Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 15 de outubro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/jus_azul_caricatura_2.jpg

Novos aforismos sobre a crise do time do Grêmio



Arte de Camila Adamoli sobre fotos Uol Esporte (E) e Camera Press (D)

Imagem da Matéria

Seguindo Wittgenstein (que não joga no Bayern), novos aforismos. Estes são conceitos que se pretendem autoexplicativos, tornando despiciendas explicações. É como uma anedota. Não se explica.

1. André esgotou. E atirou no próprio pé, errando uma enorme goleira que, para ele, tem mais de 8 metros, conforme sugere a ilustração deste Jus Azul.

2. André se consolida entre os cinco piores negócios do mundo: o primeiro foi a troca de um bisão por um cacho de banana; o segundo foi a refinaria de Pasadena; o terceiro foi André; o quarto embolou Jacozinho, Fábio Bilica e Chamaco Rodriguez; o quinto foi Renato Portaluppi ter preferido Michel na zaga quando tinha Rodrigues (o da base) e, assim, causou enorme prejuízo ao time.

3. O pior foi ouvir Renato dizer que “André volta contra o Juventude”. É pensamento mágico, igualzinho ao que havia no Grêmio quando se pensava assim: “No próximo jogo Oscar Ortiz vai cruzar e Alcino Terremoto fará de cabeça...”, só que não. Aguardam até hoje...

4. O Grêmio muda nome para Clube Recreativo? Haverá férias para o time durante a Copa América? Mas o time está se arrastando em campo no segundo tempo. Pra completar, Duda Kroeff informa: “David Braz vem, mas só depois de descansar”. Ah, bom. Rapaz cansado.

5. Esvaziar o Brasileirão pode ter consequências gravíssimas. Além do perigo de sempre do risco de cair para a segundona, esvazia o estádio. Esvazia, mesmo. Elementar isso.

6. Animicamente, é péssimo Renato dizer “poderemos ir à Bahia e perder”. Não gosto de auto ajuda, mas auto ajuda ao contrário é pior ainda.

7. Aforismo ratificativo: o Grêmio nitidamente se arrastando em campo e se diz que parará em junho para...descansar! Fator Jaiminho, da turma del Chavo de Ocho: querem evitar a fadiga!

8. Leio que teve gente na Arena brigando entre si: uma parte defendia a indicação de André para bater o pênalti. Chapabranquismo é coisa para se guardar... Chapabranquismo é agro. Agro é pop.

9. Para se ter ideia de como não é difícil ganhar o Brasileirão, basta ver o Santos: um time fraco, cheio de guris e castelhanos ruins – não perdeu para os gaúchos. Sensação entre aspas é o Flamengo, que veio ao Beira Rio e se borrou todo. Mais um motivo para abrir o olho: cuidado com os ´mata-matas´; por vezes são resolvidos por uma chispa de poste ou por um VAR vigarista (como o que mandou refazer a cobrança contra o Fluminense e anulou o pênalti marcado contra o Inter – ah VAR se afumentar!). Depois pode restar só o desprezível Brasileirão...! Quem avisa, amigo é!

10. Absolutamente ridículos os comentadores de VAR. Paulo Cesar Oliveira, uma mulher que não sei o nome, e Sandro Meira Ricci (vou poupar os daqui): só dizem besteira. Ora, com câmera lenta, qualquer sujeito com meio neurônio carunchado faz profecia sobre o passado. Está insuportável essa ditatura de medíocres que só sabem dizer “Ah, foi buscar espaço”; “Ah, projetou-se”; “Ah, foi disputa por espaço”. E que raios de árbitro é esse que apitou Grêmio e Atlético e não expulsou o apoplético mineiro Luan, que parecia estar fora de si? Fizeram antidoping no cara (no árbitro e no Luan)?

Post scriptum – Torcedores gremistas anotem a tirada verborrágica de Duda Kroeff. Ele disse assim: “Calma galera: tá tudo sob controle”! Ufa!

Em tempo - Sigam meu Twitter: @streckgremio.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

NaniHumorBlogspot.com

O batom da anã circense e o pênalti de Galhardo

 

O batom da anã circense e o pênalti de Galhardo

“Estava voltando para casa quando, ao passar por um pequeno obstáculo na rua, meu cinto estourou. A calça caiu completamente. Nesse exato momento uma atriz circense, de baixa estatura, com alto grau de miopia, esbarra em mim, deixando essa marca indelével de batom vermelho”;;;

Charge de Gerson Kauer

A manchete com que a IVI sonhou

 

A manchete com que a IVI sonhou

“A carência de títulos vermelhos demandou um inchaço no noticiário. A mãe do Odair, a terra do Odair, a família do Odair, etc. etc. (...)  E o engraçado (ou trágico) modo como Rafael Sobis e Edenilson saíram caminhando – depois de driblados - como se estivessem jogando uma pelada de casados contra solteiros”.