Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de outubro de 2019.

Seis grupos, um cargo



A sucessão de Raquel Dodge no comando da Procuradoria Geral da República será uma das mais concorridas da história. A indefinição sobre como o presidente Bolsonaro fará a escolha anima candidaturas fora da tradicional lista tríplice (esta terá sete concorrentes) que afinal reunirá os três mais votados por todos os integrantes do Ministério Público Federal.

Seis grupos disputam o cargo, incluindo procuradores que provavelmente correrão por fora da tradicional.

Outros detalhes:

1) Raquel Dodge ainda não sinalizou, mas a expectativa é de que ela tentará a recondução;

2) O subprocurador-geral Augusto Aras já lançou sua candidatura de forma avulsa;

3) O chefe do Ministério Público Militar, Jayme de Cássio Miranda também quer ser procurador-geral, contrariando a tradição de nomear um membro do MPF;

4) Dois cotados demonstram alinhamento com Jair Bolsonaro: são Guilherme Schelb, defensor do movimento Escola Sem Partido, e Ailton Benedito, próximo de políticos do PSL;

5) Lembrado em Curitiba, Deltan Dallagnol nega interesse.

6) A atual sub-procuradora-geral da República Luiza Cristina Frischeisen enviou mensagens a colegas de trabalho informando que entrou no páreo da lista tríplice. Ela soltou a novidade às vésperas da desistência de Nicolao Dino, o mais votado da lista de 2016, quando Michel Temer acabou escolhendo Raquel.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Bolsonaro escolhe Augusto Aras para comandar PGR

O indicado ainda precisa ser aprovado em sabatina no Senado e enfrentará resistência interna da categoria, por não ter integrado a lista tríplice. Na última terça-feira, Bolsonaro comparou o governo a um jogo de xadrez e afirmou que a dama (ou rainha) corresponde à PGR.

Novo penduricalho chegando

Lei estadual de Pernambuco institui o “auxílio-saúde” (R$ 500 mensais) para promotores e procuradores de justiça. Cidadãos de bem, fiquemos de olho!