Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 11 de outubro de 2019.

A Deusa Gaúcha da Justiça



Divulgação

Imagem da Matéria

Santa Rosa, 9 de maio de 2019.

Ao
Espaço Vital

Ref.: Deusa Gaúcha da Justiça

Nestes mais de 30 anos de advocacia e magistério, sempre exerci estas atividades como vocação. Com muito orgulho e satisfação, com a companhia de minha esposa e três filhos.

Mas sempre me indagava: por que a deusa Themis parte da mitologia e dos ditames de uma proposta de justiça, não poderia ser algo mais nosso, mais perto, mais coração, mais missioneiro? Em 2010, como apaixonado por viagens (mais de cem pelo Brasil e pelo mundo) surgiu-me a ideia de criar uma deusa gaúcha.

Sou apaixonado pela cultura missioneira e gaúcha, nosso povo, os farrapos, a revolução de 1893, ximangos e maragatos. Tenho a tradição campesina de homem simples que, dentro de seus costumes e angústias diárias quando clama por justiça, sempre a vi ao longe, cercada de trâmites e prazos, diversa de minha crença, tradição e origem.

Assim, criei em 2010 o trabalho de transpor tudo isso à Deusa Gaúcha da Justiça: uma mulher cabelo indígena (tupi-guarani/patos e minuanos) com folha de trevo de quatro pétalas ao cabelo (símbolo da fé, unicidade, equilíbrio e vida), rosto sem venda (símbolo da clareza e do conhecimento); busto da índia guarani missioneira, vestida de prenda (nosso culto).

Por que numa madeira especial? Isso deveria ser numa madeira credo canjerana, ano 1960. (Meu sobrenome HOLZ quer dizer Madeira e essa é a profissão de meus pais e avós).

Relembro de 1960, época de meus estudos para aprender a falar português e da primeira vez que pude usar sapato. Meu pai dizia... “Se você estudar muito e tiver um bom sapato, você irá longe e vida será melhor do que a nossa”.

Assim realizei o sonho de minha mãe e meu pai (muita saudade deles), ao ser professor e advogado.

Ofereci a proposta desta deusa a muitos artistas e artesões, mas todos ou se negaram ou se desculparam, alegando que não era a deusa que estava nos livros e nos tribunais e alguns alegaram inclusive que poderiam “surgir problemas com o pessoal da justiça".

Em setembro de 2017 conheci o artista Mauro Ruckert (Comunidade de Padre Gonzalez - Três Passos/RS) que se apaixonou pelo assunto, conheceu a minha proposta e esculpiu a estátua. Esta é a Deusa Gaúcha da Justiça. A exata ideia de minha proposta e simbologia. Esta obra representa, para mim, coração e paixão .

É peça única. Não tem preço. Seu valor, pelo que representa, é inestimável. Tomara que os leitores do Espaço Vital gostem da minha ideia – em muito me honraria.

Obrigado, um abraço a todos.

Eliseu Holz, advogado (OAB-RS nº 23.643).
escritorio@eliseuholz.com.br
Santa Rosa/RS

Em tempo: se quiserem conhecer mais do meu trabalho, acessem www.webtvsul.com.br . Eu apresento o programa “Pelo Mundo”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli com caricaturas de Frank Maia (Humor Político)

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um  ato judicial

 

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um ato judicial

Demora no pagamento de um alvará judicial encaminhado para “apreciação e controle do núcleo jurídico do BB”. E a concordância da juíza da causa:“Deverá o autor aguardar os trâmites internos do banco depositário para liberação do valor”. Leia os detalhes em “Carta de Leitor”, enviada pelo advogado Gastão Bertim Ponsi.

Julgado recente gera jurisprudência importante para o Direito Processual Civil

A consideração aos princípios da boa-fé processual, lealdade e cooperação mútua. Advogado gaúcho Tiago Setti Xavier da Cruz resume decisão do TJ de Goiás: “Provimento de apelação, contra sentença que entendeu que a simples interposição de exceção de pré-executividade não tem o condão de suspender a execução e nem o prazo para interposição de embargos”.