cessa quando vinga. Longe de mim a postura politicamente correta, a hipocrisia. Tenho que esta capa me atribui um dever maior: o de buscar, de forma incessante e com todas as forças, a prevalência da Lei das leis da República”. (Proc. nº 5021365-32.2017.4.04.7000).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Diário da Manhã (Passo Fundo)

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

 

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

Decisão da 4ª Câmara Criminal do TJRS confirma, na essência, a pena aplicada na comarca de Passo Fundo. Mas, com o provimento parcial dos recursos do MP estadual e do réu, a pena foi redimensionada para oito anos e dois meses de reclusão, em regime inicial fechado. Quatro fatos envolvem porte ilegal de armas de fogo, munição de uso restrito; um caso trata de receptação.

Arte de Camila Adamoli sobre fotos do Hotel Renaissance (divulgação), Senado Federal e Camera Press

As férias frustradas do político condenado

 

As férias frustradas do político condenado

O paranaense Acir Gurgacz, senador (PDT) por Rondônia - eleito em 2014, com posse em 2015 e mandato por oito anos – está preso desde outubro de 2018. Cumpre, agora em regime domiciliar, pena de 4 anos e 6 meses por crime contra o sistema financeiro. O político – que o Senado não cassou - chegou a ter, esta semana, autorização judicial para passar 18 dias em Aruba.