Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

OAB escolhe conselheiros para integrarem CNJ e CNMP



O Conselho Federal da OAB elegeu ontem (20) representantes da advocacia para o Conselho Nacional de Justiça e para o Conselho Nacional do Ministério Público. Pela primeira vez foram eleitas duas mulheres para integrar o CNMP: Fernanda Marinela, de Alagoas, e Sandra Krieger, de Santa Catarina.

Marinela foi presidente da OAB de Alagoas e conselheira federal. E a ex-conselheira federal da OAB Sandra Krieger Gonçalves defende a importância de ampliar os espaços de atuação das mulheres na Ordem.

O advogado baiano André Godinho foi reconduzido para mais um mandato no CNJ, onde ele ocupa uma cadeira desde setembro de 2017. A outra vaga no CNJ será ocupada pelo advogado Marcos Vinícius Jardim, ex-presidente da OAB do Acre.

Os nomes seguem hoje (21) para a Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Depois, serão votados no Plenário da Casa.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Diário da Manhã (Passo Fundo)

Por 85 votos x zero, declarada a inidoneidade de Mauricio Dal Agnol para a advocacia

 

Por 85 votos x zero, declarada a inidoneidade de Mauricio Dal Agnol para a advocacia

Decisão unânime do Conselho Pleno da OAB-RS, tomada na sexta-feira (28), resulta na exclusão do advogado acusado de lesar cerca de 30 mil clientes. Mas ele ainda pode recorrer ao Conselho Federal. Caso já tem cinco anos e quatro meses de duração. Réu em diversas ações penais, Mauricio Dal Agnol (foto) está em liberdade desde 23 de fevereiro de 2015, graças a uma liminar em habeas corpus, concedida pelo ministro Marco Aurélio Mello.

Foto: Reprodução/RBS TV

Declarada a inidoneidade de Mauricio Dal Agnol para o exercício da profissão

 

Declarada a inidoneidade de Mauricio Dal Agnol para o exercício da profissão

Decisão do Conselho Pleno da OAB-RS, tomada nesta sexta-feira (28), resulta na exclusão do advogado acusado de lesar cerca de 30 mil clientes. Mas ele ainda pode recorrer ao Conselho Federal. Caso já tem cinco anos e quatro meses de duração. Réu em diversas ações penais, Mauricio Dal Agnol (foto) está em liberdade desde 23 de fevereiro de 2015, graças a uma decisão do STF.