Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira,
31 de março de 2020.

OAB-SP desagrava advogada detida em presídio por usar absorvente interno



O Conselho Seccional da OAB de São Paulo desagravou, esta semana, advogada que foi detida em presídio durante visita a um cliente

"Em nenhum momento me informaram que era sobre o absorvente íntimo, só me mantiveram presa, detida, dizendo que eu tinha que aguardar. Eu fiquei sentada sem o direito de ir e vir. Ou seja, presa" - narrou a advogada Lucieli Regina da Silva.

A relatora do pedido de desagravo, vice-presidente da Comissão de Prerrogativas da OAB, Ana Carolina Moreira Santos, considerou o ato uma grave violação: "Esse tipo de escaneamento é constrangedor porque faz uma leitura do corpo e, muitas vezes, é realizado por alguém do gênero masculino" - disse.

A partir do caso, o conselho aprovou a criação de um grupo de estudos para analisar a propositura de ação civil pública e a apuração das responsabilidades dos agentes penitenciários.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Municipalidade de New York

Charging bull, o touro de New York

 

Charging bull, o touro de New York

É uma estátua de bronze postada no Financial District, próximo à Bolsa de Valores em NYC. Simboliza o mercado pujante, a força e poder do povo estadunidense. Saiba porque o Espaço Vital escolheu tal imagem para ilustrar a matéria sobre os milhões que a OAB-RS envia, todos os anos, ao Conselho Federal da OAB, um arrecadador de R$ 104 milhões anuais.“Quem passa as mãos pelo chifre do touro consegue atrair sorte e riqueza e tem vigor para reagir contra abusos” – dizem operadores financeiros de sucesso.

Arte de Camila Adamoli – Foto Camera Press

Enfrentando uma poderosa elite

 

Enfrentando uma poderosa elite

Reunião de quatro movimentos de advogados que estão insatisfeitos com os rumos tomados pelo Conselho Federal da OAB. Um manifesto à população brasileira adverte que “laborar exclusivamente nas falhas e nulidades processuais, nas brechas da lei, e nas medidas protelatórias que visam atrasar a prestação jurisdicional, desvirtua a lógica jurídica”.