Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 20 de setembro de 2019.

STJ anuncia 11 teses sobre responsabilidade civil por dano moral



O Superior Tribunal de Justiça divulgou 11 teses consolidadas na corte sobre responsabilidade civil por dano moral. Duas delas, certamente, terão maior repercussão, em face das matérias tratadas.

Uma é a que define que a fixação do valor devido a título de indenização por danos morais deve considerar o método bifásico, que conjuga os critérios da valoração das circunstâncias do caso e do interesse jurídico lesado e minimiza eventual arbitrariedade da adoção de critérios unicamente subjetivos do julgador, além de afastar eventual tarifação do dano.

A outra tese estabelece que, embora a violação moral atinja apenas os direitos subjetivos do morto, o espólio e os herdeiros têm legitimidade ativa para pleitear a reparação dos danos morais suportados por ele.

Leia as 11 teses sobre responsabilidade civil:

• A fixação do valor devido a título de indenização por danos morais deve considerar o método bifásico, que conjuga os critérios da valorização das circunstâncias do caso e do interesse jurídico lesado, e minimiza eventual arbitrariedade ao se adotar critérios unicamente subjetivos do julgador, além de afastar eventual tarifação do dano.

 O dano moral coletivo, aferível in re ipsa, é categoria autônoma de dano relacionado à violação injusta e intolerável de valores fundamentais da coletividade.

 É lícita a cumulação das indenizações de dano estético e dano moral. (Súmula nº 387/STJ)

 A legitimidade para pleitear a reparação por danos morais é, em regra, do próprio ofendido, no entanto, em certas situações, são colegitimadas também aquelas pessoas que, sendo muito próximas afetivamente à vítima, são atingidas indiretamente pelo evento danoso, reconhecendo-se, em tais casos, o chamado dano moral reflexo ou em ricochete.

 Embora a violação moral atinja apenas os direitos subjetivos do falecido, o espólio e os herdeiros têm legitimidade ativa ´ad causam´ para pleitear a reparação dos danos morais suportados pelo de cujus.

• Os sucessores possuem legitimidade para ajuizar ação de reparação de danos morais em decorrência de perseguição, tortura e prisão, sofridos durante a época do regime militar.

 O abandono afetivo de filho, em regra, não gera dano moral indenizável, podendo, em hipóteses excepcionais, se comprovada a ocorrência de ilícito civil que ultrapasse o mero dissabor, ser reconhecida a existência do dever de indenizar.

 Não há responsabilidade por dano moral decorrente de abandono afetivo antes do reconhecimento da paternidade.

 O prazo prescricional da pretensão reparatória de abandono afetivo começa a fluir a partir da maioridade do autor.

 A pessoa jurídica pode sofrer dano moral, desde que demonstrada ofensa à sua honra objetiva.

 A pessoa jurídica de direito público não é titular de direito à indenização por dano moral relacionado à ofensa de sua honra ou imagem, porquanto, tratando-se de direito fundamental, seu titular imediato é o particular e o reconhecimento desse direito ao Estado acarreta a subversão da ordem natural dos direitos fundamentais.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Divulgação / Tv Record

Produtora de filmes condenada a indenizar Xuxa

 

Produtora de filmes condenada a indenizar Xuxa

Deplorável vídeo ofensivo postado no Youtube – e já retirado via antecipação de tutela - propagava que a artista teria firmado um pacto com o diabo até 2099, teria mantido um relacionamento amoroso homossexual e que sua filha seria fruto de inseminação artificial. 

Rede Globo/ Divulgação

Sensacionalismo punido, críticas toleráveis

 

Sensacionalismo punido, críticas toleráveis

Condenação da Record e de uma jornalista a pagar R$ 50 mil por publicação ofensiva à apresentadora Fernanda Lima (foto), envolvendo adultério que teria sido cometido pelo marido dela. Mas o acórdão diz que expressões mordazes como “Sem sal, Sempre com aquele ar de superioridade, Fama de puxadora de tapete, Meio chatinha e azedinha” devem ser toleradas por pessoas de fama.

Foto de Stefano Pollio – Edição de Gerson Kauer

Madrugada de pavor em residência de casal gaúcho

 

Madrugada de pavor em residência de casal gaúcho

Montador de móveis que estivera equipando a moradia ingressou na casa e, armado com faca, estuprou a mulher grávida de gêmeos. O marido foi imobilizado por outro comparsa (menor de idade). Condenação penal do facínora tem trânsito em julgado e ele está preso. Responsabilidade civil da empresa Todeschini que fabricou os móveis, e da franqueada TDM Móveis Planejados que efetuou a venda e era a responsável pela instalação, que acabou terceirizando. Indenização total de R$ 419 mil destina-se também a reparar os bebês que estavam em gestação.