Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019

Enfim… o precatório eletrônico no TJRS já é realidade



Por Telmo Schorr, advogado (OAB/RS nº 32.158)
Tschorr@terra.com.br

Foi com pompa e circunstância anunciada, festivamente, na semana passada a implantação do precatório eletrônico no Tribunal de Justiça gaúcho, tendo por base a plataforma do Eproc, ferramenta eletrônica também recentemente adotada para gerir o trâmite dos processos judiciais, tendo como fonte o sistema desenvolvido e cedido pelo TRF da 4ª Região.

O sistema na plataforma eletrônica reduz entre 20 e 50% o tempo de tramitação em relação às ações físicas em papel e traz ganhos ante a funcionalidade no manejo já comprovada, agilidade, portabilidade, economia para gestão pública e, sobretudo, segurança jurídica, acessibilidade e transparência nos pagamentos dos precatórios. Estes, bem ou mal, com a edição da Emenda Constitucional nº 99, vêm sendo recalcitrantemente pagos e com termo final temporal de quitação, fixado para o ano de 2024.

O projeto-piloto de adoção do precatório eletrônico contou com a participação da advocacia na sua viabilização, deflagrado de forma e modo eletrônicos até o seu final pagamento, tudo por iniciativa e gestão além da juíza Alessandra Bertoluci, que coordena a Central de Conciliação e Pagamento de Precatórios, também viabilizado pelo corpo técnico do TJRS.

A evolução migratória do sistema já arcaico e até medieval do processamento de ações judiciais do formato papel para o ambiente virtual e digital cuja trafegabilidade dos dados se dá pela internet, traz inegáveis benefícios a todos os atores envolvidos no cenário jurídico-processual. No ponto, vale lembrar recente afirmação do presidente da OAB-RS, Ricardo Breier sobre a temática do processo judicial eletrônico, o eproc: “Agora, há uma nova missão: capacitar a advocacia de todo o Estado. Sim, os tempos são outros e a tecnologia mudará a realidade da Justiça.

O desafio futuro na área do precatório judicial digital, uma vez já implantado e comprovada sua eficiência operacional, terá agora como meta a digitalização do acervo físico acumulado nos orçamentos passados e que ainda tramitam fisicamente no papel, tendo como hábeis ao pagamento e quitação um volume que totaliza cerca 65 mil feitos ainda pendentes de quitação.

Além do progresso tecnológico, paralelamente, há que se ter progresso no fluxo atual de pagamentos com o objetivo final de quitarem-se, efetivamente os precatórios até o ano 2024.

Quem isso assevera e preconiza é... a Constituição da República!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Não há como definir raça negra de modo objetivo

“Mais exequível para facilitar o ingresso nas universidades públicas de modo justo seria ter critérios de baixa renda familiar”.
Artigo de Roberto Lent, professor emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Minhas decepções com a OAB de São Paulo!

Em artigo, a advogada Adriana Cristina Silveira Kuwana diz do orgulho que tem por sua profissão. Mas critica os dirigentes (“generais”) que ficam longe das batalhas por prerrogativas, e o poder que a Ordem paulista está dando a tesoureiros, estagiárias e recepcionistas.

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

 

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

“Um julgado do TJRS, confirmado pelo STJ, sintetiza a via crucis de quem acreditou nas promessas de uma assessoria tributária: 1) A empresa devia ICMS; 2) Comprou precatórios para pagar o débito; 3) Não conseguiu quitar; 4) Foi inscrita na Serasa; 5) Sofreu penhoras e sequestros bancários; 6) Voltou a pagar o ICMS devido; 7) Ao final, ficou com os títulos de precatórios literalmente na mão!”. Artigo do advogado Telmo Ricardo Schorr (OAB-RS nº 32158).