Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 20 de setembro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Tinga, eu e a velhice



Reprodução do Canal ESPN

Imagem da Matéria

É muito peculiar falar em velhice quando a referência é uma atleta de futebol. Decretar a velhice ou a incapacidade parcial de alguém no auge dos seus 35 anos, em contradição com a expectativa de vida média próxima aos 80 anos, é um paradoxo.

Sempre admirei muito o Tinga, uma liderança positiva de vestiário, um jogador obstinado pelo time, disciplinado e um apoio para os demais seus colegas.

Após a saída do treinador Jorge Fossati, assumiu o Celso Roth. Nunca escondi de ninguém a grande consideração que tenho para com eles. Profissionais, sérios, idôneos e dedicadíssimos.

Logo após um jogo do Campeonato Gaúcho, após a extinção do famigerado “Inter B” tínhamos que voar para o Equador. Em meio ao segundo tempo daquela partida do Gauchão, o Tinga foi substituído. O desconforto gerado foi visível, pois saiu de campo contrariado, chegando a cogitar de não embarcar com a equipe. O embarque como disse, era logo após ao jogo.

Mantive contato com o seu procurador, ponderando acerca das consequências que o ato acarretaria.

Como disse, o Tinga é, além de um cidadão exemplar é um profissional como poucos.

Viajamos todos e não tocamos mais no assunto. Tudo transcorreu bem na viagem.

Após o retorno, quando tudo parecia serenado, chamei o Tinga para conversar. Foi um diálogo franco. Iniciei dizendo que poderia falar de cadeira sobre o avanço da idade e das limitações decorrentes. Disse-lhe ainda que, com certeza ele, um atleta consciente estava sentindo na carne as dificuldades decorrentes do tempo. Que, além disso, no caso dos atletas, havendo muita rotatividade com a chegada outros, isso se tornava flagrante pois, via de regra, os novos estavam na “flor da idade”.

Continuando a conversa, apontei para ele uma outra perspectiva, a de que nós quando mais velhos, temos a possibilidade de amparar mais os outros, servindo de exemplo e prevendo aquilo que já se repetiu diante de nós inúmeras vezes.

Conclui afirmando que de nada adiantaria ficar incomodado com o técnico, pois na realidade a insatisfação é conosco mesmo. Reafirmei que a compensação cerebral, supre em muito a muscular.

Foi uma conversa difícil, com um certo grau de emoção, mas fundamentalmente verdadeira.

Acompanhei por um tempo o Tinga que continuou sendo um atleta e tanto. No Cruzeiro seguiu entrando em campo para fazer a diferença constituindo-se em um ídolo, tal qual no Internacional.

Conto isso, não apenas para revelar uma experiência, mas para afirmar o quanto é difícil adequarmos à idade e as nossas limitações à vida, embora imprescindível essa capacidade.

O Tinga foi mais um daqueles que valeu a pena conhecer no futebol.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

O coronelismo de churrasqueira

 

O coronelismo de churrasqueira

“Logo após a debacle de ontem, o comentarista Mauricio Saraiva, defendeu a manutenção de toda a estrutura do futebol, apontada como concebida pelo ´maior dirigente da história do Internacional, Fernando Carvalho´. Eu penso diferente: deixar o Odair até o final do Brasileirão, quando poderá ser reavaliado, mas mudar o departamento de futebol já!

Pro dia nascer feliz...

 

Pro dia nascer feliz...

“Quarta-feira o Internacional fez o que deveria ter feito: ganhar do Nacional no país, na cidade, e no estádio dele” (...) Mas me ocupo também daquele lamentável fato ocorrido no último Gre-Nal. Um fato que revela a estupidez humana. Chama a atenção que ele tenha ocorrido entre duas mulheres. A agressora, segundo sei, é notória defensora dos direitos femininos”...