Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

Estudante que deu ovada em Bolsonaro pagará R$ 499 para evitar processo



Reprodução das redes sociais

Imagem da Matéria

A estudante Alana Gabriele de Oliveira Arruda firmou um acordo de transação penal com a Promotoria de Justiça de Ribeirão Preto (SP) para pagar multa de R$ 499 para evitar ser responsabilizada pelo crime de injúria contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL). O termo foi homologado pelo juiz Junio Claudio Campos Furtado.

Bolsonaro estava, em agosto de 2017, com apoiadores em uma cafeteria no cruzamento das ruas São Sebastião e Álvares Cabral, no centro da cidade, tirando fotos com simpatizantes e apoiadores quando uma mulher se aproximou, tocou no ombro dele. Quando Bolsonaro se virou, Alana apertou um ovo contra o peito do deputado e fez críticas à sua postura política.

Ela chegou a ser detida pela Polícia Militar e levada para a delegacia. Bolsonaro seguiu para o mesmo local para registrar a ocorrência.

De acordo com os autos, Alana “teria ofendido com palavras de baixo calão e desferido um tapa no peito do candidato, estourando o ovo que estava em sua mão contra o mesmo”. Outra pessoa de nome Leonardo, que estava na companhia de Alana, possuía outro ovo em sua mão.

A denúncia também refere que “a autora do fato, bem como seus companheiros, precisaram ser contidos pelos seguranças da vítima para evitarem novas agressões, gerando um tumulto que foi contido por policiais militares”.

Filiada ao PC do B, Alana chegou a se candidatar a vereadora pela cidade sob o nome de Gabrielle van Pelt, mas teve o registro indeferido, em 2016.

O acordo de transação penal é firmado entre o Ministério Público e investigados para evitar um processo criminal, em troca de multa.

“Neste ato, as partes também concordam com a destruição dos presentes autos após o cumprimento integral da medida imposta e consequente extinção da punibilidade, autorizada desde já a restituição de documentos, desde que requerida” - anotou o magistrado.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Diário da Manhã (Passo Fundo)

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

 

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

Decisão da 4ª Câmara Criminal do TJRS confirma, na essência, a pena aplicada na comarca de Passo Fundo. Mas, com o provimento parcial dos recursos do MP estadual e do réu, a pena foi redimensionada para oito anos e dois meses de reclusão, em regime inicial fechado. Quatro fatos envolvem porte ilegal de armas de fogo, munição de uso restrito; um caso trata de receptação.

Arte de Camila Adamoli sobre fotos do Hotel Renaissance (divulgação), Senado Federal e Camera Press

As férias frustradas do político condenado

 

As férias frustradas do político condenado

O paranaense Acir Gurgacz, senador (PDT) por Rondônia - eleito em 2014, com posse em 2015 e mandato por oito anos – está preso desde outubro de 2018. Cumpre, agora em regime domiciliar, pena de 4 anos e 6 meses por crime contra o sistema financeiro. O político – que o Senado não cassou - chegou a ter, esta semana, autorização judicial para passar 18 dias em Aruba.