Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de junho de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

Administradores judiciais disputam a reestruturação de dívidas bilionárias



Arte de Camila Adamoli – Fontes: Íntegra Associados, O Globo e processos judiciais diversos

Imagem da Matéria

 A crise e a ´rave jurídica´

Se a crise devastou setores inteiros da economia, pelo menos dois segmentos advocatícios “vão bem, obrigado” – como se costuma dizer. Além dos penalistas que enriqueceram defendendo os enrolados com a Lava Jato, a recessão acirrou a competição do bilionário mercado de administradores judiciais. A partir de 2014, início da recessão, e até abril último, 6.806 recuperações judiciais foram pedidas no Brasil, o dobro dos cinco anos anteriores, segundo a Serasa Experian.

Hoje, os 20 maiores casos envolvem débitos de R$ 156,8 bilhões. A lista tem as diversas empresas abatidas na Lava-Jato - como OAS e Sete Brasil - passando pela telefônica Oi, até casos recentes, como os da Livraria Saraiva e da aérea Avianca.

A fila de casos cada vez mais complexos atraiu novos administradores, profissionalizando um serviço que costumava ser só uma atividade paralela de advogados e contadores.

As dívidas de todas as empresas em recuperação e em falência no país somam atualmente R$ 283 bilhões, mas 55% desse valor referem-se só aos 20 maiores casos – segundo levantamento do jornal O Globo.

O “bolo” da Oi é o maior: as dívidas chegam a R$ 63 bilhões. O Escritório de Advocacia Wald, Antunes, Vita, Longo e Blattner Advogados ganhará (e já está recebendo) R$ 99 milhões como administrador judicial. O valor é explicável pelos superlativos presentes: 55.080 credores, em um processo já com 370 mil folhas.

Os autos já têm 41 mil acordos firmados em mediação. Embora só uma assembleia de credores tenha sido realizada, ela durou 15 horas. Precisou do espaço do Riocentro e ganhou o apelido de “rave jurídica”.

  “Leões” de terno e gravata

Sabemos que os deputados federais são seres privilegiados (salário mensal de R$ 33,7 mil) têm moradia oficial, se aposentam com oito anos de serviço e podem contratar até 20 assessores.

O Espaço Vital também já contou, ano passado, que a Câmara paga tapioca, saquê e até chocolate importado para os deputados. Basta eles consumirem qualquer produto, mesmo que supérfluo, e apresentarem nota fiscal (idônea?) à direção da Casa. Mas ainda não vimos tudo.

A Câmara está aprontando mais uma torragem de dinheiro público, na mesma conjunção em que o governo corta verbas para a Educação. O presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) mandou abrir licitação para contratar 274 vigilantes particulares, com salário garantido de R$ 4,5 mil por mês, com um custo anual terceirizado de R$ 28,7 milhões. Esse pessoal será usado para reforçar o quadro já vulgarmente chamado de ´leões de chácara´ da Câmara, que já dispõe de 288 agentes da polícia legislativa. Tudo porque, alguns parlamentares sentem-se ameaçados de alguma forma e querem proteção extra.

Um escárnio, quando os brasileiros comuns são vítimas diárias de uma violência incomum e que eles, senhores deputados, não tomam providências para aprovar as leis anticrime propostas ao Congresso.

  O nome é grande

Para não perder a oportunidade, aí vai o (pouco divulgado) nome completo do presidente da Câmara: Rodrigo Felinto Ibarra Epitácio Maia (nascido em Santiago do Chile em 12 de junho de 1970), porém com nacionalidade brasileira, filiado ao Democratas (DEM).

Está em seu sexto mandato como deputado federal. Na eleição passada para a Câmara, fez 74.232 votos (0,96% do total).

  Extratos sem duração

Decisão do STJ, em ação civil contra o Banco Santander criou um precedente de interesse dos consumidores brasileiros: os bancos deverão fornecer aos seus clientes, gratuitamente, a segunda via de comprovantes impressos em papel termossensível nos terminais de autoatendimento.

De acordo com o julgado, “a emissão de recibo que não atende às exigências do consumidor viola o princípio da confiança”.

Conforme o acórdão superior, a segunda via, quando solicitada, deverá ser fornecida por até cinco anos após o encerramento da conta. Detalhe da decisão: como os papéis termossensíveis, ou térmicos, são conhecidos por desbotarem rapidamente, para evitar que as informações se apaguem novamente, a segunda via deverá ser emitida em outro tipo de papel. (REsp nº 1.414.774).

 Predominância masculina

Um evento na última sexta-feira (17) em Brasília, na Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (ENFAM), tratou de temas sobre a representatividade feminina no Poder Judiciário. Segundo o levantamento do perfil sociodemográfico da magistratura brasileira, realizado em 2018 pelo CNJ, a participação das mulheres no Judiciário ainda é menor que a dos homens: elas ocupam 37% dos cargos.

