Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.

Condenação de Datena e Bandeirantes por acusação mentirosa de estupro



Em decisão monocrática, o ministro Luis Felipe Salomão, do STJ, negou provimento a um recurso do apresentador José Luiz Datena e da TV Bandeirantes contra a decisão que os condenou a indenizar em R$ 60 mil um homem acusado de estupro em programa apresentado pelo jornalista na emissora.

A ação foi movida por um operador de telemarketing após reportagem transmitida pelo programa Brasil Urgente, em 2011, acusando o homem de estuprar uma menor de idade. A transmissão ocorreu antes mesmo da instauração do inquérito policial que veio a investigar o caso.

O operador de telemarketing foi absolvido na ação penal. E na ação cível ele alegou que teve seu nome, sua imagem a placa de seu carro divulgados de forma sensacionalista e injusta pelo apresentador e pela emissora. Em primeira instância, a Bandeirantes e o apresentador foram condenados a pagar R$ 200 mil por danos morais.

O TJ de São Paulo reduziu o valor da indenização para R$ 60 mil, mantendo no mérito a condenação por “abuso no exercício da liberdade de imprensa”. No recurso especial, Datena e a Bandeirantes alegaram ausência de nexo de causalidade, pois a fonte das informações fora a polícia e a transmissão não teria sido emitido juízo de valor acerca da conduta do acusado.

Para o ministro Luis Felipe Salomão, o TJ-SP, ao analisar detalhadamente os fatos, concluiu pela responsabilidade do apresentador e da emissora, pelo abuso da liberdade de expressão e do direito de informar e criticar. O julgado paulista avaliou que “o material jornalístico veiculado expôs o acusado de forma desnecessária”.

O ministro mencionou trechos do acórdão recorrido, segundo o qual a reportagem limitou-se a “ouvir as declarações bastante vagas da suposta vítima e do delegado de polícia”, identificando o suspeito sem necessidade.

No arremate da decisão que improveu o recurso especial, Salomão escreveu ter “restado claro que a convicção formada pelo tribunal de origem decorreu dos elementos existentes nos autos, de forma que rever a decisão recorrida e acolher a pretensão recursal demandaria a alteração das premissas fático-probatórias estabelecidas pelo acórdão recorrido, com o revolvimento das provas carreadas aos autos, o que é vedado em sede de recurso especial, nos termos da Súmula 7 do STJ”. (AREsp nº 1405543).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Test drive fatídico

Atropelamento fatal de idoso, no perímetro urbano de Gramado. O TJRS condena um consumidor que testava um automóvel Prisma, duas empresas e uma seguradora. Reparação por dano moral para as duas filhas da vítima será de R$ 445 mil.

Jejum nas alturas

 

Jejum nas alturas

Condenação da American Airlines por não disponibilizar a três brasileiros (um casal e sua filha) – durante voo de 12 horas - alimentos kosher que haviam sido solicitados e pagos. Indenização será de R$ 18 mil.