A pesquisa revelou que as mulheres progridem menos na carreira jurídica em comparação com os homens. Elas representam 44% no primeiro estágio da carreira, quando competem com os homens por meio de provas objetivas e passam a corresponder a 39% dos juízes titulares.

No entanto, o número de juízas se torna menor de acordo com a progressão na carreira, quando elas passam a representar 23% das vagas de desembargadores e 16% de ministros dos tribunais superiores.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Montagem EV sobre foto Divulgação/SBT)

SBT e Ratinho indenizarão dois padres com R$ 872 mil

 

SBT e Ratinho indenizarão dois padres com R$ 872 mil

 Desfecho, afinal, de um caso que começou em abril de 1999. Na ocasião um noivo desistiu de seu casamento em pequena cidade do Paraná e o caso se transformou num rastilho teatral.

 Programa de tevê anunciou que o homem desistente teria preferido ficar com o padre.

 A demora crônica da Justiça brasileira.

 Um dos clérigos autor da ação por dano moral faleceu em 2018.

 Ação popular de quatro advogados pede, à Justiça Federal de São Paulo, o afastamento de Sérgio Moro.

Cartunista Walmir Orlandeli

   Condenação da Gol (R$ 1,2 milhões) por afronta a passageiros

 

Condenação da Gol (R$ 1,2 milhões) por afronta a passageiros

 Ação civil pública ajuizada pela Andep favorece 27 passageiros prejudicados pela empresa aérea em Curitiba, Buenos Aires, Montevidéu e Fernando de Noronha. Há trânsito em julgado e a empresa já pagou. Tramitação processual de dez anos e 41 recursos chegou a ter o oferecimento de uma carta de fiança falsa.

 O que Eduardo Cunha pode ter aprendido ao ler o livro “O Príncipe”, de Maquiavel.

 Um bode jurídico e a perda de sêmens de caprinos, na pauta da 6ª Câmara Cível do TJRS.

Arte EV sobre foto de Paul Nelhams

O avião enganoso e o julgamento enganado

 

O avião enganoso e o julgamento enganado

  Arquiteta porto-alegrense, ludibriada pela TAP Air Portugal, ganha indenização moral de R$ 1.500! Juiz leigo e juíza togada levaram em consideração “a condição da vítima e da empresa ofensora”...

 Corregedoria-Geral da Justiça do RS publica provimento que modifica as regras de registro de nascituros com “anomalia de diferenciação sexual”.

  Treze contratos publicitários sofrerão o “efeito ressaca” da atuação de Neymar no hotel parisiense.

 Duas chapas concorrem às eleições de dezembro no TJRS

Procedência de ação rescisória porque recurso foi decidido por desembargador impedido

 O advogado da multinacional reclamada era filho do magistrado-relator. Ele negou provimento a recurso ordinário em ação trabalhista que desacolheu pedidos de trabalhador

• Desembargador Thompson Flores passará a integrar a 8ª Turma do TRF-4 que julga recursos da Lava-Jato.

• Tartaruga suprema: julgamento pelo STF de ação direta de inconstitucionalidade que tramita há 24 anos.

 A moeda da Venezuela vai terminar como “pobre bolívar”?

• Passou a fase da prosperidade dos escritórios de advocacia que defendem os enrolados com a corrupção.

Arte de Camila Adamoli sobre imagem do TCU

   A tecnologia no controle das licitações

 

A tecnologia no controle das licitações

 Alice, Sofia e Monica: as três robôs que auxiliam o trabalho do Tribunal de Contas da União. Saiba por que elas têm esses nomes.

 A recuperação judicial da Atvos: débitos de R$ 11 bilhões e 900 milhões.

 BNDES, Banco do Brasil e Caixa Federal: as “mães” da Odebrecht.

 Mais dois deputados federais - que não se reelegeram em outubro - garantiram aposentadoria na Câmara. Um deles é gaúcho.

 A Braskem começa a devolver R$ 2,87 bilhões para a União.

Advogado condenado criminalmente pelo TJRS escapa no julgamento ético da OAB gaúcha

 

Advogado condenado criminalmente pelo TJRS escapa no julgamento ético da OAB gaúcha

  Denunciado por corrupção ativa e lavagem de dinheiro, o profissional da advocacia teve também desencadeado contra si, em 2012, processo ético-disciplinar. Mas – surpresa!... – prescreveu.

  Cultura geral: um alerta para que o príncipe Hamlet perceba a situação de perigo em que se encontra, principalmente por ações causadas por pessoas próximas a ele.

  Esposa de conselheiro cassado do Tribunal de Contas receberá aposentadoria de R$ 35 mil pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

  Casas Bahia e Ponto Frio pagam R$ 4,5 milhões para colocar fim a duas ações trabalhistas.

  Leilões de patrimônio da bandidagem: 33 embarcações, 12 aeronaves, 300 joias, 6.708 veículos, 9.679 eletrônicos.

  A paciência do Bradesco que está ajudando a Odebrecht.